Diário da Região

13/04/2019 - 00h30min

ARQUITETURA

Granilite está retornando aos projetos arquitetônicos

Feito à base de cimento, água e pedras, revestimento que fez sucesso na década de 1940 no Brasil é resistente e de fácil manutenção

Mariana Orsi/Divulgação Restaurante projetado pela arquiteta Camila Paulon com a colaboração da loja Prototype tem granilite no piso
Restaurante projetado pela arquiteta Camila Paulon com a colaboração da loja Prototype tem granilite no piso

O revestimento do tipo granilite apareceu com força no Brasil na década de 1940 e está retornando aos projetos arquitetônicos, inclusive seus traços têm aparecido como parte da decoração, em papéis de parede. É um reaproveitamento de diversos revestimentos, um composto de cimento, areia, água acrescido de minerais como pedrinhas, quartzo, granito, calcário e mármore. Tem fácil manutenção e boa durabilidade. O resultado final é uma placa bastante resistente de fácil aplicação cuja superfície se parece com mármore ou granito e pode ser utilizada em diversos ambientes, inclusive em imóveis luxuosos, criando um resultado personalizado para cada projeto, já que é o cliente que escolhe como será o seu revestimento.

"Pode-se acrescentar na fórmula pó de diversas cores para que se alcance o efeito desejado. Esse piso mostrou-se duradouro com o passar do tempo e passou a ser usado em maior escala em áreas comuns e demais áreas sociais", explica a arquiteta Camila Paulon. A também arquiteta Karina Korn acredita que ele foi criado para se parecer com mármore ou granito, porém a um custo menor. "Em termos de composição, ele é muito parecido com o cimento queimado, mas como tem esses minérios é também mais resistente. Para ser mais firme, você pode escolher minerais mais fortes - quanto mais duro o mineral misturado, mais firme e forte será o granilite aplicado no projeto", explica. 

A manutenção é a mesma de qualquer piso cimentício, que não deve ser limpo com produtos abrasivos ou químicos. Karina diz que é um material bastante utilizado por ser bom, bonito e barato e dar uma cara retrô ao ambiente. "Ele entra na tendência do retrô, do moderno, do contemporâneo. É algo bem eclético, que conversa bastante com o que vemos nos projetos hoje em dia."

Como usar

O granilite pode compor o piso todo ou somente o rodapé. Pode ainda decorar apenas uma parede de um cômodo ou a fachada de um imóvel e aparecer em áreas de piscinas, no banheiro, em áreas gourmet. "Com a versatilidade das cores é possível criar efeitos personalizados e mosaicos, com a resistência das pedras nobres a um custo acessível. Esse revestimento não tem restrição de ambiente, podendo ser usado em áreas sociais, íntimas ou até em áreas molhadas", afirma Karina. 

De acordo com Marcela Pepe, designer de interiores, pode ser utilizado ainda como revestimento de parede, piso e bancadas. O fulgê ou granilite lavado preserva o relevo dos minerais e por isso é antiderrapante. Já o granilite polido apresenta uma superfície lisa e por isso escorregadia quando molhada. As cores podem variar das mais neutras à tonalidades super coloridas dependendo dos corantes e minerais adicionados."

São várias cores e texturas que o cliente pode escolher, dependendo da combinação das granitas (pedras), da proporção delas na mistura e da cor da masas, que pode ser tonalizada. O revestimento pode ser neutro ou colorido.  Também dá para selecionar o tamanho das pedras, em lascas maiores ou menores. "O que confere um acabamento único para cada projeto. Pode ser usado tanto em projetos comerciais quanto residenciais", orienta Camila. 

O tipo liso fica melhor em áreas internas, pois nas externas pode ser escorregadio. "Nas áreas internas, onde quisermos, por sua versatilidade, desde que seja bem colocado. Conseguimos usar até quando vamos fazer, por exemplo, um piso aquecido. É um material versátil que atende muitos projetos. Vale a pena consultar o fabricante ou o aplicador", diz Karina.

Cuidados

A arquiteta Karina Korn orienta que o contrapiso deve estar bem nivelado. Por ser uma massa, revela imperfeições de onde foi colocado, principalmente quando é mais polido. No momento da aplicação é preciso que o ambiente esteja muito iluminado, para que seja possível observar irregularidades e corrigir a aplicação, que deve ser feita com muito cuidado: o granilite trinca fácil, como o cimento queimado, por isso a junta precisa ser muito bem feita, não pode ser torta, curva, virada.

O granilite demora para ser aplicado, pois precisa do tempo de cura do cimento, água e grânulos. O clima tem influência direta e não adianta apressar. "Se quiser algo mais rápido, muitas empresas vendem o material pré-fabricado, com mais ou menos o mesmo processo, mas aí com uma base para cerâmica ou porcelanato. Você compra a pedra pronta e faz a aplicação como um porcelanato", explica. V&A

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso