Cachorro tristeÍcone de fechar Fechar

Pets

Cachorro triste

Assim como os humanos, pets também podem desenvolver depressão


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Os cães, assim como os humanos, também podem sofrer com transtornos emocionais como estresse, ansiedade e depressão. "Cães são seres sencientes [com sentimentos] e, portanto, o quadro também existe entre esses pets", explica a veterinária Erika Turim. Mas, assim como acontece conosco, é preciso diferenciar o que é tristeza do que é temperamento. "É importante sempre separar o que é um 'cão calminho' de um 'cão deprimido'", diz ela.

Estar inserido em um ambiente inadequado ou passar por uma mudança na composição familiar ou na rotina podem desencadear alguns problemas emocionais nos animaizinhos. "Os transtornos emocionais dos cães ocorrem desde a falta de algum nutriente no organismo até por questões de estilo de vida, quando nasce um bebê ou falece alguém na família, alguma troca de horário no trabalho, impactando no tempo do dono em casa", afirma a veterinária Consuelo Martin Ferreira.

  • Agressividade repentina: Algumas raças costumam ter personalidade mais fortes. Entretanto, esses comportamentos repentinos em espécies mais calmas como morder, latir ou mostrar os dentes podem ser sintomas do quanto ele está irritado ou estressado;
  • Como reverter: "É importante resgatar uma rotina diária de caminhada e de preferência que ele fique livre para explorar o ambiente", diz a veterinária Consuelo Martin Ferreira;
  • Recusa de alimentos: Há diferença entre ser seletivo e rejeitar tudo que é oferecido. A negação total pode ser um alerta de que algo não vai bem;
  • Como reverter: Caso pare de comer a ração, ofereça petiscos e, aos pouquinhos, tente regularizar a alimentação;
  • Automutilação: Gatos lambem-se com frequência, no entanto, cães que adotam este comportamento, principalmente com foco apenas em um lugar do corpo, podem representar algum problema emocional;
  • Como reverter: Pode ser provocada por outros fatores, assim como podem ser reflexo de ações dos tutores, então vale uma atenção redobrada dentro de casa;
  • Limites nas brincadeira: Muitas vezes os tutores, sem perceber, fazem brincadeiras que geram desconforto e ansiedade ao seu pet;
  • Como reverter: Não existe a brincadeira ideal. Jogar bolinha, ossos para roer, correr junto, se esconder e fazer o cãozinho procurar são algumas brincadeiras saudáveis", sugere a adestradora Izabella Pereira;
  • Dormir pouco ou em excesso: Filhotes e idosos tendem a dormir mais do que os cachorros adultos, que em média somam de 15 a 16 horas por dia. "Naturalmente, eles descansam dez horas à noite e ao longo dia dividem o sono em pequenos cochilos", diz Consuelo Ferreira;
  • Como reverter: Se o seu cão não dorme à noite, deixe o ambiente em silêncio e preste atenção na luminosidade, assim, ele terá melhor aproveitamento do seu tempo de descanso.