Diário da Região

22/11/2018 - 22h15min

Editorial

Terreno preparado

Como forma de facilitar parte das tarefas de Jair Bolsonaro, o presidente Michel Temer deixará engatilhado um pacote de concessões de órgãos públicos ao setor privado. A iniciativa vai ao encontro do programa de governo do presidente eleito consagrado pela maioria dos eleitores brasileiros nos dois turnos das eleições de outubro. O País está farto do gigantismo e da ineficiência do Estado, o que só neste ano deve gerar um rombo fiscal estimado em R$ 139 bilhões. A conta, como sempre, é paga pelo contribuinte, já que em vez de cortar gastos Brasília prefere aumentar impostos.

Incapaz de cumprir com suas obrigações básicas, como oferecer educação e saúde de qualidade, e garantir a segurança da população, é inaceitável que o governo continue a se meter em atividades que estariam muito melhor nas mãos da iniciativa privada. O pacote de Temer, por exemplo, prevê a privatização de 12 aeroportos, quatro portos e uma ferrovia. O que não dá para entender é como, à beira da segunda década do século 21, ainda continuem sob controle público.

A saída para os problemas brasileiros passa pelo fim da intromissão estatal na economia, com monopólios de setores estratégicos que impedem o capitalismo de se desenvolver no País, o que é impossível num ambiente que tolhe a livre concorrência. Ao rechaçar a continuidade do ciclo lulopetista e sua visão estatista da economia, depois de 13 anos no poder, a maioria do eleitorado quer que Bolsonaro, com a ajuda do ministro Paulo Guedes, dê um basta nesse modelo. Quer que os discursos de campanha e de agora na transição sejam colocados em prática a partir de 1º de janeiro, como a instalação imediata da Secretaria de Privatizações para coordenar todo o processo de emagrecimento da máquina pública. O próprio Guedes estima que a União pode engordar seus cofres em R$ 1 trilhão com privatizações, concessões e venda de imóveis da União.

Na lista, além do pacote que Temer deixará pronto, estão a Eletrobras e partes da Petrobras, a Casa da Moeda, subsidiárias dos bancos públicos, entre outros. Atualmente, existem 138 empresas estatais federais. Dessas, 18 dependem de recursos do Orçamento Federal para funcionar. É um absurdo. As privatizações não vão resolver todos os problemas da União. Há reformas até mais urgentes, como a previdenciária, mas levá-la adiante ajuda o governo a se concentrar naquilo que é prioridade, além de aumentar a confiança de empresários e investidores aqui e lá fora de que o Estado brasileiro estimula verdadeiramente a livre iniciativa.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.