Saiba o limite de tempo seguro para esperar por um bebê nascer Ícone de fechar Fechar

GRAVIDEZ

Saiba o limite de tempo seguro para esperar por um bebê nascer

Especialistas explicam o que é a gestação prolongada e por quanto tempo é seguro esperar até o nascimento do bebê


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Quando estava grávida do terceiro filho, a estudante de psicologia Daniele Correa Fernandes, hoje com 38 anos, decidiu que esperaria até o momento certo para dar à luz. Os dois primeiros partos dela haviam sido realizados por meio de cesárea, em decisões unilaterais dos médicos, antes que as gestações atingissem 40 semanas. Na ocasião, o médico que a acompanhava, em Fortaleza, onde ela teve os dois primeiros filhos, não concordou com a espera e a gestante teve de trocar de profissional na reta final da gravidez. No dia 31 de dezembro de 2014, o pequeno Emanuel nasceu de parto normal após pouco mais de 42 semanas de gestação.

O caso de Daniele é chamado de gestação prolongada e prova que nem toda gravidez dura apenas nove meses. A Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia e a Organização Mundial de Saúde definem esse termo para casos em que a gestação tem duração igual ou superior a 42 semanas completas, ou com mais de 294 dias, contados a partir do primeiro dia do último período menstrual.

Para a doula e terapeuta Talita Miranda, sócia do Espaço Nascer Aurora, a ideia de que nenhuma gravidez deve ultrapassar o período de 40 semanas para não colocar em risco a saúde da mãe e do bebê é equivocada e não pode ser uma decisão apenas do médico. "Isso só ocorre por falta de informação das mães. Muitas mulheres sofrem pressão para antecipar o processo do parto, sem saberem ao certo o que isso implica na saúde do bebê ou da gestante", explica. Ela defende que essa pressão pode fazer com que os bebês nasçam imaturos, ou seja, sem que todos os sistemas estejam preparados.

Daniele atualmente vive em Rio preto, onde teve o quarto filho, também com um gestação prolongada. Além de Emanuel, 4 anos, ela é mãe da Beatriz, do Daniel e da Elisa, respectivamente com 10, 6, e 2 anos. "Manter uma gravidez após 40 semanas não é fácil, tem muita pressão. As pessoas começam a contar histórias horríveis, relatos ridículos para te assustar", lembra. 

Para auxiliar mulheres que buscam informação sobre gestação humanizada, o Espaço Nascer Aurora promove semanalmente rodas de conversas sobre diversos temas que envolvem a gravidez. A gestação prolongada será alvo de discussão na próxima quinta-feira, dia 26 de setembro.

"Quando eu cheguei na minha segunda gestação, fazia três anos que frequentava encontros, simpósios e eventos sobre a humanização do parto e, por isso, já estava tudo mais claro. Foi o que me ajudou a chegar a quase 42 semanas de gestação de maneira tranquila, sabendo que estava tudo bem e que não é tão grave esperar, do jeito que colocam", lembra a arquiteta Camila Daisy Rorato, 30 anos, mãe do pequeno Francisco, de 1 ano e três meses.

O ginecologista e obstetra Paulo Fasanelli explica que o Ministério da Saúde e os protocolos de assistência à gestação nacional colocam como limite para o nascimento do bebê o prazo de 41 semanas. Mas ressalta, no entanto, que os métodos para se calcular o tempo de gestação são subjetivos e que não apresentam uma avaliação precisa. "Temos algumas falhas, e elas são colocadas no ultrassom ou na data provável do parto, de alguns dias ou até semanas para avaliação dessa vitalidade", explica. Fasanelli ainda destaca que um dos maiores problemas é o de realizar uma cesária ou a indução do parto de um bebê sem levar em consideração essa possível margem de erro. "Se tivermos um erro de 7 a 14 dias da idade gestacional, podemos estar fazendo o nascimento de um bebê prematuro, porque ele pode ter 36 ou 37 semanas", afirma.

A gestação prolongada possui duas etapas: a pós-data, em que as gestações ultrapassam as 40 semanas e a pós-termo, que são os casos de gestação que passam das 42 semanas. Nesses casos, é preciso aumentar a vigilância sobre a mãe e realizar a avaliação diária da movimentação do bebê.

Para Fasanelli, esperar o momento certo do bebê, com uma boa vigilância e um acompanhamento correto do pré-natal, é o melhor caminho para que a criança esteja totalmente pronta para o nascimento, com maturidade de sistema nervoso central, pulmonar e hepático. "Ele escolhe o momento dele, o start desse nascimento é dado pelo bebê, pela parte endócrina e hormonal. Então, é ele quem define o momento correto para o nascimento".

Daniele enfatiza que a escolha da mãe deve ocorrer de forma consciente. "A mulher deve pesquisar, ela deve se informar, porque a decisão é dela. O profissional da saúde ele está ali para auxiliar, mas não para decidir pela mulher", finaliza.