Diário da Região

    • -
    • máx min
11/06/2018 - 18h43min

Dançando alto

Rio-pretense é a nova bailarina da companhia Deborah Colker

Rio-pretense Isabella Accorsi é a nova bailarina da companhia Deborah Colker, que venceu o Benois de la Dance 2018, em Moscou, considerado o Oscar da dança contemporânea

Mara Sousa 11/6/2018 Com apenas 18 anos, rio-pretense integra a companhia aclamada por público e crítica
Com apenas 18 anos, rio-pretense integra a companhia aclamada por público e crítica

A bailarina de Rio Preto Isabella Accorsi vive o melhor momento da carreira. A jovem de 18 anos integra o elenco do espetáculo Cão Sem Plumas, que rendeu a dançarina e coreógrafa Deborah Colker, o Prix Benois de la Danse 2018, considerado o Oscar da dança, na categoria melhor coreografia, disputado com nomes como o alemão Marco Goecke e o norte-americano John Neumeier.

A diretora da Deborah Colker Cia. de Dança, no Rio de Janeiro, faturou o prêmio no último dia 5, no Teatro Bolshoi, em Moscou, na Rússia. Esta foi a primeira vez que um coreógrafo brasileiro é premiado no Benois, que foi criado em 1992. Na ocasião, a coreógrafa disse que foi o primeiro gol do Brasil na Rússia.

O espetáculo Cão sem Plumas é inspirado no poema homônimo do poeta pernambucano João Cabral de Melo Neto, publicado em 1950. No palco, Isabella Accorsi e mais 13 bailarinos fazem uma homenagem ao rio Capibaribe, que corre por Pernambuco. Os bailarinos se cobrem de lama e fazem referência às imagens que são descritas no poema.

A montagem acompanha o percurso do rio Capibaribe, que corta boa parte do estado, e mostra a pobreza da população ribeirinha, o descaso das elites e a vida no mangue, de força invencível e anônima. Cenas de um filme realizado por Deborah e Cláudio Assis são projetadas no fundo do palco e dialogam com os corpos dos bailarinos.

O trabalho está em turnê por cidades brasileiras. Neste terça-feira, 12, o espetáculo fará uma performance no Theatro Pedro II, de Ribeirão Preto. Já na quinta-feira, 14, o espetáculo será apresentado em Minas Gerais, no teatro municipal de Uberlândia. A agenda continua, em junho, em Campo Grande e Cuiabá.

Cão sem Plumas estreou junho do ano passado, no Teatro Guararapes, em Recife. No entanto, a estreia da rio-pretense foi no mês passado durante uma turnê pelo sul do Brasil, que incluiu cidades como Foz do Iguaçu, Pelotas, Toledo, Porto Alegre e Cascavel. No final de maio, a produção abriu o Festival Internacional de Dança H2K, no Rio de Janeiro. Em outubro, o grupo embarcará com o espetáculo para os Estados Unidos.

Isabella Accorsi é a bailarina mais jovem do elenco. "Eu sou a mascote da companhia. O mais novo depois de mim tem 23 anos", afirma. A rio-pretense assinou contrato com o grupo em maio deste ano. "Estou aprendendo muito. Está sendo uma experiência maravilhosa", revela.

Antes de ser efetivada na Deborah Colker Cia. de Dança, a jovem estudou durante o ano de 2017 no Centro de Movimento Deborah Colker, localizado em um prédio no mesmo terreno do barracão da companhia, no Rio de Janeiro, por meio de uma bolsa de estudos, após ficar em primeiro lugar em um concurso feito pela escola, em que disputou a vaga com bailarinos de todo o Brasil.

Durante os 365 dias, a rio-pretense conta que dedicou 24 horas do dia em aprender tudo sobre a dança. No local, os alunos são incentivados a aflorar o lado artístico. "Eu fiz aulas de circo, balé clássico, dança contemporânea, jazz, entre outras. Fazia o terceiro colegial na parte da manhã, almoçava rapidinho e ficava na escola das 13h às 22h."

Paralelo às aulas no centro de movimento e na escola, a rio-pretense ainda conseguiu se dedicar a formatação de um duo de dança coreografado por ela e Jeferson Pereira, com coordenação do ex-bailarino da Deborah Colker Cia. de Dança, Uátila Coutinho, que também começou a carreira em Rio Preto.

Durante a apresentação final dos trabalhos, veio o reconhecimento. Deborah Colker viu Isabella dançar e a convidou para estagiar na companhia em 2018. Em janeiro, a jovem estava atuando como assistente de um curso de férias, na parte da manhã, e conciliava, a noite, com as aulas de um curso de férias de dança contemporânea, baseado na linguagem da companhia, em que era repassado o repertório. No final da segunda atividade, durante a apresentação final, Deborah reforçou o convite e a jovem iniciou o estágio em fevereiro.

Logo no início, a rio-pretense se dedicou as aulas de balé clássico, que é considerado importante para a formação do corpo e eficiência do bailarino. Ela fazia duas aulas por dia, entre os ensaios dos espetáculos, sendo que uma das atividades, de balé clássico avançado, era coordenada por Nora Esteves, a primeira bailarina, coreógrafa e professora do Theatro Municipal do Rio. E, com a saída de uma bailarina do elenco, a jovem foi efetivada no grupo em maio deste ano.

Bailarina estudou dança nos EUA

Isabella Accorsi afirma que, desde que chegou ao Rio de Janeiro, aproveitou todas as oportunidades para aprender tudo sobre dança. "Me dediquei para chegar onde estou e foi muito rápido. Estou realizando um sonho de dançar profissionalmente. Desde que cheguei lá, estou crescendo muito. É muito raro na minha idade pisar no palco de uma companhia tão conceituada. Os integrantes tem uma bagagem grande e estão me inspirando muito. A própria Deborah está lá todos dias e nos incentiva a buscar a perfeição."

Paralelo às apresentações do espetáculo Cão sem Plumas, Isabella está ensaiando para reestrear, em setembro deste ano, o espetáculo Nó.

A bailarina começou a carreira em Rio Preto. Isabella teve o primeiro contato com a dança aos seis anos, quando começou a ter aula de balé clássico no Colégio Santo André, com a professora Carolina Campos. Dos 9 aos 11 anos, ela integrou a extinta Cia. Jovem do Balé de Rio Preto e logo seguiu para o CRD Isadora Duncan.

Isabella também integrou a unidade brasileira da Escola do Teatro Balé Bolshoi. Com 13 anos, morou durante seis meses em Joinville, Santa Catarina. No retorno a Rio Preto, passou a fazer aulas na Academia Movimento, com as professoras Camila Bortoleto e Viviane Hernandez.

A rio-pretense também integrou o núcleo de elite da Plataforma Municipal de Dança, projeto coordenado pela Virtual Cia. da Dança. Quando tinha 16 anos, ela estudou na academia de dança American Academy of Ballet, em Nova York, coordenada pelo diretor Laurance Kaplan, quando conquistou uma bolsa de estudos para um curso de verão.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso