Como proteger as cordas vocais e evitar a perda total ou parcial da vozÍcone de fechar Fechar

SAÚDE

Como proteger as cordas vocais e evitar a perda total ou parcial da voz

A afonia é a perda vocal parcial ou total que afeta pessoas que utilizam a voz excessivamente ou que não mantêm uma alimentação e hidratação adequadas


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Instrumento de trabalho de 70% dos brasileiros, a voz exige cuidados constantes. O abuso pode gerar distúrbios que provocam alterações nas pregas vocais, estruturas responsáveis pela voz. Um dos sintomas do seu uso excessivo é a afonia, que consiste na perda parcial ou total da voz.

Segundo o otorrinolaringologista Evandro Marton da Silva, a pessoa que passa a sentir o sintoma consegue reproduzir o som, mas não consegue modulá-lo. Para o especialista, são diversas as possíveis causas para a afonia. "Os fatores podem ser variados e podem surgir como consequência de alergia, infecção da via aérea superior, inflamação da garganta, exposição aos ambientes secos, exposição ao fumo (qualquer tipo de fumo), uso abusivo da voz e até mesmo tumores", explica.

São justamente no dias mais secos que a professora Janaína Aparecida de Oliveira Rocha, 34 anos, sente o enfraquecimento das cordas vocais. Ela conta que possui alergia à poeira e, durante o período de estiagem, os problemas de afonia ocorrem com mais frequência. "No fim do dia, percebo que vou ficando afônica. Já cheguei a ficar seis dias sem conseguir falar nada", conta. Devido à necessidade de se comunicar com os alunos durante boa parte do dia, ela só consegue fazer repouso durante os finais de semana. "Eu como uma maçã todas as manhãs para fortalecer as cordas vocais e, durante os dias de folga, fico sem aumentar a voz, tentando falar mais baixo, até ela voltar", explica a docente.

A afonia é um dos principais sinais de que algo não está correto com as cordas vocais, e as falhas provocadas pelo cansaço vocal tendem a piorar ao fim do dia, provocando incômodo na fala. Ela é considerada o quarto e último grau da disfonia - limitação vocal, é um sintoma que pode vir acompanhado de outros, como tosse, pigarro, dificuldade para engolir e até mesmo febre baixa.

E ela pode ocorrer em qualquer pessoa, mas como no caso da professora Janaína, as que utilizam a voz como instrumento de trabalho estão mais sujeitas ao uso abusivo da voz. O problema também pode afetar pessoas que fumam frequentemente.

Segundo a fonoaudióloga e musicista Andréa Cristiani Signorini, que trabalha há 15 anos na área, a perda da voz também pode ter origem emocional causada por estresse e traumas emocionais. "Seus sintomas são a incapacidade de falar alto, maior que um sussurro, dor na garganta, dificuldade de engolir e tosse frequente", pontua. 

Nos casos em que o enfraquecimento da voz for persistente, a pessoa deve procurar ajuda de um profissional especializado. "Se a afonia persistir por mais de três dias e continuar sem melhora e, principalmente, se prolongar por mais dias, é hora de buscar ajuda de um otorrinolaringologista para avaliar o caso. Um exame chamado laringoscopia pode ser indicado para examinar as cordas vocais. É importante ressaltar que quanto mais cedo a afonia for diagnosticada, melhores são as chances de tratamento", acrescenta Silva.

O tratamento varia de acordo com o quadro de cada paciente e de acordo com a causa do problema. Podendo variar desde a um simples repouso vocal ao tratamento medicamentoso ou de terapia da fala até cirurgia.

Uma das principais dicas para manter a saúde vocal e evitar futuros problemas nas pregas vocais é beber água em pequenos goles, explica a fonoaudióloga. "Quando a língua toca os lábios para hidratá-los é o momento de ingerir um gole de água, explica. A profissional também orienta o consumo de frutas cítricas, que contêm uma quantidade maior de água.

Outro ponto importante é não usar a voz em volume elevado sem necessidade. Além disso, as dicas são evitar pigarrear para não provocar atrito nas pregas vocais, evitar alimentos condimentados derivados do leite e café antes do uso profissional da voz, além de evitar as bebidas gaseificadas, evitando assim o refluxo gastroesofágico.

Os dois especialistas destacam que a visita a um profissional uma vez ao ano é essencial para exames periódicos que podem prevenir alterações causadas pelo uso incorreto da voz, inclusive o câncer de laringe.

  • Abuso da voz (gritar ou falar excessivamente)
  • Problemas respiratórios
  • Laringite causada por uma infecção viral, bacteriana ou fúngica
  • Consumo de tabaco
  • Refluxo ácido (por exemplo, acidez gástrica)
  • Espessamento das cordas vocais
  • Nódulos ou pólipos nas cordas vocais
  • Disfonia tensão muscular
  • Danos aos nervos que afetam o funcionamento`da laringe
  • Câncer de laringe ou tireoide