Escola filantrópica no Solo Sagrado vai fecharÍcone de fechar Fechar

Tensão

Escola filantrópica no Solo Sagrado vai fechar

Administração alega falta de recursos financeiros e impasse sobre posse do terreno


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Pais e familiares de alunos do Colégio Ressurreição São Vicente de Paulo em Rio Preto estão desesperados com o anúncio de que a escola vai encerrar as atividades no dia 20 de dezembro deste ano. A unidade possui hoje 133 alunos e fechará as portas depois de 11 anos de ensino do 1º ao 5º anos, oferecidos de forma gratuita e integral no bairro Solo Sagrado. O motivo do fechamento, segundo a administração, é a inviabilidade do projeto por impasse sobre posse do terreno e falta de recursos.

"Estamos desesperados. Eu crio três netinhos, passo um sufoco, trabalho em casa e dependo daquele colégio", afirmou Joseli Oliveira de Moraes Raymundo, avó de um aluno de 7 anos, do 1º ano. "Sem contar que se a escola fechar, a Secretaria [de Educação] pode não garantir escola perto e eu não tenho condição de levar eles para fora do bairro."

A faxineira Patrícia Rodrigues da Silva é mãe de um aluno de 9 anos que cursa o 3º ano. O drama é parecido com o de Joseli, uma vez que ela também é sozinha. "Sou divorciada, e sem família em Rio Preto. Infelizmente vou ter que me mudar para outra cidade por conta desse problema", lamentou.

Natália Lopes tem uma criança de 9 anos que estuda na escola desde 2015. Segundo a responsável, o sentimento é de abandono. "Estamos desamparados", afirmou. "Fomos comunicados há dez dias de que não teremos mais a continuidade das aulas. Precisamos entender o que houve. A escola não pode fechar."

Além do fato de a escola oferecer ensino em tempo integral, pais atendidos pela unidade elogiam a qualidade da educação do projeto. "É o último ano da minha filha lá. É um colégio 'particular' e de graça. A gente tinha tudo gratuito, eu sempre comprei só o uniforme e material escolar, o restante tudo foi oferecido", afirmou Jeferson Fogaça, pai de uma aluna de 11 anos.

Inviabilidade

A diretora da unidade, Esmeralda Coelho, confirmou o fim das atividades e informou que ali há necessidade de investimentos para melhorias na estrutura, no entanto, como o imóvel é do município, em concessão para a Cáritas Diocesana, os investimentos ficaram inviáveis. "Não sendo concessão para as irmãs [Ressurreição], não há interesse em investir e continuar", afirmou.

O gerente administrativo da Associação Assistencial, Promocional e Educacional Ressurreição (Aper), mantenedora do projeto, Daniel Pirola, confirmou as informações. "Precisaríamos fazer investimentos em um prédio que não é nosso. Se a Prefeitura virar para Cáritas e dizer que não quer mais a concessão, tudo que fizermos lá ficará para Prefeitura. Isso vai virando um complicador."

O gerente acrescentou que a decisão de fechamento da escola foi tomada em meio a uma remodulação dos projetos sociais da associação, que busca concentrar esforços em projetos sociais em locais de alta vulnerabilidade socioeconômica. "Onde não têm obras sociais? No Vale do Jequitinhonha (MG), por exemplo, ou a gente faz ou ninguém faz", afirmou.

Segundo Daniel, a mantenedora se coloca à disposição para qualquer outra entidade ou até mesmo a Cáritas para dar continuidade ao projeto da escola. No entanto, a irmã Rosângela Aparecida Fontoura, da Cáritas Diocesana, disse que não tem a possibilidade de intervir sobre a concessão e que não conseguiriam dar continuidade na escola. "A escola é algo dispendioso, fomos informados em agosto, não tinha condição", disse.

Já a Prefeitura informou que a rede municipal tem capacidade para atender aos alunos da unidade. "Pais e responsáveis podem procurar a escola mais próxima de sua residência para solicitar o atendimento", afirmou em nota.

 

Colégio Ressurreição São Vicente de Paulo

  • A unidade fica na rua São Vicente de Paulo, 800, no Solo Sagrado
  • Atende alunos do 1º ao 5º anos do ensino fundamental
  • Hoje, 133 alunos são atendidos em período integral
  • Foram 11 anos de existência e as atividades devem ser encerradas no dia 20 de dezembro
  • É mantido pela Associação Assistencial, Promocional e Educacional Ressurreição (Aper)