Réu por feminicídio é condenado a 47 anos de prisãoÍcone de fechar Fechar

Tratorista de Icem

Réu por feminicídio é condenado a 47 anos de prisão

Acusado também de tentar matar o pai e a mãe da vítima


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

O tratorista Jaime Pereira Nascimento, 40 anos, foi condenado nesta quinta-feira, 10, pelo Tribunal de Justiça de Nova Granada, a 47 anos de prisão em regime fechado por matar a ex-mulher Graziele Aparecida Martins. A pena também está relacionada a duas acusações de tentativa de homicídio contra o padrasto e a mãe da vítima. 

O crime aconteceu numa tarde de sábado de 2018, na cidade de Icém. Na ocasião, a Polícia Civil informou que o assassinato ocorreu após uma discussão entre o padrasto da vítima e o réu. O padrasto teria procurado o tratorista para discutir o fato de ele ter descumprido uma medida protetiva a favor de Graziela - o documento é expedido pela Justiça para manter agressores distante de mulheres vítimas de violência doméstica.

Depois da confusão entre Jaime e o idoso, o tratorista teria ido até a casa do padrasto, onde Graziele foi morta a facadas. Durante os desentendimentos, o padrasto e a mãe da vítima também foram atingidos com golpes de faca, mas sobreviveram. Jaime foi preso e respondeu a ação penal preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Icém. O processo está em segredo de justiça. 

Nesta quinta-feira, o conselho de sentença, formado por sete jurados, considerou que o tratorista é culpado pelos crimes. Ele foi condenado a 47 anos, oito meses e 12 dias de cadeia por homicídio qualificado - feminicídio (qualificadora de crimes de homicídio contra mulher em razão do gênero), motivo torpe (fútil), cruel e meio que dificultou a defesa da vítima.

Jaime também foi condenado por outras duas tentativas de homicídio. Como é crime hediondo, Jaime já começa a cumprir a pena encarcerado. Segundo informações do Fórum de Nova Granada, a defesa do réu manifestou interesse em recorrer da sentença. Já o Ministério Público não se posicionou.