Banda Madre Sun leva rock de Rio Preto aos bares de LondresÍcone de fechar Fechar

MÚSICA

Banda Madre Sun leva rock de Rio Preto aos bares de Londres

Madre Sun, formada pelos rio-pretenses Eduardo e Matt Cavina, anima os bares de Londres com música que homenageia Rio Preto


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Cidade considerada um dos berços do rock e de onde surgiram nomes como Led Zeppelin, Rolling Stones, Queen, Pink Floyd e The Clash ganhou recentemente um timbre bastante brasileiro. A Madre Sun, criada pelos irmãos rio-pretenses Matt e Eduardo Cavina, 37 e 35 anos, fez sua estreia em Londres no mês de julho e desde então tem se destacado na cena musical. Na última semana, eles divulgaram os singles "Black River" e "Trick Up The Sleeve", que farão parte do primeiro EP do grupo.

Mas a trajetória começou em 2015, quando os irmãos apostaram em mudar para a capital inglesa em busca de espaço. No Brasil, eles se destacaram com a banda Cavina e chegaram a receber a proposta de um empresário que viabilizaria a mudança para Londres. A parceria não deu certo, mas a dupla decidiu continuar com o plano.

O projeto da banda surgiu em novembro do ano passado depois que Matt e Eduardo conheceram o guitarrista Tyson Schenker, filho do ex-guitarrista das bandas Scorpions e UFO, Michael Schenker.

"A gente começou a tocar bastante no circuito e chamamos atenção inclusive de gravadoras na época. Mas num belo dia, estávamos terminando uma mine-turnê, quando conhecemos o Tyson, que foi assistir ao nosso show", conta Matt. O encontro ocorreu depois que os irmãos se apresentavam com a banda de Heavy Metal, Cavina, na casa de shows The Unicorn. Durante a conversa, eles perceberam que dividiam a vontade de montar um grupo que tivesse uma proposta diferente, por terem influência do Blues do Southern rock. "Não queríamos fazer um negócio muito pesado, porque tinha muito música escrita que era mais para o Rock'n Roll e o Tyson também estava afim de fazer", conta. Dias depois, Eduardo foi procurado pelo baterista brasileiro Flipi Stipp, que já tocou com Kiko Zambianchi e com a banda Trêmula e que tinha interesse em formar uma banda. "Foi tipo em uma semana, coisa do destino assim e eu já tinha umas 35 músicas prontas e a gente começou", conta.

A Madre Sun surgiu com propósito de criar algo novo, mas que misturasse diferentes estilos com influências do Rock'n Roll, Grunge, Punk Rock, Blues e Southern Rock. Entre as influências, eles tinham nomes como Led Zepplin, Alice in Chains, Metallica, Motorhead e Lynyrd Skynyrd. "A gente meio que mistura todos os gêneros em uma coisa só. Você vai sentir sabores de todas essas bandas e todos esses estilos em cada música e em vários momentos. Isso que é o interessante".

Para dar um toque mais brasileiro às composições, o guitarrista adotou uma afinação diferente, não convencional para bandas de rock. "A minha guitarra é numa afinação de moda de viola, porque eu gosto muito da música sertaneja, da nossa cultura". Gosto que ele conta ter surgido durante a infância, enquanto os irmãos cresciam ouvindo os clássicos de Tião Carreiro e Pardinho junto com o pai.

Além dos dois singles já divulgados, o grupo possui mais quatro faixas que foram gravadas no estúdio da Universidade de Cambridge e com a produção de Matt Taylor e Bill Campbell. Um detalhe que o músico destaca é que o disco inteiro foi gravado totalmente ao vivo. "Gravamos como os Beatles faziam. As vozes são cantadas sem cortes, as guitarras e a bateria são tocadas sem cortes. Foi uma coisa única, uma experiência maravilhosa que a gente teve graças ao produtor que teve essa ideia porque viu que a gente tinha potencial. O som tem essa energia porque ele é ao vivo". A repercussão foi quase instantânea e o grupo já começou a ser procurado por rádios do Reino Unido, da Europa e dos Estados Unidos que se interessaram em divulgar as músicas da banda em suas programações. Semanas depois, eles já estavam com show marcado e nesse pouco tempo já se apresentaram algumas vezes. O próximo show está marcado para o dia 13 de outubro.

Agora, o próximo passo da Madre Sun é trabalhar na divulgação do EP e buscar parcerias para o projeto. O álbum ainda não tem previsão de lançamento. "Estamos aos poucos buscando algumas parcerias para poder dar a esse disco o lançamento digno do que ele merece", finaliza Matt.

A primeira composição da Madre Sun é uma homenagem à cidade natal e aos pais dos irmãos Matt e Eduardo Cavina, Jorge Mortati e Maria Cavina. O single Black River (rio preto, em tradução do inglês) foi criado por Matt logo depois de retornar para a Inglaterra de uma viagem ao Brasil. "Um dia eu estava querendo escrever alguma coisa. Estava com uma sensação, uma saudade de Rio Preto muito grande. Foi quando lembrei da minha infância em Rio Preto", conta o músico. Ele ainda recorda que durante o processo de criação do single lembrou de quando o pai cantava canções infantis para ele.

Uma das lembranças é de quando o pai cantava a canção "Casa", de Vinicius de Moraes. "Eu me lembrei daquela época e me deu uma sensação tão boa que eu comecei a escrever. E essa música é uma homenagem pra ele, daquele período bom e dessas memórias boas que nós tivemos em Rio Preto", conta Matt. A música foi gravada no início do ano e disponibilizada nas plataformas digitais no dia 7 de setembro. Ela pode ser encontradas nas plataformas digitais da banda no YouTube e no Soundcloud. A Black River fala justamente dessas lembranças de infância, e o refrão dela dá uma referência realmente à cidade.

De acordo com Matt, o refrão "Então deixe o rio preto fluir e apenas ouça o som da sua voz" é uma referência ao resgate das memórias que cultivamos quando criança. "É uma música que tem uma importância muito grande pra gente, pra mim e pro meu irmão; o pessoal da banda sabe disso também e eles adoram".