Escola estadual inaugura 'Sala Verde'Ícone de fechar Fechar

Jardim Vitória Régia

Escola estadual inaugura 'Sala Verde'


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Tudo o que começou com uma simples plantação de sementes de temperos há seis anos, hoje se tornou um grande complexo ecológico de educação. Nesta sexta-feira, 27, a Escola Estadual Leonor da Silva Carramona, no bairro Jardim Vitória Régia, em Rio Preto, celebrou um dia histórico para a instituição, com a inauguração do espaço "Sala Verde e Brinquedos Ecológicos".

O novo espaço foi construído com o prêmio de R$ 35 mil recebido pela escola rio-pretense, única do Estado premiada entre as dez vencedoras do 2º Prêmio Crianças Mais Saudáveis da Fundação Nestlé, com projeto que leva o nome de "Plantar, Cuidar, Colher, Alimentar e Movimentar".

Com o valor recebido, a escola aplicou a quantia na construção de um quiosque com bancos para as aulas, brinquedos ecológicos, como o balanço e uma ponte pensa, além de jardins, que foram feitos pelos próprios alunos.

Idealizadora da horta premiada, a professora de geografia Sandra Zanatta comentou sobre a emoção de ver a transformação do local. "Foi uma mudança bem grande. A sensação é inexplicável. Esse espaço é tudo. Era parte de um sonho que a gente conseguiu. A sensação é de valorização da gente", afirmou.

A "Sala Verde" ficará à disposição dos 400 alunos de 11 a 14 anos que frequentam o colégio. Para Tallyta Minerva, 14 anos, aluna do oitavo ano, o novo espaço da escola traz liberdade e facilita o aprendizado dos alunos. "É melhor porque é mais livre. Ficamos a maior parte do tempo dentro da sala e aqui temos uma sensação de liberdade. As aulas ficam mais interessantes e quando a gente vem pra cá acabamos interagindo mais. Até nossa expressão muda", afirmou.

Para Maria Eduarda, 13 anos, também do oitavo ano, até o ar do novo espaço é diferente. "A gente aprende muito aqui. Eu já gosto muito de natureza e ter a aula aqui é uma experiência incrível. Plantamos praticamente tudo. É muito gratificante ver como ficou agora. Acabamos levando para a casa o que aprendemos na escola e até carpir ficou mais legal que usar o celular", explicou.