Diário da Região

19/12/2018 - 13h17min

FRACTAIS TROPICAIS

Coletânea reúne contos de autores da ficção científica

A obra abrange mais de meio século de história, desde o patrono no País, Jeronymo Monteiro (1908-1970), até os contemporâneos

Um homem alquebrado pelo luto; um jovem pintor em busca de inspirações; um matador de aluguel diante da tarefa de tirar a vida da própria amada. Esses argumentos poderiam motivar histórias comuns, não fosse pelo fato de o viúvo ter uma modificação cerebral para amar incondicionalmente sua mulher que o faz ter impulsos suicidas após a morte dela; o pintor adentrar uma realidade lisérgica desdobrada em formas geométricas; e do assassino estar em um cenário futurista e tecnológico.

Esses são alguns dos contos presentes na coletânea "Fractais Tropicais" (Sesi-SP), que reúne 30 dos melhores autores da ficção científica brasileira. Nesta quarta, 19, o organizador Nelson de Oliveira debate o assunto com os escritores e pesquisadores Roberto de Sousa Causo, Ivan Carlos Regina e Ana Rüsche na livraria Tapera Taperá, em São Paulo, às 19h.

No romance "A Cidade & a Cidade", de China Miéville, duas metrópoles ocupam o mesmo espaço físico, mas são invisíveis entre si. Quem vive em uma é obrigado a "desver" os edifícios, carros e habitantes da outra. Essa seria uma boa analogia da relação entre a ficção científica e a literatura dita mainstream no Brasil. "Se é ficção científica, a academia não gosta. Se gostou, não vai aceitar que seja ficção científica. Mas a gente não lê porque tem naves e sim porque são boas histórias", afirma Bárbara Prince, editora da Aleph, uma das principais casas de FC no País. "É o gênero que mais tem dialogado com pautas relevantes da realidade hoje."

Para quebrar essa barreira, Nelson organizou "Fractais Tropicais" em um recorte histórico e didático. "Inteligência artificial, engenharia genética, robôs sexuais, conexão cérebro-máquina... A ficção científica vem sendo o gênero que trabalha as temáticas mais inquietantes da literatura", acredita o organizador.

A obra abrange mais de meio século de história, desde o patrono da FC no País, Jeronymo Monteiro (1908-1970), até os contemporâneos, como Gerson Lodi-Ribeiro, Alliah e Ana Cristina Rodrigues, autores dos contos que iniciam esse texto.

Há relatos proto-FC desde a Antiguidade, como a "História Verdadeira", em que Luciano de Samósata narra uma viagem ao espaço no século 2. Mas o gênero como o conhecemos hoje foi formatado há 200 anos, com "Frankenstein ou o Prometeu Moderno", clássico de Mary Shelley. No Brasil, o primeiro texto do tipo é Dr. Benignus (1875), do luso-brasileiro Augusto Emílio Zaluar (1825-1882). Como nota Nelson no prefácio, a FC nacional se divide em três "ondas": uma nos anos 1960, capitaneada pelas Edições GRD, de Gumercindo Rocha Dorea, pioneiro na publicação sistemática do gênero no País; a segunda, impulsionada pelas fanzines nos anos 1980; e a terceira, que se desenrola atualmente na internet.

Dinah Silveira de Queiroz (1911-1982), que ocupou a cadeira 7 da Academia Brasileira de Letras, é uma das pioneiras da FC no País. Em seu conto na antologia, A Ficcionista (1969), ela imagina uma inteligência artificial avant la lettre que contém todas as histórias imagináveis, ameaçando a existência de escritores - quase uma previsão sobre big data. Ivanir Calado questiona em O Paradoxo de Narciso (1991) o que aconteceria se você pudesse voltar no tempo e se apaixonar por seu eu do passado.

Em um dos pontos altos do livro, "O Molusco e o Transatlântico" (2005), Braulio Tavares imagina com lirismo um astronauta com habilidades telecinéticas que se vê capturado por uma espécie inimaginavelmente mais avançada que a humanidade e se torna uma cobaia desses alienígenas - cabe ao leitor, pelas memórias do protagonista, decidir se esse destino é bom ou ruim.

Fractais Tropicais prova que os autores brasileiros não devem nada aos estrangeiros e sinaliza que talvez a barreira entre a FC e a literatura "séria" seja apenas, como no livro de Miéville, uma questão de miopia.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso