Marcel Souto Maior e Wagner de Assis falam sobre Allan KardecÍcone de fechar Fechar

ESPIRITUALIDADE

Marcel Souto Maior e Wagner de Assis falam sobre Allan Kardec

Marcel Souto Maior e Wagner de Assis falam sobre Allan Kardec, importante figura dentro da doutrina espírita, suas palestras em Rio Preto e suas obras, que incluem 'Kardec - A História Por Trás do Filme'


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

O jornalista e escritor Marcel Souto Maior, autor de best sellers sobre Chico Xavier e Allan Kardec, que deram origem a filmes de grande sucesso, como "As vidas de Chico Xavier", que baseou o filme "Chico Xavier", e "Kardec - a biografia", que resultou no longa "Kardec", e o diretor, produtor, roteirista, escritor e jornalista Wagner de Assis, que dirigiu o longa que contou a história do homem que decodificou o espiritismo, e outros como "Nosso Lar" e "A menina índigo", estarão em Rio Preto neste final de semana.

Neste sábado, 3, 20h, no grupo Espírita Orvalho da Luz (Geol), no Jardim Maracanã, Marcel Souto Maior e Wagner de Assis irão ministrar a palestra "Kardec - A História Por Trás do Filme". Cada um irá falar sobre os bastidores do filme e depois irão bater um papo com o público. Já neste domingo, 4, às 9h, Marcel Souto Maior irá comandar uma palestra sobre Chico Xavier e Allan Kardec, seguida de lançamento e autógrafo no Centro Espírita Francisco de Assis, no Romano Calil, e Wagner de Assis estará às 9h, no Centro Espírita Francisco Cândido Xavier, no Solo Sagrado, onde falará sobre Kardec. A atividades são gratuitas.

Em entrevista ao Diário da Região, Marcel Souto Maior, que nasceu no dia 2 de abril, mesma data do nascimento de Chico Xavier, em 1910, e do sepultamento de Allan Kardec, em 1869, conta que vai fazer uma palestra sobre Allan Kardec e também sobre o seu principal discípulo no Brasil, Chico Xavier. "Há 25 anos, desembarquei em Uberaba, onde Chico morava, decidido a escrever a biografia do médium mineiro. Era um jovem jornalista - subeditor de Cultura do 'Jornal do Brasil' - muito cético e muito desconfiado e fui sendo surpreendido por uma série de 'fenômenos inexplicáveis' ao longo das minhas pesquisas. Fenômenos que me marcaram e que me transformaram também. O que mudou em mim de lá pra cá? O que fui descobrindo ao longo das minhas apurações? São estas histórias que vou compartilhar com o público."

O jornalista explica como Allan Kardec popularizou o espiritismo no Brasil, o maior país católico do mundo e fala um pouco sobre o pai do espiritismo. "Resumo a história dele em poucas palavras (quase um 'teaser' do que o filme de Wagner de Assis traduz tão bem). Ele era um professor cético na França do século 19 e - aos 53 anos - mudou de vida e de nome para dar voz aos espíritos. Em plena maturidade, torna-se Allan Kardec, o codificador da doutrina espírita, e decide enfrentar adversários da igreja, da ciência e da imprensa para difundir a crença, ou melhor, a convicção na imortalidade da alma e na presença e influência do chamado 'mundo invisível' nas nossas vidas."

Mas o que fez esse homem tão cético se transformar tanto? O que o fez acreditar na lógica do nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar? Souto Maior conta que Kardec foi um homem que não teve medo de rever suas convicções - e também preconceitos - e lutar até o fim por uma missão.

Em Rio Preto, Marcel Souto Maior também vai falar sobre o processo de criação do livro "Kardec - a história por trás do filme", editado pela Record e escrito por ele e Assis. "Algumas histórias curiosas marcaram os bastidores das filmagens. Vou contar algumas delas, narradas em crônicas saborosas por Wagner de Assis neste livro". Após a palestra, jornalista e escritor vão autografar o livro dos bastidores e a biografia, que deu origem ao filme "Kardec". "E quem quiser levar livros que já tenha em casa, pode ficar à vontade. Tenho muito prazer em conversar com o leitor e conhecer um pouco mais sobre cada um."

Motivação

Souto Maior conta decidiu mergulhar neste universo do espiritismo por interesse totalmente jornalístico. "Mais uma vez, vou recorrer a um resumo bem conciso para traduzir meu interesse pela trajetória de Chico Xavier. Ele escreveu mais de 400 livros, vendeu mais de 35 milhões de exemplares e doou toda a renda dos direitos autorais a instituições beneficentes. 'Os livros não me pertencem. Eu não escrevi nada. Eles - os espíritos - escreveram'. A quem dizia que, mais cedo ou mais tarde, ele 'cairia' - desmascarado como fraude, por exemplo -, Chico dizia: 'Eu não vou cair, porque nunca me levantei'. Esta era - e é - uma história única. Depois de reconstituir a trajetória de Chico, mergulhei em novas pesquisas sobre este 'território onde vivos e mortos se encontram' e estas pesquisas foram me levando, então, a outras histórias surpreendentes e intrigantes, que geraram novos títulos. Na verdade, nunca imaginei que escreveria tanto sobre o tema."

"As vidas de Chico Xavier" baseou o filme "Chico Xavier", "Por trás do véu de Ísis" inspirou o filme "As mães de Chico Xavier" e "Kardec - a biografia" baseou o filme "Kardec". Neste cenário, Marcel Souto Maior afirma que os livros e filmes ajudam a levar as mensagens básicas do espiritismo ao maior número de pessoas e também contribuem para reduzir preconceitos em relação à doutrina. "As trajetórias de Chico e Kardec apontam caminhos importantes para quem busca mais sentido e significado para a vida. Qual a nossa missão nesta passagem por aqui? O que podemos fazer para e pelo outro? As histórias reconstituídas nos meus livros e nos filmes nos levam a perguntas transformadoras como estas."

Para Marcel Souto Maior, as pessoas devem assistir ao filme "Kardec" pela oportunidade de vivenciar uma história de transformação radical e também de luta contra a intolerância e a descrença. "Em tempos tão sombrios como os nossos - marcados por tanta tensão e tanta intolerância -, histórias como as de Kardec merecem ser vistas."

O papel do espiritismo na sociedade, segundo o jornalista e escritor, é mobilizar uma rede imensa de solidariedade no País. "É uma doutrina que dá muito, muito mais, do que pede e que nos ajuda a refletir muito sobre nosso papel nesta 'passagem' por aqui. Mesmo quem não acredita na 'vida depois da morte' pode ser impactado por ela. Ao traduzir a lógica da 'imortalidade da alma' e difundir a mensagem de que ninguém está neste planeta por acaso - ou 'a passeio' -, o espiritismo aumenta nossa responsabilidade em relação à vida e dá um novo sentido também aos dias (às vezes duros) que passamos por aqui. É uma doutrina que salva e transforma vidas."

O eventos são gratuitos. "Será um prazer compartilhar as histórias de Chico e Kardec com vocês. E é sempre uma alegria voltar a Rio Preto. Todos serão muito bem-vindos", afirma Marcel Souto Maior.

Serviço:

Palestra e bate-papo com Wagner de Assis e Marcel Souto Maior, neste sábado, 3, às 20h, no Grupo Espírita Orvalho da Luz, no Jardim Maracanã. Palestra apenas com Marcel Souto Maior, neste domingo, 4, às 9h, Centro Espírita Francisco de Assis, no Romano Calil. Palestra apenas com Wagner de Assis, neste domingo, 4, às 9h, no Centro Espírita Francisco Cândido Xavier, no Solo Sagrado. Atividades gratuitas

O diretor, produtor, roteirista, escritor e jornalista Wagner de Assis, além de dirigir "Kardec", "Nosso Lar" e "A menina índigo", criou a Cinética Filmes em 1997 e foi autor e colaborador das novelas como "Além do tempo", que tinha como tema principal a espiritualidade, e "Espelho da vida", que resgatou uma história de amor e mistério de vidas passadas, da Rede Globo.

Em Rio Preto, Wagner de Assis afirma que vai falar sobre Kardec e as experiências na realização do filme, além de compartilhar reflexões e aprendizados. Para ele, Allan Kardec foi um homem corajoso, missionário, que viveu no mundo enfrentando as coisas do mundo com as certezas de um outro mundo. Ele ainda revela que a sétima arte tem um papel importante na sociedade. "Cinema é luz na tela que ajuda a mostrar quem somos, de onde viemos, para onde vamos."

Wagner de Assis afirma que o filme "Kardec", que é protagonizado por Leonardo Medeiros e Sandra Corveloni, merece ser assistido porque trata-se de uma incrível história de transformação que está muito próxima de nós, mesmo nos dias atuais. "Na verdade, elas deveriam ter ido aos cinemas desde o dia 16 de maio assistir ao Kardec nos cinemas. Mas esta oportunidade já passou. Agora, só nas plataformas de streamings, na Netflix, a partir do dia 30 de agosto."

Apesar de ter estudado muito sobre espiritismo nos últimos anos, Assis prefere não falar sobre o papel de doutrina na sociedade. "Não sei lhe responder. Na verdade, nem sou a pessoa certa para responder. Posso pensar qual o papel do espiritismo para mim - transformador, ainda e sempre, professor, todos os dias e ao mesmo tempo uma grande ferramenta de vida."

Ele também deixa um recado para os rio-pretenses. "Kardec vive mais do que imaginamos. Não só porque está nas telas de cinema, mas porque viveu pela verdade e é por ela que temos que viver também."