Amor para corajosos, de Luiz Felipe Pondé Diário da Região - Entre Livros e Palavras

Diário da Região

    • São José do Rio Preto
    • máx 31 min 15
04/11/2018 - 00h30min

Entre Livros e Palavras

Amor para corajosos, de Luiz Felipe Pondé

Em seu livro, filósofo esmiúça as diferentes facetas do amor, trazendo reflexões importantes a todos que desejam mergulhar fundo em uma relação amorosa

Johnny Torres Tradutora Patrícia Reis Buzzini
Tradutora Patrícia Reis Buzzini

“O amor não é para iniciantes”. Talvez essa seja a melhor epígrafe para o livro 'Amor Para Corajosos' (2017), do conceituado filósofo Luiz Felipe Pondé. Em 36 capítulos, o autor esmiúça as diferentes facetas do amor, trazendo reflexões importantes a todos que desejam mergulhar fundo em uma relação amorosa. Começando por suas origens literárias medievais até o formato romântico do amor nos séculos XVIII e XIX, compreendemos algumas razões pelas quais o amor é visto como uma das maiores representações do céu e do inferno, podendo “levar-nos ao desespero ou à deliciosa experiência de uma reinvenção da vida”.

Para começar, Pondé estabelece uma diferenciação filosófica entre o que seria um “amor kantiano” e um “amor nietzschiano’. Em suas palavras, o primeiro representaria a “busca por estabilidade e respeito” e o segundo definiria a “busca pela paixão abismal e aterradora”. Nesse sentido, o título do livro parece pender mais para segundo tipo, considerando que, segundo o autor, uma filosofia para corajosos implica pensá-lo fora da ética, indo em direção ao inferno moral. Escrito em ensaios breves, e com uma linguagem ambivalente - intencional, a propósito - o livro pode ser lido aos poucos.

Fazendo uma crítica à concepção romântica de amor, símbolo de autenticidade e resistência às imposições sociais, o autor relata que, muitas vezes, a busca pelo ideal de vínculo imaginário pode trazer consequências desastrosas à vida real:

“Ninguém nunca está à altura de um ideal. A realidade sempre está aquém do ideal. Movidos neuroticamente por esse ideal imaginário, fruto da literatura e do cinema, nós nos tornaríamos incapazes de vínculos sólidos e construídos a partir de compromissos reais e significativos” (p. 40)

Nessa perspectiva, quanto mais rápido as pessoas se libertarem dessa neurose e dessa expectativa, mais rápido poderão criar vínculos afetivos mais duradouros e significativos.

Outra questão levantada por Pondé refere-se ao florescimento de uma geração de narcisistas, mimados e ressentidos, cada vez mais miseráveis de afeto e de autoestima. Afeitos às modas de comportamento, são descolados e não sentem ciúmes, vivem a vida sem rancor nem ressentimentos e olham apenas para si mesmos, na ilusão de serem autossuficientes. Considerando que o amor exige sentimentos de coragem, generosidade, disponibilidade e sinceridade, a situação torna-se ainda mais complicada. De acordo com o autor, muitas pessoas acabaram se esquecendo que “o amor depende de uma certa dose de maturidade para resistir aos impasses que traz num cotidiano protocolar como o nosso”.

Independentemente do tipo de amor - universal, místico, filial, homo ou hétero - o filósofo ressalta que um

dos seus efeitos mais regeneradores é a capacidade de restituir o amor-próprio e a autoconfiança. Assim, pessoas que se apaixonam e são correspondidas sentem-se mais fortes e capazes de enfrentar dramas cotidianos sem perder a confiança nas coisas: “A maior força do amor é exatamente esta: nos libertar de nossos fantasmas, mesmo que à custa de alguma forma de morte ou aniquilamento do eu que conhecíamos como nosso” (p.174). Ao término da leitura, a única certeza que nos resta é que, apesar dos riscos, nada parece ser pior do que o vazio de nunca ter amado. Leitura indicadíssima...

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos 3 primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos 3 primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por Você para acessar o Diário da Região.