Rio Preto é destaque no turismo de negóciosÍcone de fechar Fechar

Fomento

Rio Preto é destaque no turismo de negócios

Dos passageiros que desembarcam no aeroporto de Rio Preto, 70% vem à cidade para fechar negócios. Nos hotéis, 90% das ocupações são destinadas a esse público


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Viajar é sinônimo de descanso, passeio, férias. Mas, para uma parcela da população, viajar também é sinônimo de negócios. Um levantamento feito pela Associação Brasileira das Agências de Viagens Corporativas (Abracorp) mostrou que, no Brasil, as viagens corporativas cresceram 14,7% no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2018.

Seguindo a tendência nacional, Rio Preto também se destaca no turismo de negócios. Para a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Negócios de Turismo, os indicadores que mostram esta realidade constituem-se por meio do grande número de passageiros transportados via aérea e ônibus executivos, bem como a boa ocupação apresentada pelos meios de hospedagem.

O Departamento Aeroviário de São Paulo (DAESP) afirma que 70% das viagens no aeroporto de Rio Preto são para turismo de negócios. Quem chega à cidade por este motivo vem de grandes centros urbanos como São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto e Brasília. A maioria dos passageiros faz bate-volta ou se hospeda em hotéis para uma diária. Por dia, segundo o DAESP, o aeroporto realiza 14 pousos e decolagens. Somente no acumulado de janeiro até junho deste ano, cerca de 390 mil pessoas já desembarcaram na capital dos grandes lagos, entre passageiros que vieram a negócios e a passeios.

Em Rio Preto, os hotéis oferecem cerca 4.800 leitos, sendo que 90% das ocupações estão relacionadas a atividades comerciais. "Rio Preto praticamente só tem turismo de negócios, além de ser um polo regional com logística favorável, conta com uma robusta rede de bons médicos e hospitais, que fomenta muitos negócios, gerando um fluxo de ocupação na rede hoteleira", destaca Leandro Lucas, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares e Similares da cidade. A Pesquisa de Perfil de Demanda de Rio Preto aponta que 35% dos que vêm para cidade se deslocam em função do segmento de saúde.

Fomento

O empresário rio-pretense Giba Jr., diretor da Plakton, empresa de Cosméticos Capilares Profissionais, é exemplo de quem ajuda a fomentar o turismo de negócios na cidade. A empresa conta com mais de 100 distribuidores espalhados pelo Brasil e todos os anos colaboradores de outros lugares vêm até Rio Preto participar de treinamentos e convenções. "Convocamos, mensalmente, nossos distribuidores e clientes para treinamento de produtos e atualização de mercado. Até agosto, 90% desses distribuidores já vierem para a cidade", conta o empresário.

Para ele, a rede hoteleira da cidade é bem vasta e nunca enfrentou contratempos com hospedagens. Somente no mês passado, a empresa realizou dois eventos corporativos com seus distribuidores. "Nossos treinamentos contam com a presença, em média, de 30 pessoas, e as convenções passam de 80 pessoas. Nunca tivemos problemas para acomodá-los [os distribuidores] nos hotéis", afirma.

O empresário e presidente do Grupo de Líderes Empresariais (LIDE) de Rio Preto, Marcos Scaldelai, destaca a importância do município no turismo de negócios. Eventos que o LIDE organiza, com diversas temáticas do meio corporativo, despertam o interesse de empresários de fora, estimulando o mercado local. "O LIDE é um fomentador de negócios que atrai todo o noroeste paulista, fazendo conexão com grandes empresários do Brasil e até fora do país. Rio Preto tem uma oportunidade gigante para aumentar o turismo de negócios", enfatiza Scaldelai.

Apesar de ser destaque no turismo de negócios, Rio Preto carece de atrações turísticas, segundo Leandro Lucas, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares e Similares. Para ele, não há mercado turístico de entretenimento que gere um grande movimento na economia, sobretudo no setor de hotéis e restaurantes. Por isso, a cidade acaba dependendo das atividades turísticas da região. "A rede hoteleira consegue captar pessoas que vêm participar de eventos em cidades vizinhas, como a Festa do Peão de Barretos, o carnaval de Votuporanga, entre outros eventos já consolidados", pontua.

Lucas defende que Rio Preto pode aproveitar melhor o turismo de Olímpia para gerar negócios. O município vizinho é conhecido por seus parques aquáticos, que atraem gente do mundo todo e estão entre os mais visitados da América Latina. "A cidade pode aproveitar o 'boom' do seguimento turístico de Olímpia, gerando roteiros regionais e opções, incluindo a parte gastronômica, levando em consideração a vantagem do aeroporto mais próximo estar aqui", conclui.

Rio Preto soma características que a tornam um grande centro comercial: está localizada no entroncamento de três importantes rodovias (BR-153, Washington Luís e Assis Chateaubriand), faz parte de um dos melhores acessos viários do País por meio do corredor Bandeirantes/Washington Luís; tem um terminal aeroportuário e está em um dos maiores corredores ferroviários de transporte de grãos da América do Sul.

Ainda é preciso, no entanto, potencializar o turismo de negócios na cidade e região para gerar mais oportunidades comerciais, como avalia o empresário Marcos Scaldelai. "Têm setores muito especiais aqui na nossa região, como o varejo, o franchising, e cabe isso aqui. Mas em relação à estrutura existem oportunidades para melhoria, é preciso fomentar o turismo de negócios cada vez mais. Quando a gente fala de aeroporto, da capacidade hoteleira, existem grandes oportunidades", exemplifica.

Esse melhor aproveitamento turístico local também é defendido por Leandro Lucas, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares e Similares. Para ele, são necessários mais investimentos e ações pontuais voltadas ao turismo de entretenimento, que devem ser realizados pelos poderes público e privado.

Segundo Lucas, diferentemente dos municípios da região que aproveitam melhor suas atrações turísticas, os hotéis de Rio Preto no período de alta temporada ficam parados. "A sazonalidade do setor hoteleiro é diferente dos municípios que exploram como atividade econômica o turismo de entretenimento. Na época de férias - principalmente nos meses de dezembro a fevereiro - a abertura de postos de trabalho praticamente não existe, e esse é o maior indicador de que a rede hoteleira tem uma estagnação nesse momento do ano", completa Lucas.

Para a Prefeitura de Rio Preto, a vocação turística da cidade são os negócios, porém é preciso considerar as características históricas da formação do município que levam a essa constatação: a cidade sempre foi um importante centro regional de comércio, de serviços e de saúde.

Segundo a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Negócios de Turismo, vários investimentos são feitos no setor, a exemplo das benfeitorias realizadas no Complexo da Swift, propiciando melhor espaço para realização de congressos, feiras e outros eventos corporativos e culturais. Várias dessas ações são realizadas em parceria com o Conselho Municipal de Turismo e os recursos utilizados são do Fundo Municipal de Turismo, cujos recursos têm origem em projetos de apoio cultural.