Diário da Região

12/08/2018 - 00h30min

SOBREVIVENTE

Videolocadora resiste aos avanços da tecnologia

Localizada na avenida Danilo Galeazzi, videolocadora resiste aos avanços da tecnologia e dos serviços de streaming

Guilherme Baffi 10/8/2018 Carlos Alberto Oliveira, cliente
Carlos Alberto Oliveira, cliente

Há uns dez anos, mais ou menos, assistir a um filme em casa era um ritual totalmente diferente. Você precisava sair de casa, ir a uma videolocadora, torcer para que o filme desejado estivesse disponível - ou reservá-lo antes - e alugá-lo. Normalmente, os lançamentos te davam o direito de ficar com a produção por 24 horas em casa. Depois era preciso devolvê-la. Caso ultrapassasse o prazo, havia multa. Parece burocrático, mas, para muitos, se tratava de um ritual.

Os clientes liam as sinopses, trocavam ideia e dicas entre eles e os proprietários das locadoras. Amizades eram formadas e ver o filme se tratava de uma experiência que ia muito além da produção. Uma experiência que a nova geração provavelmente não conhecerá, porque as locadoras estão praticamente extintas.

Em Rio Preto, estabelecimentos como a Ovni Vídeo Clube, a MTVídeo e a Real Vídeo, três das maiores e mais significativas locadoras de filmes, fecharam suas portas nos últimos anos, sucumbindo às mudanças de hábitos do público que se rendeu completamente ao digital, com os serviços de streaming e as possibilidades de alugar um filme com um simples clicar de um botão, do conforto do seu sofá ou cama.

Mas ainda há quem resista. Em uma portinha na avenida Danilo Galeazzi, entre uma casa de carnes e uma loja de informática, está a Vídeo 1000, uma videolocadora nos moldes mais tradicionais comandada há oito anos por Maurício Masuda, ou o 'Seu Maurício', como é conhecido pela clientela.

Quando abriu a Vídeo 1000, Seu Maurício pegou os últimos anos do auge. O sucesso de estabelecimentos de locação de filmes na época foi, inclusive, o grande motivador para o empreendedor investir em uma videolocadora. "Eu tinha um sobrinho que tinha uma locadora na época e estava indo muito bem. Conheci o negócio com ele nessa época em que ainda estava bom. Eu trabalhava de vendedor e estava cansado de ficar viajando muito. Na época me parecia uma boa opção, nunca esperei que essas mudanças fossem acontecer", recorda.

Hoje, ele garante que os ganhos dão para sobreviver e manter o negócio, mas que a queda do público é preocupante. "A movimentação caiu muito, só no último ano estimo uma redução de 40% a 50% no número de clientes. Tenho vários clientes que somem e, quando aparecem por aqui, dizem que estão assinando Netflix ou outros serviços de streaming. É uma pena", lamenta Maurício.

Estratégias

Para Maurício, alguns pontos são fundamentais para que o negócio continue funcionando. O primeiro deles é investir em filmes novos. "Tem que ter sempre os lançamentos disponíveis. As pessoas não querem saber de filme antigo. Filme antigo eles veem em qualquer lugar. Toda semana compro novos filmes, busco me atualizar e trazer novidades e mesmo assim está difícil. Não é raro alguns clientes chegarem aqui e a gente oferecer algum filme ou série e as pessoas dizerem que já viram na Netflix".

O segundo fator é o preço. Alugar um lançamento na locadora do Seu Maurício custa R$ 4. "É barato demais, mas se subir muito pode afastar os clientes que ainda restam. Nas últimas locadoras que fecharam, um filme recém-lançado para locação custava entre R$ 7 e R$ 8."

Além disso, tem a questão do atendimento. Maurício afirma que tenta oferecer aos clientes o melhor atendimento possível. E a simpatia é visível. Ele sabe, por exemplo, o nome de quase todo mundo que entra. Conversa, pergunta sobre o filme. "Tento saber o nome de todos os clientes, criar uma relação com eles", conta.

Ainda assim a quantidade de locações caiu, afirma Maurício. "Hoje, mesmo barato, levam no máximo dois filmes cada vez que alugam. Antes eram quatro, cinco filmes". Mas ele nem pensa sobre a possibilidade de fechar as portas. "Vou continuar até onde der. Vou comprar meus filmes e insistir".

E não importa o dia, de segunda a segunda, a locadora estará aberta das 10h às 22h, diz Maurício. "Mesmo se não estiver muito movimentado, é importante estar sempre aberto para os clientes".

Fidelidade

O que tem feito com que a videolocadora continue com suas portas abertas é a clientela fiel, garante Maurício. "Tenho muitos clientes que não trocam a locação. Gente que gosta de vir aqui, ler a sinopse, conversar sobre os filmes. São eles que movimentam o negócio".

O comerciante Carlos Alberto de Oliveira, de 52 anos, é um desses clientes. Ele mora nas proximidades da videolocadora e não abre mão de passar por lá sempre que pode para dar uma olhada e até alugar alguns filmes.

"Tenho Netflix, tenho aqueles serviços de aluguel pela TV, mas gosto de vir à locadora. Saio de casa, venho à padaria, passo por aqui, fico olhando os filmes. É um costume que tenho há uns 30 anos e continuar alugando filmes hoje em dia me traz uma sensação de nostalgia", conta. 

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso