Diário da Região

    • -
    • máx min
08/07/2018 - 00h30min

A NOSSA LÍNGUA

Prova de Linguagens exige hábito de leitura e concentração

Prova de Linguagens é a primeira do Enem, em novembro, e exige hábito de leitura e concentração; confira dicas para se preparar

Johnny Torres 5/7/2018 Júlia (de preto) sempre teve facilidade com Português. Já Isabela (branco) se esforça diariamente para superar os obstáculos e está conseguindo melhorar
Júlia (de preto) sempre teve facilidade com Português. Já Isabela (branco) se esforça diariamente para superar os obstáculos e está conseguindo melhorar

A prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias é a primeira do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que este ano será realizada no dia 4 de novembro. Ela é aplicada em conjunto com Ciências Humanas e suas Tecnologias (mais 45 perguntas) e Redação. O aluno tem cinco horas e meia para resolver tudo.

A Língua Portuguesa ainda "apavora" muita gente. Isabela Braga Polycarpo, de 21 anos, está superando seus obstáculos com a matéria. "Sempre tive mais dificuldade em Português, principalmente na área de interpretação. Foi no meu segundo ano de cursinho que comecei a pegar mais firme nessa área, resolvendo provas e lendo com maior frequência", conta.

Isso ajudou, mas ela, que faz cursinho no Kelvin, viu que não seria suficiente para entrar nas grandes faculdades - seu sonho é cursar medicina na Universidade de São Paulo (USP), mas também vai tentar outras faculdades como Famerp, Unesp e Unifesp. Todas utilizam o Enem como parte da nota. "Passei então a priorizar Português na minha grade de estudos, estudando uma hora de interpretação todos os dias, mais as outras matérias da área, como gramática e literatura."

A aluna sabe que sem interpretação é difícil resolver exercícios de outras disciplinas também, sobretudo no Enem. Ela estuda lendo notícias e os livros obrigatórios do vestibular da Fuvest, porta de entrada para a USP. Esse hábito colabora com a aquisição de vocabulário.

O professor Danilo Galhardo comenta que o Enem cobra a parte gramatical, mas sempre aplicada ao texto. O aluno precisa entender que a linguagem depende de vários fatores. "Do interlocutor, do contexto, do momento histórico, do gênero, do veículo. Tem que entender o que esta falando, para quem, em que momento histórico, a que gênero pertence o texto", orienta. A gramática vai contribuir com a prova toda. O professor diz que o melhor não é memorizar ou decorar as regras, mas sim entendê-las.

Já Júlia Lodetti Alves, de 20 anos, é aluna do Kelvin e sempre se saiu bem em Português. Ela pretende cursar medicina em alguma universidade pública. "Sempre tive facilidade em Humanas, principalmente em linguagens. Sou muito afeiçoada com a parte de literatura, interpretação de textos, mas também gosto muito de gramática."

Para ela, o estudo da disciplina é um prazer. "Todos os dias, no ritmo do cursinho, estudo a matéria do dia com um sistema de revisão. Tenho acompanhamento com psicólogo e a ajuda de família e amigos também."

Leitura

Fernando Marcarto Petean, o Fefo, também professor de Português, diz que é essencial ter um bom nível de leitura. "O que significa ter um vocabulário razoável. Precisa ter conhecimento de regras gramaticais, funções de linguagem, dos grandes autores, do Trovadorismo na Idade Média até a Modernidade."

O hábito deve ser alimentado diariamente e auxilia também na redação. "Que exige coerência, clareza, concisão, elegância, domínio das normas gramaticais e isso tudo advém de leituras no decorrer da vida", completa Fefo.

O professor Danilo garante que não é apenas a quantidade de páginas lidas que conta: é preciso aliar isso à variedade. "É importante que leia de tudo, que tenha contato com propaganda, anúncio, poema, charge, crônica, artigo de opinião, notícia, receita."

Ler colabora também na concentração para ler os extensos enunciados do Enem.

Eu Chego Lá

Jaqueline Silva dos Anjos, 18 anos, é uma das alunas acompanhadas pela série do Diário "Eu Chego Lá". Ela vai prestar o Enem para tentar uma bolsa em nutrição na Unirp ou uma vaga em engenharia de alimentos na Unesp.

Nesta semana, saiu o resultado do Prouni e ela conseguiu uma bolsa na Unirp no curso que queria. "Não vou cursar ainda, vou deixar para tentar a Unesp e o Prouni novamente no final do ano", decidiu a estudante.

Neste mês ela está de férias dos cursinhos Vitoriano e Carolina Maria de Jesus, mas vai fazer um curso extra de química. "Na próxima semana pretendo voltar aos estudos e me dedicar à área de ciências da natureza, até mesmo para conseguir aproveitar mais o curso de química", diz.

Pedro Sotelo Calvo, 17 anos, do Kelvin, também é acompanhado pelo "Eu Chego Lá" e quer fazer engenharia mecatrônica na USP ou na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Ele também vai intercalar estudos com descanso nas férias. "A próxima semana vou usar para tirar matéria atrasada, estudar outras que precisava reforçar e aproveitar para fazer redações com os temas mais voltados para Fuvest."

Diário do Pedro

Mara Sousa 18/5/2018 Pedro - aluno do Kelvin
Pedro - aluno do Kelvin

No final de semestre, depois de uma rotina de estudos cansativa, a cabeça de muitas pessoas acaba ficando muito cheia, então não absorve todo o conhecimento. Domingo usei para acabar de estudar a matéria de sábado e, ao longo da semana, fui descansando, sempre que podia, uma ou duas horas por dia eu acabava tomando para ler O Cortiço, que é um dos livros da Fuvest.

Pedro Sotelo Calvo, 18 anos

 

Diário da Jaque

Mara Sousa 19/5/2018 Jaqueline Silva dos Anjos - Enem - Escola Oscar de Barros Serra Doria
Jaqueline Silva dos Anjos - Enem - Escola Oscar de Barros Serra Doria

Nesta quinzena estou me dedicando à área de ciências humanas, com enfoque especial aos movimentos que criaram e desenvolveram os direitos humanos no mundo. Até o momento já estudei as revoluções inglesa, francesa e industrial; um pouco de Era Vargas e Fordismo. Sempre intercalando os estudos teóricos com a resolução de exercícios sobre os temas.

Jaqueline Silva dos Anjos, 18 anos

 

Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias

Pontos importantes

  • É importante que o aluno leia bastante e diariamente, buscando sempre ter contato com os mais variados gêneros
  • Saiba que a linguagem depende de vários fatores: quem está falando, qual o receptor, em que momento histórico
  • O Enem é uma prova bastante interpretativa. As questões gramaticais estão sempre relacionadas ao texto
  • Linguagem não é só texto. Fotografias, imagens, cores, símbolos e outros elementos também devem ser interpretados

O que vale a pena estudar

  • Variação linguística, neologismo, gírias; estrangeirismos; empréstimos linguísticos; níveis de linguagem e seu uso; diferença entre denotação e conotação (uso literal e uso figurado das palavras)
  • Romantismo, Realismo, Modernismo, Barroco e Classicismo

Fontes: Danilo Galhardo e Fernando Marcarto Petean (Fefo), professores do Kelvin

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso