Lições de coordenação e concentraçãoÍcone de fechar Fechar

Diário da Gratidão

Lições de coordenação e concentração

Alunos de escola do Parque da Liberdade aprenderam sobre o badminton


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Uma rede, uma raquete, uma peteca e muita alegria. Toda turma da escola Antonio Espada Filho, no Parque da Liberdade, em Rio Preto, aprendeu, nesta quarta-feira, 2, os primeiros passos do badminton, dentro da programação da campanha "Doe seu tempo e seu conhecimento", do projeto Diário da Gratidão.

A modalidade olímpica, praticada com raquete e peteca, foi ensinada pelo professor Roberto Leal, que mostrou a prática do esporte de forma lúdica e usou conceitos de cooperação, integração, coordenação motora, socialização, concentração e até estimulou a competitividade entre as turmas maiores do colégio.

Primeiro, com os menores de 4 e 5 anos, o professor apresentou os objetos da modalidade e depois explicou que eles tinham que controlar uma bexiga, com a raquete, sem deixá-la cair no chão.

Em outra dinâmica, que envolvia senso de direção e coordenação fina, a turma formou um trenzinho e eles não podiam deixar a peteca cair da raquete enquanto andavam.

"Gostei de fazer o trenzinho e também de bater com a raquete na bexiga", disse a pequena Yasmin, 5 anos. "Eu gostei de bater na peteca e também de conseguir andar com ela na raquete sem deixar cair", afirmou Rebeca, 5 anos.

Para as turmas maiores, de 7 a 11 anos, Roberto ensinou atividades com senso de competição e coordenação motora. Dividida em equipes, ao som do apito, a galera tinha que jogar a peteca do outro lado da rede com a mão e aquele que ficasse com menos petecas do seu lado era o vencedor. "Gostei muito de jogar. É muito divertido. Bati na peteca e consegui acertar quase todas", contou Laura, 7 anos.

"É um esporte muito lúdico na iniciação esportiva. Através de uma brincadeira, sem perceber, eles acabam jogando. Além da oportunidade de massificar o esporte, também apresentamos atividades que eles vão desempenhar com prazer, que é acertar a raquete na peteca ou na bexiga, como foi o caso hoje", explicou Roberto, que também falou sobre sua participação. "Para mim foi de grande valia. A mensagem foi passada para as crianças e para as escolas. Tenho certeza que quando verem em algum lugar o badminton, elas vão se lembrar de ter jogado na escola e usado uma peteca e uma raquete", concluiu.

Programação

Nesta quinta-feira, 3, a campanha "Doe seu tempo e seu conhecimento" chega ao penúltimo dia de atividades. A jornalista Elma Bassan, a psicóloga Kátia Ricardi, o maestro Paulo de Tarso e o diretor do Museu de Paleontologia Pedro Candolo, da cidade de Uchôa, Gustavo Dalla Dea, visitam as escolas Pinóchio, Antonio Espada Filho, Norberto Buzzini e Cachinhos de Ouro, respectivamente.

Nesta quarta-feira, 2, a facilitadora de processos circulares Jocelaine Junqueira, a atriz e palhaça Gisele Lançoni, o preparador físico Henrique Morita e o sensei de judô Léo Mansor concluíram suas participações na campanha, ao visitarem as escolas Pinóchio, Norberto Buzzini e Cachinhos de Ouro, respectivamente.

"Esse projeto é de extrema relevância social. Aprender a agradecer, vivenciar a gratidão é muito importante. A minha perspectiva com esse trabalho foi a melhor possível", analisou Jocelaine.

"Fui muito bem acolhida nas escolas pelas coordenadoras, diretoras e as crianças, principalmente. É muito bom, reconfortante. Acho essa iniciativa muito valiosa e foi uma honra ter participado", disse Gisele. "Todas as crianças participaram e foi muito bacana. Passar alguma coisa para alguém, fazer um trabalho de base, acrescentar algo na vida de alguém sempre é muito legal", disse Henrique.

"Terminamos com chave de ouro. Atendemos todas as crianças e o balanço que faço é positivo. Pude me revigorar como profissional e pessoa", disse Léo. (MS)