Diário da Região

02/12/2018 - 08h00min

SAÚDE

Todo o apoio para emagrecer

Psicólogas criam programa de apoio integral a quem precisa e quer perder peso. Diferencial é o suporte psicológico individual e em grupo

Foto: Johnny Torres Karina Younan e Daniele Alampe
Karina Younan e Daniele Alampe

Quem está acima do peso sabe a receita nada mágica para emagrecer: alimentação saudável e exercícios físicos regulares. O difícil é colocar em prática, já que o apelo emocional da comida é enorme. Come-se por ansiedade, costume, culpa, tristeza, frustração. Foi pensando em dar o apoio necessário para que cada um consiga alcançar seus objetivos que as psicólogas Karina Younan e Daniele Alampe criaram o Animma, programa de três meses que vai ajudar a emagrecer dando suporte emocional.

"Todo mundo já sabe o que tem que fazer e o que precisa comer. As pessoas só não conseguem. As questões inconscientes e emocionais acabam com o propósito. A razão diz que ela deveria emagrecer e estar em um estado de saúde melhor, mas emocionalmente ela não consegue resistir à comida e ao apelo emocional que desenvolveu com ela", pontua Karina. 

A especialista desenvolveu o projeto com base em estudos científicos - sua tese de doutorado é sobre emagrecimento. "Estudando todos esses quesitos, eu fui desenvolvendo um programa com os temas que mais ajudaram as pessoas que conseguiram virar essa chave". No Animma, a pessoa encontrará todos os suportes: psicológico, médico (com endocrinologia e psiquiatria), nutricional (além de estabelecer uma dieta, a equipe também pode entregar a comida pronta em casa) e físico. 

Cada indivíduo pode montar o pacote de acordo com seus desejos. Se tiver um personal trainer de confiança, não precisa contratar o do programa; se tiver convênio médico, não há necessidade de se consultar com os profissionais do Animma, por exemplo. É imprescindível, no entanto, que todas as etapas sejam cumpridas: exames, exercícios físicos e dieta balanceada. Também é obrigatório que o acompanhamento psicológico seja realizado pelas profissionais do Animma. 

Além dos encontros individuais com os psicólogos, fazem parte do roteiro bate-papos em grupos de no máximo oito pessoas que vão discutir pontos em comum semanalmente. "Compartilhar experiências faz a gente se sentir menos solitário, menos vitimizado, parte de um todo. Algumas pessoas são muito isoladas em si mesmas, pouco consultaram outras a respeito do que estão passando. É fantástico a gente ver que as pessoas sofrem como nós, que fazemos parte de um grupo com as mesmas dificuldades", pondera Karina. 

Serão abordados temas que foram importantes para quem conseguiu vencer a disputa com a balança. Um deles, por exemplo, é o ódio que alguns sentem do próprio corpo. "A pessoa detesta como está, tem menos capacidade de resistir a uma resposta antidepressiva rápida que é o açúcar, a comida", diz Karina. De acordo com ela, é preciso deixar de odiar o próprio corpo e reconhecer o que levou a tê-lo, como se dedicar muito ao trabalho e aos filhos e deixar de lado o cuidado com a saúde. É necessário, inclusive, agradecer ao corpo, pois foi ele que te carregou até aqui. "É resolver, não é odiar. E muitas vezes aceitar ajuda, parar de resolver tudo na marra e sozinhas", destaca a psicóloga. 

O contrato firmado é de 90 dias, para evitar a desistência antes do fim do programa, e qualquer um pode aderir, de crianças a idosos. A equipe multi levará em conta problemas de saúde como hipertensão e diabetes, pois fará uma avaliação para montar o programa adequado e personalizado. Além dos encontros com os profissionais, quem aderir vai ter acesso a aplicativos e a grupos de apoio no WhatsApp.

Benefícios além de emagrecer

Karina Younan explica que o indivíduo será medicado, caso necessário, pela psiquiatra ou pela endocrinologista. "Aderindo ao programa, a pessoa combate também a depressão", considera. Além de regular hormônios e vitaminas que estejam deficientes por meio de remédios, ter uma vida mais saudável por si só já traz benefícios.

"Fazendo o programa, está organizando seu metabolismo", diz a psicóloga. O indivíduo vai praticar exercícios físicos, regular os hormônios e a ansiedade, se alimentar melhor, além de ter apoio emocional. "São muitos males que você afasta. É uma delícia trabalhar com quem está assim, ver a pessoa acordando para o próprio corpo, para a vida, tendo motivação". Karina comenta que a pessoa vai dormir e acordar melhor, se sentirá menos inchada e com mais disposição.

Ela pondera que no Brasil a questão do corpo é algo solitário, por isso a necessidade do grupo. "A pessoa vai ficando gorda e se retirando socialmente, não veste a roupa que queria, não se expõe". A profissional também destaca a vergonha do próprio corpo, que não deve ser sentida. "A gente não pode se maltratar nesse sentido. Vai ajudar mais racionalizar e resolver e se apoiar em quem estudou. É uma decisão pensada", ressalta, lembrando ainda que a maioria das pessoas amadas não têm um corpo perfeito.

Karina lembra que a obesidade é uma doença, não reflexo de falta de força de vontade. Se acontecer alguma derrapada durante o programa - comer doce quando não deveria ou faltar a uma aula de natação, por exemplo -, é preciso seguir. "Não se preocupe. Só recalcula, só refaz a rota".

O nome do programa tem relação com a Grécia Antiga, onde havia o Templo de Delfos e a frase máxima da sabedoria grega antiga, "conhece-te a ti mesmo". "Quem tem um corpo são em uma mente sã tem muito pouco mais a desejar nesse mundo. A gente imagina que vai ter uma vida elevada, consegue muito mais da vida quando está com a cabeça e o físico bons. A vida flui, o mundo ajuda, você se ajuda, o reflexo disso é que as pessoas querem se juntar a você", afirma.

 

Como fuciona

O primeiro contato é com a psicóloga que vai explicar como funciona o programa e firmar o contrato. A segunda consulta também é com a psicóloga, que vai traçar o histórico do paciente para elaborar o programa adequado, identificando quais hábitos precisam ser evitados e o que precisa ser modificado na vida. "Cada pessoa erra, se vitimiza e é gordinho à sua maneira. Vamos conhecê-la", diz Karina. Depois começam os encontros e o acompanhamento com os médicos.

O Animma fica no Iguatemi Business. Interessados podem entrar em contato pelo e-mail kayounan@msn.com.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso