Diário da Região

30/11/2018 - 21h24min

Editorial

A corrupção como regra

A Operação Lava Jato demarcou nova expectativa em relação aos políticos e toda sorte de gente que gravita em torno deles, geralmente apadrinhada em cargos públicos, como o Brasil é pródigo em produzir. Se antes das múltiplas falcatruas desnudadas pela força-tarefa de Curitiba e por seus braços em outras cidades brasileiras, como agora mesmo no Rio de Janeiro, o cidadão tinha alguma dúvida de que a corrupção é generalizada entre eles, agora tem certeza. Para o senso comum parece quase impossível acreditar que exista político honesto. Os que passam tal impressão é porque ainda não foram pegos em flagrante delito.

A imagem que o brasileiro faz dos homens públicos, justificada por eles, é péssima para a nação, interna e externamente. Abala a confiança, dentro e fora das fronteiras, na legalidade, impessoalidade e, sobretudo, na moralidade, com que conduzem os negócios do governo. Jogados por terra tais conceitos, fica abalada a própria ideia de Estado Democrático de Direito, modelo adotado pelos países desenvolvidos, que esperam vê-lo espelhado em nações com as quais se relacionam - e não por mero capricho, mas por um mínimo de segurança jurídica nas transações comerciais. A corrupção encarece os custos para empregar dinheiro no Brasil - diante das regras flexíveis de contratos alimentadas pelas gordas propinas cobradas pelos agentes do Estado - e afasta investidores internacionais. Internamente, sufoca a livre concorrência entre as empresas, ao privilegiar sempre aquelas dispostas ao suborno.

A prisão de quatro governadores do Estado do Rio de Janeiro no espaço de duas décadas com o encarceramento do atual, Luiz Fernando Pezão, na manhã de quinta-feira, 29, é apenas o exemplo mais gritante desse cenário de terra arrasada. É improvável que algum brasileiro que acompanha o noticiário acredite que o que acontece no Rio seja uma "exceção". No imaginário coletivo, repita-se, a sensação é de que é regra, mesmo, e que se outros governadores e prefeitos ainda não tiveram o mesmo destino de Pezão, é porque não foram investigados a fundo.

A prisão de Pezão carrega em si outro aspecto para aumentar o pessimismo quanto a uma mudança de costume dos políticos. Todas as agruras que o antecessor dele no cargo, Sérgio Cabral, passou e passa na prisão pela roubalheira que promoveu nos cofres públicos foram incapazes de intimidá-lo a seguir delinquindo. Apavorante.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.