Redação ressalta distância entre ensino público e privado no EnemÍcone de fechar Fechar

NOTA ESCOLAR

Redação ressalta distância entre ensino público e privado no Enem

Média das notas das escolas públicas de Rio Preto no Enem 2018 ficou em 521,36 pontos, enquanto os colégios particulares fizeram 621,36 pontos


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Cem pontos separaram a média geral das escolas públicas da média das particulares de Rio Preto no Exame Nacional do Ensino Médio em 2018. Enquanto as escolas estaduais rio-pretenses alcançaram média geral de 521,36 pontos nos dois dias de prova, nas instituições particulares a média chegou aos 621,36 pontos. O levantamento feito pelo Diário levou em conta 48 escolas de Rio Preto: 25 estaduais e 23 particulares.

E a redação é o principal "bicho papão". Tanto que a diferença entre as médias das escolas públicas e particulares da cidade aumenta para 201,49 pontos quando o assunto é apenas o texto argumentativo pedido no exame. No ano passado, a nota das públicas ficou em 485,1 pontos contra 686,6 pontos das particulares.

Para a professora do departamento de educação do Ibilce, Mônica Abrantes Galindo, uma série de fatores pode explicar a média divergente. "Em uma escola pública, você tem muita falta de professores, não tem determinado professor para aquela determinada matéria. Tem também o adoecimento do docente na condição de trabalho. Isso influencia no tipo de aprendizado que o aluno vai ter", destacou.

Ainda segundo Mônica, a metodologia de ensino e condições estruturais de algumas escolas públicas também refletem no trabalho de aprendizado. "A Philadelpho, Jamil, Amira Homsi e Cardeal são escolas diferenciadas. A Philadelpho é uma escola técnica, e as outras três são escolas de tempo integral. Você acaba tendo de certa forma uma seleção do aluno, e os professores têm condições de trabalho melhores, tendo uma dedicação exclusiva".

Clique na imagem para ampliar  (Foto: Reprodução)

Henrique Faria Bello é professor de Língua Portuguesa do Cursinho Alternativo e acompanha de perto as dificuldades dos alunos ao prestar o vestibular. "Para o Enem, o estudante precisa compreender que os exercícios envolvem um conjunto de interpretação e criticidade dos dados. E essa formação de educação crítica existe em todas as instâncias, tanto pública como privada, mas lógico que envolve toda uma condição social em que esse aluno foi exposto ao longo de sua vida".

A estudante Lorenna Lopes Bueno, 18 anos, que pretende conquistar uma vaga no curso de Direito, é uma das estudantes que encontra dificuldade na interpretação de algumas questões. "A gente lê a questão, sabe toda a teoria, mas na hora de colocar a prática é um negócio complicado. Por isso que é importante esse treinamento", falou a aluna do cursinho comunitário Atlas.

Na Etec Philadelpho Gouvêa Netto de Rio Preto, que ficou no topo do ranking entre as escolas públicas, com média geral de 623,08 pontos, os alunos têm se preparado para os dois dias de prova através de simulados. "Nesta sexta-feira, 4, por exemplo, os estudantes dos terceiros anos da instituição farão um simulado no período da manhã", destacou o diretor da Etec de Rio Preto, Marcelo Caceres.

Na opinião de Mônica Abrantes, é preciso pensar em uma escola pública boa para todo mundo. "Não adianta eu ter um pouco de escolas boas, tendo outras com professores que têm que pegar várias aulas em vários lugares, sem contar com salário adequado", disse.

A reportagem procurou a Diretoria Regional de Ensino, por meio da Secretaria de Estado da Educação, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

Faltando menos de um mês para o Enem 2019, tem muito aluno correndo contra o tempo para se preparar para a principal prova de acesso a universidades públicas e privadas.

Adrielle Silva Fernandes, 20 anos, é uma das estudantes que estão contando os dias para a prova. "Eu estudo durante toda a semana e no final de semana procuro dar uma preferência para o descanso, que é muito importante também", afirmou a aluna, que pretende fazer Biologia.

Segundo o professor Henrique Faria Bello, há menos de um mês da prova é recomendado que os alunos façam uma revisão. "A primeira dica é que o aluno compreenda que ele já estudou tudo ao longo do ano, e nesse momento que ele faça um recorte das principais áreas. Por exemplo, em Linguagens, Códigos e Tecnologia, o estudante deve revisar pontos de funções da linguagem, figuras de linguagem, modernismo no Brasil", elencou.

Na reta final, também é sugerido que os candidatos façam provas anteriores, como forma de teste, para conhecer melhor a metodologia. "O estudante tem que ter em mente leitura, interpretação e a escrita. É isso que o Enem cobra", finalizou Henrique.

Neste ano, a prova do Enem acontece nos dias 3 e 10 de novembro. Rio Preto será representada por 10.781 candidatos. Os inscritos vão tentar garantir uma vaga em universidades públicas de todo o País, através do Sisu, ou ainda bolsas parciais e integrais para instituições particulares, por meio do ProUni. Ainda poderão pleitear o financiamento pelo Fies. (RC)