Eleição do Conselho teve até tiro disparado por um sócioÍcone de fechar Fechar

BANG BANG DO ITALIANO

Eleição do Conselho teve até tiro disparado por um sócio

Eleição do conselho efetivo convocada por Italiano é marcada por briga com direito a agressão e tiro e vira caso de polícia. Com 38 votos, a chapa 'Sempre América' foi eleita, mas Conselho não reconhece o pleito


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Bate-boca, agressão e tiro. Esse foi o roteiro na noite da eleição do Conselho Deliberativo do América, convocada por Luiz Donizete Prieto, o Italiano, na noite da última sexta-feira, 20, no estádio Teixeirão. José Zanin Júnior, policial federal aposentado e integrante da chapa de Italiano, se desentendeu com Oswaldo Meucci Neto, o Faiskinha, que faz parte do grupo de oposição 'América Sempre Forte', e chegou ao extremo de sacar um revólver e efetuar um disparo.

Ninguém ficou ferido. A Polícia Militar foi até o local e os dois foram levados ao plantão para registro de um boletim de ocorrência e posteriormente liberados. Foram aprendidos para perícia a arma de Zanin, um Taurus 357, além da calça e o tênis utilizado por Meucci.

A confusão ocorreu antes mesmo da reunião, que contou com 38 sócios presentes e elegeu a chapa 'Sempre América' para compor o Conselho Deliberativo. Meucci foi até o local colocar uma faixa de aviso aos sócios que a eleição válida será realizada no próximo sábado, 28, a partir das 9 horas, e deixou seu carro de frente ao portão de entrada, porém, sem obstruí-lo totalmente.

Zanin, que foi nomeado por Italiano para ser secretário da eleição, se irritou com a situação, arrancou a faixa e pediu para que o carro fosse retirado, o que foi negado. "Ele arrancou a faixa e comecei a gravar ele. Ele conseguiu entrar e voltou, perguntou se não ia tirar o carro e foi pra dentro do meu carro. Na hora que ele abriu a porta e foi entrando, bati a mão na porta e com o pé empurrei ele", relata Faiskinha. "Ele arrancou a arma e apontou pra mim, fui em cima, bati mão e tirei o revólver da minha frente, assim ele deu o tiro. O Italiano e a filha dele [Maristela] ainda gritavam: 'mostra pra eles quem manda aqui'."

Zanin rebate a versão. "Fui agredido pelo cidadão com um chute na minha barriga. Saquei a arma e fiz um disparo de advertência, direcionado ao solo e para o lado", disse. "Se eu tivesse tentado dar um tiro nele e a pontaria da arma tivesse sido desviada por um tapa, eu simplesmente teria efetuado um segundo, terceiro ou quantos tiros fossem necessários para acertá-lo."

Italiano, que no dia 3 de setembro foi afastado da presidência pelo Conselho Deliberativo, diz que a confusão afastou os associados interessados em votar no novo pleito determinado pela Justiça. "O cara fecha a entrada do portão principal pra ninguém entrar, agride o policial e quer ser vítima ainda. Ele deu um chute na barriga do policial e partiu pra cima dele pra agredir quando ele sacou a arma e deu um tiro pro chão", disse Italiano. "Umas dez viaturas da polícia estavam lá, muitos [sócios] ficaram assustados, outros nem entravam devido [a]o tumulto que fizeram. A notícia correu de tiros no América assustando muitos que me ligavam falando que não viriam porque parecia uma guerra."

A eleição determinada pela Justiça com as chapas 'Novo América', impugnada pela secretaria de Italiano indevidamente no final de 2017, e a 'Sempre América', teve duas convocações. A de Italiano e a do presidente do Conselho, Pedro Batista, já que Italiano estaria afastado de suas funções por não prestar contas nos dois últimos anos. "Ele se fez o determinado pra fazer a eleição, nós deixamos, mas o outro grupo nem apareceu, pois sabia que era eleição fraudada", disse Batista. "O quadro é de 1.149 sócios e vai 20. Isso vai ser cancelado."

Sobre o episódio policial, Batista lamentou e colocou em xeque a legitimidade de Zanin como sócio. "Isso é uma tentativa de homicídio, ele se apresenta como policial federal e quer intimidar. Aquilo era eleição de clube futebol, não clube de tiro. Puseram ele agora, é sócio criado pelo Italiano, semana passada ameaçou o Dr. Renato e nosso guarda, agora isso. Ele que corra atrás para se defender", emendou.

Batista garante que, pela decisão judicial, a eleição deve ser feita com as mesmas chapas inscritas em 2017, sem mudanças nas suas composições, mesmo que alguns tenham mudado de lado ou morrido. Batista realizará a eleição no próximo sábado e destacou a comissão eleitoral composta por Dorival Lemes do Santos, Olegário de Paula do Nascimento e João Eurides Rodrigues.