Avanço do sarampo põe 24 cidades em alertaÍcone de fechar Fechar

Saúde

Avanço do sarampo põe 24 cidades em alerta

Quatro cidades do Noroeste paulista - Rio Preto, Fernandópolis, Jales e José Bonifácio - somam 37 casos de sarampo confirmados. Outros 20 municípios têm ocorrências do vírus em investigação


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

No maior surto de sarampo desde 2006, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença avança na região de Rio Preto. Já são 37 casos positivos em quatro cidades - Fernandópolis (28), Rio Preto (7), Jales (1) e José Bonifácio (1) - e outros 20 municípios têm ocorrências suspeitas da doença, segundo a Secretaria de Estado da Saúde. Sem remédio específico para tratamento, o sarampo é altamente contagioso, pode deixar sequelas graves e até levar à morte. Por outro lado, a doença pode ser evitada com apenas uma picadinha - a da vacina.

Fernandópolis continua sendo o município com a maior quantidade de casos positivos na região e a quinta do Estado, com 28 confirmações. A Secretaria Municipal de Saúde afirma que continua com a vacinação em massa na região dos infectados.

Rio Preto vem em seguida com sete exames positivos para a doença. Os casos do município estão relacionados a bebês entre seis e nove meses de uma mesma sala de uma creche da região dos bairros Boa Vista, Parque Industrial e entorno. Em Jales, um caso foi confirmado em um adulto na faixa etária de 20 a 39 anos, morador da zona rural do município. De acordo com a enfermeira da Vigilância Epidemiológica do município, Eloá Koga, o caso ainda aguarda confirmações laboratoriais. "O Ministério da Saúde está considerando por conta da circulação do vírus", disse. "Todas as ações contra a doença estão em andamento", garantiu.

De acordo com os dados atualizados pela Secretaria de Saúde do Estado, nesta terça-feira, 13, José Bonifácio também entrou no radar de casos positivos de sarampo. A confirmação foi em uma criança de oito meses, de uma creche municipal, no bairro Monte Alegre. A Vigilância Epidemiológica da cidade acompanha outros dois casos suspeitos. O primeiro de uma criança de três anos, de uma escola particular, no bairro Aclimação, e um adulto, o qual teve contato com a menina.

Segundo a enfermeira da Vigilância Vera Lúcia Minto de Mendonça, as equipes realizaram ação de bloqueio tanto nas escolas quanto nos locais de trabalho dos pais. "Os pais do bebê e da menina de três anos trabalham em uma mesma empresa, fizemos ação de bloqueio", afirmou.

Vacinação

Em cidades com casos positivos, a vacinação de bebês a partir de seis meses está liberada. As crianças devem voltar a tomar a vacina ao completar 12 e 15 meses, conforme o calendário normal de vacinação.

As doses estão disponíveis nos postinhos. "Nesse momento é importante olhar a carteirinha, principalmente das crianças e se vacinar", afirmou a gerente da Vigilância Epidemiológica de Rio Preto, Andreia Negri. "A única garantia para controlar o avanço do sarampo é a vacina."

Gilson Pinheiro dos Santos é pai do pequeno Alan, de seis meses. Como é morador da Boa Vista, foi alertado e correu para imunizar o bebê junto com a mulher, Raiane. "Estou mais seguro. Tenho outras duas crianças e também estão vacinados", disse.

Suspeitas

Segundo o último boletim divulgado pelo Estado, outras 20 cidades da região têm casos suspeitos da doença (veja lista completa nesta página). Em Mirassol, o caso em investigação é de um bebê de cinco meses, morador do bairro Regissol. Como medida preventiva, a Vigilância Epidemiológica da cidade vacinou professores e alunos da creche Lucilla França Sarti, na região do endereço da criança.

Por meio de nota, a Prefeitura de Olímpia enviou comunicado e informou "que o município não possui nenhum caso confirmado de sarampo, nem notificações suspeitas ou em investigação". Segundo o setor, o caso suspeito apresentado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica da secretaria Estadual de Saúde foi notificado no mês de março. "Mas, após investigação, foi descartado em abril, inclusive com laudo emitido pelo Instituto Adolfo Lutz", completa o texto. 

Como se proteger

  • As crianças devem ser vacinadas aos 12 e aos 15 meses - com duas doses, o esquema está completo. As doses são tríplices virais e protegem também contra rubéola e caxumba
  • Diante do surto, o Ministério da Saúde alerta que crianças entre seis meses e um ano devem tomar uma dose extra da vacina (que não interferirá nas duas doses do esquema normal)
  • Além da proteção, a medida visa a interromper a cadeia de transmissão do vírus
  • Quem não foi vacinado quando pequeno e tem até 29 anos precisa ter duas doses
  • Em adultos com idade entre 30 e 59 anos, uma dose é suficiente. Idosos não precisam da vacina, pois entende-se que já tiveram contato com o vírus em outros momentos em que ele circulou

Não sei se tomei vacina:

  • Procure a unidade de saúde mais próxima e tome a vacina, conforme indicações para sua faixa etária. É importante guardar a carteirinha de vacinação para que, em caso de ocorrências suspeitas, as autoridades de saúde saibam quem deve receber o bloqueio

A doença

  • O sarampo é uma doença infecciosa transmitida pela tosse e espirro, extremamente contagiosa, que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade
  • Sintomas - os principais são manchas vermelhas, que surgem primeiro no rosto e atrás das orelhas, febre alta e dor de cabeça. Além de conjuntivite, coriza e tosse
  • Complicações - as mais comuns são infecções respiratórias, otites, doenças diarreicas e neurológicas
  • As complicações podem deixar sequelas tais como diminuição da capacidade mental, cegueira, surdez e retardo do crescimento. Pode também levar à morte

     

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, que chega de mansinho - sintomas parecidos com a gripe - e pode levar à morte. Nos anos de 2000, a doença tinha previsão de erradicação no Brasil, mas voltou a assustar. Já nesta quarta-feira, 14, a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou 364.808 notificações, em 182 países, em 2019.

O professor da Famerp e chefe do setor de infectologia da Funfarme, Irineu Maia, afirma que o surto é consequência de movimentos conservadores e da falta de informações. "O pessoal mais leigo acha que sarampo é uma doença própria da criança ou do adulto jovem", afirmou. "Só que esquecem que antes da vacinação o sarampo era responsável por mais de 2 milhões de mortes por ano no mundo."

A doença se manifesta camuflada de gripe e resfriado, com sintomas como mal-estar, febre, tosse, coriza e conjuntivite. Depois dessa fase inicial, de dois a três dias, avança para as manchinhas vermelhas. "Até aí a pessoa ficou há sete dias transmitindo a doença", afirma o infectologista.

Até o diagnóstico, a criança ou adulto infectado pode ter ido à creche, à escola, ao supermercado, ao shopping, ter viajado de ônibus, avião. "E se você estiver em um ambiente com sarampo e não tomou a vacina, a chance de infectar é de 90%", afirma Maia.

Mulheres grávidas, pessoas em tratamento de câncer, tratamento com corticoides, portadores de doenças crônicas e com doenças autoimunes podem ter o quadro de saúde piorado em caso de infecção com sarampo. "Pode complicar com outras doenças como meningite e pneumonia."

Sem um antiviral para combater a doença, a única e eficaz alternativa é a vacina. "A única maneira de bloquear, especificamente na nossa região, é com a vacina, com efeitos colaterais mínimos", finalizou. (FP)

  • Rio Preto: 7
  • Fernandópolis: 28
  • Jales: 1
  • José Bonifácio: 1

Cidades com casos suspeitos:

  • Mirassol
  • Estrela d'Oeste
  • Monte Azul Paulista
  • Catanduva
  • Olímpia
  • Uchôa
  • Bálsamo
  • Orindiúva
  • Meridiano
  • Guarani d'Oeste
  • Ilha Solteira
  • Potirendaba
  • Nova Aliança
  • Mirassolândia
  • Nipoã
  • Tanabi
  • Votuporanga
  • São João de Iracema
  • Macedônia
  • Santa Fé do Sul