Diário da Região

03/08/2018 - 11h00min

Geração 6.0+

Pole dance é atividade para a terceira idade, sim!

Conheça a história da aposentada Ana Josefa de Azevedo, de 84 anos, que pratica pole dance

Simone Machado Com auxílio da professora aposentada faz acrobacias na barra
Com auxílio da professora aposentada faz acrobacias na barra

Praticar pole dance requer muitas habilidades, além de força e um bom preparo físico. Por exigir muito do corpo, principalmente força nos braços e no abdômen há quem o considere um esporte de mulheres jovens. Mas a aposentada Ana Josefa de Azevedo, de 84 anos, vem mostrando que esse esporte também é atividade para a terceira idade.

Treinando há apenas oito meses ela surpreende quando o quesito é equilíbrio e força. “Tem muitas meninas de 20 anos que não conseguem fazer o que ela faz. Ela está no esporte há pouquíssimo tempo e já consegue fazer várias acrobacias”, diz Fabrícia Frazzanato Mônaco, educadora física e professora de pole dance.

Desde que se aposentou, Ana viu no esporte uma maneira de não ficar parada. Praticante de capoeira há oito anos, quis se superar e viu no pole dance a oportunidade de mostrar que ainda tem muito pique. “Fazendo os exercícios da barra eu superei meu medo de altura. Sem contar que o pole dance me dá mais energia e ajuda a manter a minha saúde”, conta a aposentada.

De acordo com a educadora física, o esporte pode ser praticado por pessoas de qualquer idade, no entanto é necessário que o aluno não tenha restrições médicas, como problemas nas articulações, por exemplo. “Tenho alunas de 7 a 84 anos, idade não é o problema, mas como toda atividade física é importante que a pessoa converse com o seu médico antes de começar a prática”, lembra Mônaco.

Entre os benefícios desse esporte estão a melhora no equilíbrio, flexibilidade e coordenação motora, coisas que as pessoas vão perdendo com o passar dos anos. “O pole dance ajuda a pessoa a envelhecer com mais qualidade de vida. Sem contar que a interação com as demais alunas melhora a autoestima e afasta o risco de quadros de depressão”, acrescenta a educadora física.

A aposentada faz treinos de duas horas, uma vez por semana. Ela não participa de competições, mas faz questão de se apresentar em todos os festivais que a academia em que treina participa. “Isso aqui é a minha distração. Demorei para conhecer o esporte, mas agora que conheci não quero mais sair”, brinca Ana.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso