Vagões da antiga Fepasa vão turbinar projetoÍcone de fechar Fechar

'Supertrem Caipira'

Vagões da antiga Fepasa vão turbinar projeto

Governo de Edinho Araújo tem aval do Dnit para ficar com três vagões de passageiros, utilizados na época da antiga Fepasa, e ampliar programa turístico considerado sucesso, com 1,9 mil pessoas na fila


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

A Prefeitura de Rio Preto já tem o sinal verde do governo federal para incorporar ao menos três vagões de passageiros, encostados no município, e usá-los na implantação de um projeto que está sendo chamado de "Supertrem Caipira". Trata-se da expansão do plano turístico que foi retomado no atual governo e é considerado um sucesso. Com mais de 1,9 mil pessoas cadastradas para participar do passeio, que sai de Rio Preto rumo ao distrito de Engenheiro Schmitt, o Executivo faz tratativas desde o ano passado com governo federal. A ampliação também foca melhorias na mobilidade urbana e prepara caminho para o uso diferenciado dos trilhos.

No final de julho, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) deu aval para que três vagões de passageiros, utilizados nas décadas de 1970 a 1980, encostados há anos no pátio ferroviário da Rumo, no bairro Parque Industrial, sejam transferidos ao município.

Os vagões precisam ser restaurados, e para isso o município vai buscar parcerias. O custo estimado é de R$ 1 milhão ou até mais para a restauração. A intenção é ampliar o uso da linha em até dois domingos por mês.

Os três vagões têm capacidade total estimada em 220 lugares. Quatro vezes mais do que o comportam os veículos utilizados atualmente no Trem Caipira, que usa os trilhos um domingo por mês. A Prefeitura improvisa para conseguir transportar número maior de pessoas (leia abaixo).

Para viabilizar o projeto, o prefeito Edinho Araújo (MDB) trata pessoalmente do assunto junto ao governo federal e diretores da Rumo. E diferentemente do primeiro projeto, inaugurado na sua primeira passagem pelo Executivo, no final de 2008, desta vez o município não vai gastar recursos próprios. "É um outro projeto. Queremos autorização para ampliar o uso da linha férrea. Buscamos parcerias. Nada de comprar. É doação e também amarrando com horário para ampliar uso da linha. Quero parcerias e convênios com entidades", afirmou Edinho ao Diário.

Sacramentada a doação dos vagões para a Prefeitura, o projeto dependerá de outro passo. O município terá de conseguir uma locomotiva para levar os vagões. O trem atual será mantido. A ampliação é considerada projeto que pode levar até 4 anos para ser concluído. "Vai precisar de locomotiva. Também por parceria, pois não temos dinheiro para comprar locomotiva nem vagões", afirmou Edinho. A intenção também visa à mobilidade urbana com a visão no horizonte de que o contorno ferroviário irá ser realizado.

Para conseguir uma locomotiva, a intenção é conseguir autorização de uso da Rumo. "A gente já fez uma consulta com a Rumo e eles alugam locomotiva se precisar", afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico e Negócios de Turismo de Rio Preto, Jorge Luis de Souza.

Restauração

Por ora, a prioridade são os vagões. As avarias foram detalhadas em relatório elaborado por técnicos do Dnit. Para a restauração, o secretário afirma que irá consultar a Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), que fará análise de custo. "Vamos fazer essa avaliação e tentar captar recursos para a restauração", disse Souza.

O diretor institucional da Rumo, Guilherme Penin, disse que a concessionária apoia o projeto, mas adota cautela ao tratar de ampliação do uso da linha férrea. "O Trem Caipira é um sucesso. Ajudamos com equipamentos de segurança, treinamento de maquinista. Agora, não é uma coisa simples colocar um trem de passageiro na linha. Um trem de carga precisa de mais de um quilômetro para parar e temos de cumprir metas de transporte de cargas. A agência reguladora precisa autorizar. Mas o Trem Caipira é um sucesso. Outros projetos virão", afirmou o diretor.

Edinho reconhece as dificuldades. "É difícil para a gente parar esse trem de carga neste trecho por algumas horas. Quero que o projeto venha mediante uma autorização", afirmou o prefeito. O aval tem de ser dado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A assessoria da agência afirma que pedido oficial da Prefeitura para ampliar o uso da malha ferroviária ainda não foi formalizado.

"O contorno ferroviário precisa acontecer para o trecho entre Mirassol, Rio Preto e Cedral. Ter um VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) que vai conectar o transporte ferroviário com ônibus e facilitar a mobilidade a vida dessa cidade que é uma metrópole", disse Edinho.

Segurança é algo essencial na linha férrea. A história recente da malha ferroviária na cidade foi marcada pela tragédia do Jardim Conceição, em 25 de novembro de 2013. Vagões da então concessionária ALL descarrilaram e atingiram duas casas, o que provocou a morte de oito pessoas. Processo criminal sobre o caso tramita na Justiça de Rio Preto ainda sem desfecho.

Enquanto procura viabilizar a ampliação do Trem Caipira, o projeto atual segue em andamento com extensa fila de interessados em fazer o trajeto da estação ferroviária do Centro de Rio Preto até a estação do distrito de Engenheiro Schmitt. Uma viagem é realizada a cada mês. O trem já transportou duas mil pessoas, desde que o projeto foi retomado, em dezembro de 2017. Na época, colocar os trilhos na linha foi missão para o ex-secretário de Desenvolvimento Liszt Abdala. Desde então foram 20 viagens. A lista de pessoas que querem andar no trem tem 1,9 mil interessados. Sem ampliar uso da linha, será preciso um um e cinco meses. A Prefeitura quer ampliar já em 2020 em mais cinco datas.

Para conseguir reduzir um pouco a demanda, a Prefeitura utiliza um carro no passeio. Segundo a Prefeitura, 50 passageiros vão de trem para o distrito e 50 vão de ônibus. Na volta é o inverso: quem foi de trem, volta de ônibus. "É a maneira que encontramos para atender essa demanda. O trem despertou saudosismo de uma época que a linha era usada para viagens. Temos atrações culturais em todos eventos e também em Schmitt, na estação ferroviária", disse o secretário de Desenvolvimento, Jorge Souza. O passeio dura quatro horas, sendo que o trajeto de 10,5 quilômetros demora 40 minutos.

Para colocar os vagões que vão para a Prefeitura nos trilhos, a Prefeitura tentará captar recursos via Proac, do governo estadual, e também em incentivos do governo federal. O Programa de Ação Cultural (Proac) já é utilizado hoje no projeto. Valores que seriam pagos de ICMS são revertidos por empresas. Atualmente, o município busca captação de R$ 295 mil. A manutenção anual do Trem Caipira é de R$ 100 mil. (VM)