Pesquisadores encontram vértebra de titanossauro em UchoaÍcone de fechar Fechar

PESCOÇUDO

Pesquisadores encontram vértebra de titanossauro em Uchoa

Pesquisadores encontram vértebra de dinossauro que viveu na região há 80 milhões de anos; fóssil foi encontrado em área rural entre Uchoa e Ibirá e será exposto no Museu de Paleontologia Pedro Cândolo


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

A vértebra de um titanossauro, que viveu na região há 80 milhões de anos, foi encontrada em uma área rural entre Uchoa e Ibirá. A descoberta aconteceu no último dia 5 de outubro em uma expedição em busca de fósseis pela região, mas a divulgação do achado foi feita apenas nesta semana, após análise em laboratório.

Segundo o paleontólogo Fabiano Vidoi Iori, o fóssil foi retirado do barranco de uma grota há um mês. Após análises, a equipe constatou que o osso pertencia à calda de um titanossauro. "Os titanossauros predominaram no Brasil e na Argentina. Pelo tamanho da vértebra, acreditamos ser de um pescoçudo herbívoro com dez metros de comprimento", disse Fabiano.

Junto com o paleontólogo no momento do achado estava o biólogo Leonardo Silva Paschoa. Foi ele quem encontrou o fóssil na rocha. "Quando encontramos estava aparecendo só um pedacinho dele pra fora da rocha do barranco, então tivemos que quebrar a rocha em volta para poder tirar um bloco e trazer para o laboratório, onde fomos escovando a rocha para tirar o fóssil de dentro", contou.

Segundo Leonardo, na mesma região onde foi encontrada a vértebra do titanossauro já foram localizados vários outros fragmentos de fósseis. "Nesse trabalho de busca, usamos bastante marretas e talhadeiras. Normalmente, realizamos esse serviço nos finais de semana e feriados", falou o biólogo, que também administra o Museu de Paleontologia Pedro Cândolo, em Uchoa, onde estão expostos diversos fósseis encontrados no Noroeste paulista.

No museu inaugurado em dezembro de 2016, estão expostos aproximadamente 450 fósseis de quatro diferentes espécies de dinossauros - Titanossauro, Abelissauro, Megaraptora e Maniraptores -, e de outras espécies, incluindo fósseis de crocodilos que viveram na região. Nos próximos dias, a nova descoberta, que mede aproximadamente 20 centímetros, será exposta no local para os visitantes.

"Nesse sítio paleontológico em que encontramos o fóssil, a gente já vem trabalhando há mais de um ano nele", destacou Fabiano. O grupo que realiza as buscas é formado por quatro pesquisadores do museu. "Com autorização do governo sempre realizamos coleta, vamos a campo e depois estudamos os achados em laboratório. O último que conseguimos encontrar foi a calda desse dinossauro", ressaltou Leonardo.

Fósseis de titanossauro são muito comuns de serem encontrados na região. Esses dinossauros viveram na área classificada pelos cientistas como Bacia do Bauru, que corresponde a parte do Estado de São Paulo, noroeste do Paraná, leste do Mato Grosso do Sul, Triângulo Mineiro e sul de Goiás.

Para Fabiano, a descoberta do novo fóssil contribuirá para futuras pesquisas sobre os dinossauros que viveram na região. "Estamos começando os estudos, então quanto mais materiais agregarmos, mais vamos descobrir como era a fauna na região há 80 milhões de anos. De osso em osso, vamos descobrindo como eram os dinossauros da nossa região, e comparando com os de outros países."

  • Local em que foi encontrado: área rural entre Uchoa e Ibirá, próximo ao trevo da rodovia Washington Luís
  • Osso analisado: parte da cauda
  • Tamanho do fóssil: 20 centímetros
  • Família: Titanossauro
  • Ano em que viveu: cerca de 80 milhões de anos atrás, no período Cretáceo
  • Comprimento do dinossauro: aproximadamente 10 metros