Reforma em fonte da Represa não prevê retorno de somÍcone de fechar Fechar

Licitação de R$ 445 mil

Reforma em fonte da Represa não prevê retorno de som


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

A reforma da fonte luminosa instalada no lago 1 da Represa Municipal de Rio Preto, na altura do complexo da Swift, não prevê a recuperação do sistema de som do equipamento. Comprada pela Prefeitura por R$ 980 mil, a fonte foi inaugurada em 2011. A licitação prevê gastos de R$ 445,6 mil na recuperação do aparelho. A reforma tem previsão de durar três meses. A abertura das propostas está marcada para o próximo dia 19.

A licitação foi aberta pela Secretaria de Meio Ambiente, conforme o Diário revelou na edição desta terça-feira, 28. Na segunda, a secretária de Meio Ambiente, Kátia Penteado, não forneceu detalhes da concorrência. A assessoria de imprensa da Prefeitura informou que seria para "reparo, com troca de peças e lâmpadas". Nesta terça, 29, Kátia estava viajando, segundo informações da secretaria que ela comanda.

A assessoria da pasta informou que a reforma prevê troca de todos os projetores instalados na fonte, sendo 24 coloridos e 12 brancos. Informou ainda que três bombas novas serão adquiridas para colocar a fonte em funcionamento, mas a reforma não estipula a retomada de som.

De acordo com a Prefeitura, o Ministério Público questionou o som alto na Represa, em especial no anfiteatro instalado no local. Segundo a Prefeitura, por causa de restrições do Ministério Público, a reforma não incluiu som na fonte. "A questão sonora foi tema de posicionamento do MP, que restringiu a emissão sonora no local. Essa revitalização não contempla sistema de som, em função dessa restrição", afirma a Prefeitura.

Segundo informações do município, incluindo a instalação, a fonte luminosa acumula gastos de R$ 1,1 milhão desde que foi inaugurada, embora não funcione mais.

Desde a instalação em 2011 até 2017, entre instalação e manutenção foram investidos R$ 1.115.206, dos quais R$ 974.540 são referentes à compra da fonte (maquinário, instalação e manutenção por 34 meses), com dinheiro repassado pelo Ministério do Turismo. Outros R$ 140 mil foram gastos em manutenção após os 34 meses até 2017, afirmou o município.

No ano passado, de acordo com dados do Portal da Transparência, a Prefeitura gastou R$ 6 mil para manutenção da fonte.