Prêmio Oceanos revela os dez livros finalistasÍcone de fechar Fechar

LÍNGUA PORTUGUESA

Prêmio Oceanos revela os dez livros finalistas

O angolano Pepetela é o único africano da lista e disputa o prêmio com o romance 'Sua Excelência, De Corpo Presente'


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18
São Paulo

O Prêmio Oceanos, que recebeu este ano a inscrição de 1.467 livros de 314 editoras de 10 países, anuncia nesta quarta, 6, seus 10 finalistas. Concorreram obras de qualquer gênero literário publicadas originalmente em português.

O angolano Pepetela é o único africano da lista e disputa o prêmio com o romance "Sua Excelência, De Corpo Presente". Pepetela, que acaba de lançar no Brasil "O Quase Fim do Mundo", é nome frequente entre os finalistas do Oceanos.

São cinco livros de autores brasileiros na lista: "Alguns Humanos" (Tinta-da-China), de Gustavo Pacheco; "A Tirania do Amor" (Todavia), de Cristovão Tezza; "O Imortal" (Companhia das Letras), de Mauricio Lyrio; "O Preto Que Falava Iídiche" (Record), de Nei Lopes; e "Sorte", de Nara Vidal.

De Portugal, concorrem "Eliete", de Dulce Maria Cardoso; "Ensina-me a Voar Sobre os Telhados", de João Tordo; "Luanda, Lisboa, Paraíso", de Djaimilia Pereira de Almeida; e "Meio Homem Metade Baleia", de José Gardeazabal.

Cristovão Tezza, o autor do superpremiado "O Filho Eterno" (2007), é finalista, ainda, do Prêmio São Paulo de Literatura e do Jabuti. Gustavo Pacheco também é finalista do Jabuti.

Este ano, chegaram à final nove romances e um livro de contos (o de Pacheco) - o prêmio não é dividido em categorias. Uma curiosidade: em 2018, dos quatro autores premiados, três eram poetas. Marília Garcia ficou em primeiro lugar com Câmera Lenta.

Desta vez, não serão mais premiados quatro ganhadores - mas os três de agora vão ganhar um pouco mais. O valor total da premiação, que era R$ 230 mil em 2018, passa para R$ 250 mil este ano. O vencedor ganha R$ 120 mil. O segundo colocado, R$ 80 mil e o terceiro, R$ 50 mil.

Os ganhadores serão conhecidos no dia 5 de dezembro, em encontro no Itaú Cultural.

O júri foi formado pelos críticos literários Eliane Robert Moraes e Ítalo Moriconi, pelas escritoras Maria Esther Maciel e Veronica Stigger, do Brasil; pela jornalista Ana Sousa Dias, pelo poeta Daniel Jonas e pelo crítico literário Manuel Frias Martins, de Portugal; e pelo crítico literário Francisco Noa, de Moçambique. Em nota, eles destacaram que entre os títulos selecionados "figuram sobretudo narrativas que tratam dos temas da desterritorialização, da inquietação existencial e da sexualidade".

Os curadores são Adelaide Monteiro, Isabel Lucas, Selma Caetano e Manuel da Costa Pinto. O Oceanos é realizado em parceria com o Banco Itaú, República de Portugal, CPFL Energia e tem o apoio do Itaú Cultural, Instituto CPFL e Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde.