Audiência na Câmara debate a inclusãoÍcone de fechar Fechar

Autismo

Audiência na Câmara debate a inclusão


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

A Vara da Infância e da Juventude de Rio Preto vai promover na manhã desta sexta-feira, dia 4, uma audiência pública na Câmara Municipal para discutir a inclusão da criança autista na rede escolar e levantar propostas para melhorar o acolhimento. Segundo a Secretaria de Educação, o ensino municipal tem atualmente 177 alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA).

O evento que contará com participação de especialista no tema será realizado em parceria com o movimento dos pais de crianças do autismo de Rio Preto, que reclamam da falta de funcionários capacitados na rede escolar para acolhimento e educação da criança autista.

O juiz Evandro Pelarin afirma que a intenção da audiência é expor as reivindicações dos pais e discutir quais as propostas para aprimorar o atendimento. "A Justiça tem sido muito acionada por essas famílias para exigir melhores condições para os filhos em uma escola e serviços públicos. Mas a intenção desta audiência não é só apontar erros, mas levantar propostas para melhorar essa situação e apresentá-las para a Prefeitura", diz o juiz.

Pai de um menino autista com 10 anos, o advogado Marcelo Menezes diz que as crianças até têm sido incluídas nas escolas, mas sofrem porque não têm acompanhamento de educadores preparados. Com isso, ficam mais retraídas.

"Uma criança autista, muitas vezes, precisa de um cuidador e um educador com formação adequada, mas não é o que acontece na realidade. Quando a criança é colocada para conviver com outras, a intenção pode ser de inclusão, mas o resultado não é bom. E no final quem sofre junto é a família", critica o pai.

Segundo a Secretaria de Educação, nas escolas municipais, é disponibilizado para os alunos o trabalho do Naee (Núcleo de Atendimento Educacional Especializado), realizado no contraturno escolar. O professor do Naee procura identificar barreiras e propor estratégias de ensino, em trabalho conjunto com os professores titulares de sala, segundo a pasta.

Os alunos com TEA também têm a possibilidade de participar de oficinas no contraturno escolar, realizadas no Cema (Centro de Convivência e Educação Municipal do Autista Maria Lúcia de Oliveira).

As escolas, quando notam que há alguma dificuldade, encaminham para a Saúde, que é responsável por diagnóstico e tratamento, informa a Prefeitura.

A audiência na Câmara Municipal de Rio Preto será a partir das 8h30 às 12 horas e é aberta ao público.