Aí não é seu lugarÍcone de fechar Fechar

Comportamento

Aí não é seu lugar

Medo do novo mantém você na zona de conforto; está na hora de sair


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Ela atinge a todos com mais ou menos intensidade. Quanto mais distraídos, com maior energia ela chega e piores são os seus efeitos. Quando as coisas vão mal, somos impelidos a ela pela inércia; quando vão bem, somos atraídos a ela pela sedução. Esse lugar que aparentemente nos deixa aconchegados é a zona de conforto. "Basta um resvalo, e lá estamos nós estatelados na perigosa, traiçoeira e imperceptível zona de conforto", diz o escritor Roberto Adami Tranjan, no livro "Rico de Verdade" (ed. Acessa).

A zona de conforto é aquele lugar em que nos sentimos protegidos. Esse lugarzinho, nosso "porto seguro", evita riscos. Pode ser identificada, de forma simples, como uma vida de mesmice: o trabalho é repetido dia após dia sempre do mesmo jeito e as coisas feitas sem muito pensar.

"Há quem até ache uma maravilha essas imutáveis rotinas- que dão a falsa sensação de segurança, por acontecerem sem nenhuma surpresa. Parece que tudo está sob absoluto controle", complementa Tranjan.

"Há um desconforto em todas as mudanças. Uma das questões mais brutais da espécie humana é nosso apego à zona de conforto", diz o professor e historiador Leandro Karnal. A pergunta é: por que ficamos lá? "Porque ela é segura e mantemos tudo aquilo que é seguro, mesmo que não seja confortável", complementa. Essa zona de conforto faz com que todas as mudanças sejam vistas pela maioria das pessoas como desconfortável. E nós preferimos o mal conhecido à possibilidade de aventura remota. "Preferimos o mal a que estamos acostumados a um bem que foge ao meu controle. Ela é a zona do apego", diz.

Tenha coragem de deixar o velho e enfrentar o novo. "Tudo que é novo te tira da zona de conforto e isso é maravilhoso. O ser humano é o único ser vivo que se adapta a tudo, até com aquilo que é ruim, mas muitas vezes nem percebe", diz o psicopedagogo Nelson Gonçalves.

É o medo do fracasso quem te faz fixar morada nessa zona de conforto. Mas isso é satisfazer-se com menos do que você merece, apenas para evitar a possível dor da perda ou a vergonha de fracassar. A segurança e a falsa impressão de estar em um ambiente de trâmite fácil prevalecem sobre a aventura e o risco. Essa fuga à frustração faz com que se desista cedo demais diante dos obstáculos. É na superação que se encontram os mapas do tesouro para vitórias.

 

  • Admita que você está errado: Admitir, contra alguma afirmação, que você está errado possivelmente já vai te forçar a uma mudança de atitude. E isso pode colocar toda sua força à disposição de alguma coisa nova;
  • Faça alguma coisa diferente: Às vezes é culpa do orgulho, algumas vezes é por estresse, mas sabe aqueles convites de amigos os quais rejeitamos? O simples fato de aceitar sem preconceitos, com interesse, já vai mexer com as coisas dentro de você. Ouça novas sugestões e ideias sem formar defesas;
  • Planeje: Anote quantas atividades de distração você tem por dia. Das 168 horas semanais de vida, se você usa duas horas por dia cinco vezes por semana para buscar um sonho, serão somente dez horas. A falta de planejamento induz a ilusões. Preserve o equilíbrio. Negocie horas de lazer por metas de atividades que fizer buscando melhorar de vida, mas invista algumas horas buscando um sonho;
  • Aprenda a dizer não: Ok, você não quer fechar portas. Mas e se forem justamente as tantas portas abertas que estão te amarrando? Elas podem estar encobrindo sua visão ou ocupando todo seu talento. Às vezes é preciso fechar uma porta para que sejam possíveis enormes portais a sua frente;
  • Desafie as circunstâncias: Aceite fazer experiências. Comece com uma pequena tentativa. Nunca vá direto às conclusões. Muitas vezes as soluções estão entre os valores parciais, entre o tudo e o nada;
  • Abandone relacionamentos que não geram resultados: há pessoas que só sugam a sua energia. E pior, essas pessoas ainda te desencorajam ao novo, até com intimidações.

Fonte: Christian Barbosa, no livro "Mais tempo, mais dinheiro" (ed. Sextante)