Diário da Região

    • São José do Rio Preto

      09/11/2019

    • máx 32 min 21
09/11/2019 - 00h30min

MUNDIAL PARALÍMPICO

Com dois ouros, Brasil fecha dia em 2º no quadro de medalhas

Ale Cabral/CPB Thiago Paulino conquistou medalha de ouro no arremesso de peso F57
Thiago Paulino conquistou medalha de ouro no arremesso de peso F57

O Brasil fechou o segundo dia de competições no Mundial de Atletismo Paralímpico de Dubai com duas medalhas de ouro, uma prata e um bronze. No dia anterior já havia faturado um primeiro e um terceiro lugares na competição. Com isso, está em segundo no quadro de medalhas, com seis no total, atrás da China, que tem 7 - uma prata a mais.

Thiago Paulino fechou a melhor temporada da sua vida com o bi mundial no arremesso de peso F57 (cadeira de rodas). O ano foi perfeito com direito a três recordes mundiais, o bi no Parapan conquistado em Lima e agora a medalha de ouro com direito a conquista da vaga para os Jogos de Tóquio-2020. Ele arremessou 14,68 metros, longe do seu recorde, 15,26. Mas foi o suficiente para ficar à frente do sírio Mohamad Mohamad (14,29m) e do chinês Guoshan Wu (14,21m).

"Há dois anos abri o conforto da minha casa, passei a morar longe da minha esposa e dos filhos para treinar em São Paulo com o objetivo de ter essa evolução. Este ano as coisas aconteceram. Agora é descansar um pouco porque o foco total vai ser a preparação para Tóquio. Quero conquistar essa medalha que falta no meu currículo", disse.

Para Júlio César Agripino o ouro teve sabor de volta por cima. Em agosto, no Parapan de Lima, ele tropeçou e caiu logo no início da prova dos 1.500m. Nesta sexta ele subiu no degrau mais alto na classe T11 (cegos). Ele terminou com o tempo de 4min07s02, à frente do queniano Samwel Kimani (4min08s47) e do polonês Alek Kossakowski (4min08s71). "Quando lembro do Parapan ainda dá muita tristeza. Mas ali falei: 'sou grande, tenho sonhos e família para sustentar. Preciso me levantar'. Não quis sair de férias, treinei. Chorei, sofri, mas trabalhando e dizendo que era possível realizar o sonho de se tornar campeão mundial", disse ele que ainda competirá os 5 mil metros na próxima quinta-feira.

No salto em distância, Mateus Evangelista conquistou prata, repetindo o resultado do Mundial de Londres, em 2017. O brasileiro teve exatamente a mesma performance ao saltar 6,10 metros. Ele ainda correrá os 100m e os 200m em Dubai. O ouro foi para o chinês Peng Zhou, com 6,23 metros e o bronze ficou com o ucraniano Vladmir Zahrebelnyl (6,07m).

Estreante em Mundiais, Gabriela Mendonça terminou em terceiro lugar no salto em distância. Sua melhor marca foi 5,54 metros, ficando atrás da ucraniana Oksana Zubkovska (5,73m) e do algeriana Lynda Hamri (5,58m).

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.