Diário da Região

01/12/2018 - 22h30min

Editorial

Farra com dinheiro público

Dez vereadores que passaram pela Câmara de Nhandeara entre 2013 e 2016, alguns deles ainda lá, como o atual presidente da Casa, Antonio Zocal (MDB), mais conhecido como Corró, são os novos casos conhecidos de políticos da região a conseguir, na Justiça, 13º salário e abono de férias. Conforme o Diário revelou ontem, a Prefeitura do município, apesar de ter apelado a tribunal em São Paulo para não fazer o pagamento, terá de dispor de quase R$ 210 mil para saldar a "dívida trabalhista" com o grupo.

O episódio de Nhandeara, por escandaloso que pareça, é só mais um de vários na região, no Estado e no Brasil de vereadores, mesmo de legislaturas passadas como é o caso, que decidiram ir à Justiça cobrar benefícios trabalhistas pagos aos trabalhadores com carteira assinada. O que chama a atenção no processo dos nhandearenses é a sentença definitiva favorável aos autores, que, inclusive, já estão recebendo o dinheiro. A Prefeitura afirma já ter depositado R$ 48 mil para saldar as contas com dois deles, um dos quais o já citado Corró.

A tendência, se nada for feito, é que num futuro bem próximo essa aberração de vereador receber 13º e férias não só se torne regra em todo o País, como se estenda também a prefeitos, vices e a todo e qualquer político com mandato eletivo. E, por incrível que pareça, tudo dentro da lei.

Tamanha irresponsabilidade com o dinheiro público, em um momento em que os governos, em todas as esferas, precisam cortar despesas em vez de aumentá-las, foi autorizada pelos excelentíssimos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) - os mesmos ministros que aprovaram neste ano aumento de 16% dos próprios holerites e vão elevar por tabela o teto salarial de todo o funcionalismo público brasileiro, rombo estimado em R$ 4 bilhões para o erário.

Em 1º de fevereiro de 2017, o plenário do STF permitiu mais essa farra com o dinheiro do contribuinte ao reconhecer como legal o pagamento de um terço de férias e 13º a prefeitos e vice-prefeitos (e por conseguinte a vereadores) ao desfazer decisão contrária do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. O tribunal gaúcho entendeu que o benefício é vedado a detentor de mandatos eletivos conforme explicitado no artigo 39, parágrafo 4º, da Constituição Federal. Mas o STF, contrariando interpretação que se mantém desde a promulgação da Carta há 30 anos, reinterpretou o que parecia claro e liberou a regalia.

Desde então, prefeitos e vereadores Brasil afora estão apresentando projetos de lei ou indo à Justiça para requerer o indecoroso benefício. O novo Congresso precisa agir rápido para impedir mais essa investida que envergonha e penaliza o contribuinte.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.