Conselho de Ética abre ações contra Eduardo BolsonaroÍcone de fechar Fechar

Câmara Federal

Conselho de Ética abre ações contra Eduardo Bolsonaro

Parlamentar vai responder por quebra de decoro ao sugerir "um novo AI-5"


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18
Brasília

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados abriu dois processos contra o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) que podem chegar à cassação do seu mandato. O filho do presidente passa a responder por quebra do decoro parlamentar por sugerir a convocação de "um novo AI-5" para reprimir manifestações no País e por ter ofendido a ex-líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), pelas redes sociais. O colegiado analisou três representações contra Eduardo Bolsonaro. Por determinação do presidente do conselho, Juscelino Filho (DEM-BA), duas representações foram juntadas em um só processo por se tratarem de uma mesma acusação: apologia ao ato institucional número 5 (AI-5) que fechou o Congresso e retirou de direitos civis com a possibilidade de habeas corpus.

Os pedidos apensados foram da Rede Sustentabilidade e o do PT, PSOL e PCdoB acusam o segundo filho do presidente Jair Bolsonaro de ter quebra do decoro parlamentar ao defender a reedição do AI-5 como uma alternativa para combater possíveis protestos casos as manifestações tomem proporções como ocorre no Chile e na Bolívia.

A outra ação foi apresentada pelo PSL durante a disputa pela liderança do partido na Câmara envolvendo o grupo político ligado ao presidente da legenda, Luciano Bivar (PE), e o do presidente Jair Bolsonaro. Em retaliação ao apoio de Joice ao ex-líder, Delegado Waldir (PSL-GO), Bolsonaro destituiu a deputada da liderança do Congresso e Eduardo a atacou nas redes sociais. Segundo o processo, que é assinado pelo presidente nacional do PSL, Luciano Bivar (PE), Eduardo promoveu uma "campanha difamatória e injuriosa" e um verdadeiro "linchamento virtual" com ofensas e ataques pessoais contra Joice.

O filho do presidente publicou montagens que mostram uma nota falsa de R$ 3 estampada com o rosto de Joice e incentivou ataques com a hashtag "DeixedeSeguiraPepa", em alusão a personagem Peppa Pig. Os três deputados que vão analisar as ofensas à Joice são Eduardo Costa (PTB-PA), Marcio Marinho (Republicanos-BA) e Marcio Jerry (PCdoB-MA). O relator deste caso também ainda não foi definido.

"Não cometi crime nenhum", afirmou Eduardo Bolsonaro logo após a decisão do conselho. Para o filho do presidente, foi uma forma de censura, uma forma de intimidação. "Depois da minha fala sobre o AI-5, agora, o Paulo Guedes [ministro da Economia] sofre as mesmas consequências", afirmou Eduardo em referência à fala do ministro que, nos Estados Unidos, pediu para "não se espantarem" caso defendam um novo ato institucional para conter protestos.