Diário da Região

    • -
    • máx min
31/07/2018 - 23h57min

DESOCUPAÇÃO

Desemprego no segundo trimestre é de 12,4%

País ganhou 657 mil novos postos de trabalho em apenas um trimestre

Agência Brasil Contingente de trabalhadores sem carteira assinada no setor privado aumentou em 276 mil pessoas
Contingente de trabalhadores sem carteira assinada no setor privado aumentou em 276 mil pessoas

A taxa de desocupação no Brasil ficou em 12,4% no segundo trimestre, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados nesta terça-feira, 31, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em igual período de 2017, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 13,0%. No primeiro trimestre, o resultado ficou em 13,1%. No trimestre encerrado em maio, a taxa era de 12,7%.

A renda média real do trabalhador foi de R$ 2.198 no segundo trimestre. O resultado representa alta de 1,1% em relação ao mesmo período do ano anterior. A massa de renda real habitual paga aos ocupados somou R$ 195,7 bilhões no segundo trimestre, alta de 2,3% ante igual período do ano anterior.

O País tinha 12,966 milhões de pessoas em busca de emprego no segundo trimestre. Apesar do patamar elevado de desemprego, houve melhora em relação ao mesmo período do ano anterior. Há menos 520 mil desempregados em relação a um ano antes, o equivalente a um recuo de 3,9%. O total de ocupados cresceu 1,1% no período de um ano, o equivalente à criação de 1,001 milhão de postos de trabalho. O contingente de inativos avançou 1,9%, 1,228 milhão de pessoas a mais nessa condição.

Como consequência, a taxa de desemprego passou de 13,0% no trimestre até junho de 2017 para 12,4% no trimestre encerrado em junho. O nível da ocupação, que mede o percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, foi estimado em 53,7% no segundo trimestre deste ano, ante 53,6% no primeiro trimestre. No segundo trimestre do ano passado, o nível de ocupação era também de 53,7%.

Postos de trabalho

O País ganhou 657 mil novos postos de trabalho em apenas um trimestre, enquanto 723 mil pessoas deixaram o contingente de desempregados. A criação de vagas ficou aquém do total de pessoas que deixaram de procurar emprego, mas a taxa de desocupação não aumentou porque mais 774 mil indivíduos migraram para a inatividade, ou seja, optaram por sair da força de trabalho. O contingente de trabalhadores sem carteira assinada no setor privado aumentou em 276 mil pessoas e outros 113 mil indivíduos aderiram ao trabalho por conta própria.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso