Produtores rurais estão aderindo à tecnologia no dia a dia do campoÍcone de fechar Fechar

AGRODIÁRIO

Produtores rurais estão aderindo à tecnologia no dia a dia do campo

Agricultores investem em tecnologia que permite conexão entre máquina, pessoas e inteligência para obter maior eficiência e rentabilidade de forma sustentável


    • São José do Rio Preto
    • máx min

A Revolução 4.0 - ou quarta Revolução Industrial, como também é chamada - já está a todo vapor na agricultura, onde a tecnologia é sinônimo de produtividade sem comprometer a sustentabilidade do negócio e dos recursos naturais. "O produtor que não acompanhar a revolução tecnológica estará fora da atividade em curto espaço de tempo", alerta o empresário rural Sérgio Donizetti Pavani, que atua na cultura de soja, cana e amendoim, nas cidades de Tanabi, José Bonifácio, Planalto, Orindiúva e Jaboticabal.

Segundo o presidente da John Deere Brasil, Paulo Herrmann, a conexão entre máquina, tecnologia, pessoas e inteligência proporciona maior eficiência e rentabilidade de forma sustentável. "Essa é a agricultura do futuro, e ela começa com o campo totalmente conectado", afirma Herrmann.

Atento ao fato de que a agricultura do futuro já começou e que a tecnologia é fundamental para preparar o solo e planejar o plantio, Pavani investiu pesado em software agrícola, aplicativos, setor administrativo e treinamento de funcionários. "Utilizo várias tecnologias, começando pela análise de solo. O programa de computador cria um gride, que é levado para o campo, por meio de um pendrive para coleta das amostras do solo. As amostras são coletadas de acordo com aquele gride, via GPS, e levadas para o laboratório", explica.

O resultado da amostra é analisado pelo computador, para que seja definida a quantidade de cada nutriente por metro quadrado. O GPS permite variar a quantidade de nutriente e aplicar a quantia exata no lugar necessário, proporcionando economia e aumento de produtividade.

Com o solo saudável, é hora de planejar o plantio. "Pelo computador, fazemos projetos de linhas de plantio. Os dados são conectados ao trator que, equipado com GPS e computador de bordo, realiza o plantio de acordo com o projeto traçado, garantindo o melhor aproveitamento do terrento", afirma. Dessa forma é possível aumentar a eficiência, o rendimento do plantio e de todas as operações de trator e colheita da cultura.

E não para por aí. Pulverizadores com alta tecnologia, equipados com GPS, realizam o trabalho diurno e noturno, garantindo a mesma quantidade de produto. "Esse sistema evita desperdícios, acertando bem o alvo", observa.

Capacitação

De acordo com o empresário rural, os produtores estão cada vez mais se preparando para acompanhar a revolução tecnológica. "A agricultura não tem mais espaço para amador. Com certeza, a partir de agora, a capacitação dos funcionários é fundamental. É preciso investir em treinamento constante", diz.

Pavani, que investe em equipes treinadas para acompanhamento técnico full time, reconhece que houve resistência à tecnologia, especialmente por parte dos trabalhadores do campo. "Existiu resistência, mas hoje a aceitação está muito boa por parte dos funcionários, até porque a tecnologia contribuiu muito para o aumento da produtividade e diminuição de custos. Nem sempre aumenta a margem de lucro, porque os preços das commodities vêm depreciando ano a ano", afirma.

  • É acessível em qualquer lugar e a qualquer momento
  • Estabelece uma conexão entre as máquinas e o escritório e vice-versa, sem interferência do operador
  • Permite a edição, a pós-calibração e o tratamento dos dados para garantir a integridade e a acuracidade das informações coletadas
  • Otimiza a execução e máquinas com base nos dados coletados
  • Identifica as oportunidades de redução de custos de insumos, variedades com melhor resposta, técnicas agrícolas aplicadas, zonas de manejo e demais alternativas para ampliar a produtividade a partir das informações das máquinas, das operações e agronômicas
  • Compartilha as análises com parceiros de negócios do cliente
  • Minimiza erros dos operadores através da documentação de planejamento das operações

Fonte: Reportagem

O avanço da tecnologia da informação aplicada ao campo tem se tornado peça-chave na transformação da agricultura de precisão para a agricultura de decisão, segundo o presidente da John Deere Brasil, Paulo Herrmann. "Com softwares agrícolas, o agricultor não precisa mais esperar até o fim do dia para tomar uma decisão, pois ele tem os dados em suas mãos para chegar a uma decisão mais assertiva, em tempo real, o que resulta em uma lavoura mais produtiva e rentável", explica.

Quem não abre mão deste importante aliado é o empresário rural Sérgio Donizetti Pavani. "O software controla todas as operações agrícolas, todas as aplicações de insumos, toda mão de obra, todas as frotas e respectivas manutenções. Tenho o controle de cada propriedade e os custos de cada cultura", explica o empresário. "Os relatórios gerados proporcionam uma melhor gestão".

Além disso, o software controla toda a parte administrativa, como financeiro, fiscal, contábil, folha de pagamento, contas a receber e a pagar, estoques, compras e controle de ponto da mão de obra, entre outros. "Ficam mais fáceis as tomadas de decisões", diz. "Os aplicativos ajudam em lançamentos e também no controle de peças e combustível".

"O Brasil tornou-se rapidamente um polo para o desenvolvimento de tecnologias agrícolas digitais que estão ajudando os agricultores a gerir suas operações de forma mais eficiente e melhorar a produtividade através de conhecimentos ricos em dados", afirma Mateus Barros, líder da América do Sul para o negócio da Climate Corporation.

Conectividade rural

Paulo Herrmann conta que a John Deere Brasil lançou, neste ano, o projeto "Conectividade Rural", que leva acesso à internet aos agricultores brasileiros, preenchendo a lacuna de infraestrutura do País, para que as tecnologias destinadas a melhorar a agricultura possam ser utilizadas em todo o seu potencial. O projeto consiste na instalação de torres de transmissão de acordo com o perfil de cada produtor, permitindo que ele esteja conectado à internet, mesmo em locais onde as operadoras móveis não alcançam.

"O projeto representa a real conexão entre a lavoura, as máquinas e as pessoas. A partir dele, o agricultor pode transferir o escritório para o campo e integrar todas as plataformas e softwares, além de programas externos, para gerenciar sua propriedade e seus colaboradores a qualquer momento e em qualquer lugar", destaca Herrmann.

"Hoje, a conexão à internet já é tão importante quanto as estradas para o agronegócio, pois é a partir dela que podemos transportar as informações. E precisamos reforçar que a conectividade do campo é positiva não só para aqueles que vivem da terra, mas para toda a sociedade, que se beneficiará do aumento da produção de alimentos, para outros players do mercado de máquinas e soluções agrícolas, para clientes, fornecedores e toda a cadeia produtiva", completa.