PM que matou perito durante briga vai a júri Ícone de fechar Fechar

TIROTEIO

PM que matou perito durante briga vai a júri

Homicídio aconteceu durante uma briga na avenida Murchid Homsi


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

O policial militar Luis Carlos Fragoso, réu pelo assassinato do perito criminal da Polícia Civil Eduardo Teixeira Moreno, vai a júri popular. A decisão é da juíza da 3ª Vara Criminal de Rio Preto, Carolina Marchiori Bueno Cocenzo. O crime aconteceu em abril de 2018, durante uma briga em um bar, na avenida Murchid Homsi, na Vila Ercília. 

Segundo a decisão da juíza, a confusão que acabou em homicídio começou quando o perito chegou no local acelerando uma moto. A situação virou briga e, durante os atritos, o perito efetuou dois disparos no chão. Um dos tiros atingiu a perna de um amigo do PM.

Logo em seguida, segundo o que consta na Justiça, o perito se afastou e se manteve longe dos confrontos. Foi quando, conforme trecho da decisão, o PM avançou "lateralmente, fora da visão da vítima" e efetuou oito tiros contra o policial civil. "Soube-se que após a vítima ter caído ao solo, o acusado deu continuidade às agressões", escreve a magistrada.

No dia do crime, Fragoso foi preso, mas depois foi solto em audiência de custódia. O homicídio foi investigado pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG). Ele permanece em liberdade. O policial militar foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio triplamente qualificado - vingança, meio cruel e surpresa (recurso que dificultou a defesa da vítima). A promotoria também se manifestou a favor do julgamento popular. 

Das testemunhas do crime, quatro prestaram depoimentos em condição de testemunha protegida. "O réu admitiu que atirou na vítima, embora tenha alegado que o fez para defender seu amigo que tinha sido baleado pela vítima", afirma a juíza. "O aprofundamento da análise da prova deve ser feita pelo Tribunal do Júri, inclusive se houve excesso na alegada tese de legítima defesa", finalizou. 

A data do júri ainda deve ser marcada. A decisão da Justiça cabe recurso da defesa do PM.

(Colaborou Marco Antonio dos Santos)