Dá para evitar a tromboseÍcone de fechar Fechar

Saúde

Dá para evitar a trombose

Hábitos saudáveis podem evitar doença que atingiu prefeito de São Paulo


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Nos últimos dias, uma condição não tão rara, mas nem tão conhecida, tomou conta dos noticiários depois de atingir o prefeito de São Paulo, Bruno Covas. Trata-se da trombose venosa profunda (TVP). "A trombose venosa é a formação de coágulos de sangue, em uma veia, geralmente em partes inferiores do corpo", explica o angiologista e cirurgião vascular Hélio Bergantini Filho.

Os trombos geralmente se formam nas veias da panturrilha, mas podem, também, se alojar nas coxas e, ocasionalmente, nos membros superiores. "Os principais sintomas da trombose venosa profunda são dores nas pernas, coloração do membro mais avermelhada ou próxima ao roxo, formigamento e adormecimento. No entanto, o problema também pode ser oculto e ser diagnosticado por exames específicos", diz o cirurgião vascular Gilberto Narchi Rabahie, do HCCor.

A trombose venosa pode ter várias causas. Quando houver alteração da coagulabilidade sanguínea, da velocidade do sangue dentro dos vasos e da qualidade da parede do vaso, existe a chance de formação de trombos. Os indivíduos mais propícios a desenvolverem trombose venosa são aqueles portadores de fatores de risco como neoplasias (câncer de intestino, pulmão, próstata e mama por exemplo), imobilidade temporária ou definitiva, obesidade, idade avançada, infecção, insuficiência cardíaca, varizes, entre outras.

"A trombose pode ser uma indicação de que há câncer em atividade. Pacientes até então sem sintomas do câncer apresentam como primeira manifestação da doença a trombose venosa, devido a um estado de maior propensão a desenvolver coágulos. É a chamada síndrome paraneoplásica", explica Narchi Rabahie.

Entretanto, tal complicação pode acontecer em decorrência da trombofilia, que é a predisposição para formação de coágulos no sistema vascular. Outros fatores, como uso de anticoncepcional, tabagismo e obesidade podem contribuir para a formação de coágulos.

Nos últimos anos, os casos de trombose aumentaram e também houve avanços no diagnóstico. "A utilização de exames de imagem, como ultrassom vascular e tomografia, identificam a trombose venosa em pequenos vasos que, a olho nu, não são evidentes", acrescenta. "Também suspeitamos de trombofilia em casos de trombose em pacientes com menos de 45 anos, que são jovens", completa Rabahie.

Segundo o especialista, no estado gestacional, as mulheres tendem a maior incidência de eventos trombóticos devido às variações hormonais, mesmo sem fator hereditário envolvido. Já em idade mais avançada, os homens têm incidência um pouco maior.

"O tratamento é feito, na maioria dos casos, com anticoagulantes, com as heparinas e com os novos anticoagulantes orais", explica Bergantini.

 

Sintomas: Os sintomas da trombose são os decorrentes do local e extensão do trombo, sendo os mais frequentes dor e edema em membros inferiores - local este de maior acometimento. Pode ocorrer em membros superiores, em vasos intra-abdominais e até cerebrais. "No entanto, é válido ficar atento a situações que apresentem dor nas pernas ao caminhar, de repouso ou parada, inchaço de apenas um membro e pele azulada no local, além de dor e endurecimento de alguma veia. Estes podem ser alguns sintomas, mas não significa que o diagnóstico seja obrigatoriamente de trombose", diz Gilberto Narchi. É necessária avaliação médica e exames específicos;

Complicações: Uma das principais complicações é a embolia pulmonar, que é quando um vaso sanguíneo do pulmão é obstruído por um coágulo de sangue. Geralmente, esse coágulo vem por meio da corrente sanguínea, de outras partes do corpo, principalmente das pernas. "Parece ser este o quadro que acometeu o prefeito de São Paulo. Em número pequeno de casos, a embolia pode ser fatal, por isso, é necessário monitoramento médico", afirma Gilberto Narchi Nabahie.

 

Como toda doença, a prevenção é o melhor caminho para evitar a trombose. Ter uma dieta equilibrada com frutas, legumes e verduras é fundamental, assim como a prática regular de exercícios. Ingerir bastante água no dia a dia e evitar o tabagismo, consumo de álcool em excesso e alimentos gordurosos são igualmente importantes.

"Meias de compressão também podem ajudar, para evitar a TVP, principalmente em casos que a pessoa ficará na mesma posição por um longo período [como acontece em viagens prolongadas]", afirma Carlos Alberto Fernandes Costa, especialista em cirurgia vascular. A atenção deve ser redobrada por quem possui histórico familiar com problemas vasculares. "Não esqueça de acompanhamento médico para diagnósticos precoces", sugere Hélio Bergantini.