Diário da Região

06/05/2018 - 00h00min

SEUS FILHOS

Pais, desliguem o celular e brinquem!

Hoje as crianças precisam competir a atenção dos seus pais com as redes sociais e com as mensagens instantâneas que não param de chegar

Fotos: Fernanda Monteiro/Divulgação Fernanda Monteiro
Fernanda Monteiro

A terapeuta ocupacional, empreendedora e mãe Fernanda Monteiro, que tem uma longa experiência com crianças no desenvolvimento neuropsicomotor na primeira infância, esteve em Rio Preto, no último sábado, dia 5, na escola Infantários do Sonhos, para um bate papo com pais e educadores sobre o quanto é simples, prático e eficaz estimularmos nossos filhos. "Com os educadores, conversaremos sobre a importância de resgatamos o lúdico para que a criança aprenda de forma prazerosa e com qualidade. A importância do afeto e da conduta também no processo de ensino e aprendizagem", destaca a especialista que há mais de 13 anos, trabalha com estimulação infantil. Desenvolveu o método BRINC e publicou o livro Super Gênios: cinco pilares da estimulação infantil capazes de gerar pessoas extraordinárias.

Revista Bem-Estar: Por que o título Super Gênios? O que você quer dizer para o sociedade e todos os pais com ele?

Fernanda Monteiro: O título foi uma provocação. Queremos mostrar que o super gênio não é a criança melhor ou que se destaca das outras crianças. É a criança que consegue, devido ao ambiente acolhedor, afetivo e com qualidade de estímulos, se desenvolver adequadamente com respeito aos seus próprios limites. Todos os bebês e crianças têm suas potencialidades. Algumas desenvolvem mais cedo outras um pouquinho mais tarde. Tem crianças que tem mais facilidade em algumas áreas que outras. Hoje o que vemos é uma corrida para que as crianças sejam as melhores, e muitas vezes o ritmo e as habilidades que a criança apresenta não são respeitadas. Porque a exigência social, de ter que ser sempre o melhor, atropela as características de cada uma.

Revista Bem-Estar: Quais são os 5 pilares do desenvolvimento infantil? Você poderia falar um pouquinho de cada um deles?

Fernanda Monteiro: Os pilares para o desenvolvimento infantil saudável, descrevi como o método BRINC. O primeiro é o Brincar. É a maneira como a criança, conhece e aprende sobre mundo, as outras pessoas e a si mesma. É a maneira dela conhecer as coisas, as reações de suas ações, os seus movimentos, os seus sentimentos e o do outro. É como tudo ao seu redor funciona. Osegundo é a Relação, a ligação afetiva, na qual abordamos a importância do vínculo afetivo entre a criança e seus pais, ou um adulto que seja uma referência de carinho para a criança. É por meio dessa relação carinhosa, que o bebê e a criança irão desenvolver suas habilidades sócio emocionais, criar confiança e fortalecer autoestima, e o sentimento de segurança, que o incentivará a conhecer e desbravar o mundo. A Interação é a ação reciproca entre pais e filhos.

É a realização de atividades na companhia do outro, com afeto, respeito e atenção. A interação fortalece a relação, e traz uma grande aproximação e confiança entre os pais e filhos. O Neurodesenvolvimento é como a estrutura cerebral se desenvolve na primeira infância. Demonstra como ocorre a aquisição de habilidades do bebê e da criança pelo resultado da combinação de fatores genéticos/fisiológicos e principalmente das experiências proporcionadas pelo ambiente e por último a Conduta, que faz parte do processo de estimulação, auxiliando na construção da saúde emocional, composta por: limite e regras, rotina diária e sobre a importância de incentivar a independência e autonomia da criança.

Revista Bem-Estar: Na era digital e os pais cada vez mais sem tempo, como fica o desenvolvimento das crianças?

Fernanda Monteiro: Hoje todo mundo corre, todo mundo tem pressa, mas acredito que o importante não é a quantidade, mas a qualidade do tempo que os pais têm com seus filhos. Todos precisam trabalhar para dar o melhor aos seus filhos, e acabam deixando de oferecer o que realmente importa: o olhar e a atenção. O amor existe nas famílias, mas muitas vezes não se tem tempo de demonstrar, ou demonstra-se apenas com presentes.

Revista Bem-Estar: As crianças nascem tecnológicas ou são os pais que causam danos ao “distrair” seus filhos com tecnologia?

Fernanda Monteiro: A tecnologia tem nos proporcionado avanços em praticamente todas as áreas da nossa vida. Nos traz informações valiosas e importantes, mas p que os pais precisam estar atentos são nas mudanças comportamentais e novo estilo de vida que seus filhos têm sido criados. Tablet e celular estão sendo oferecidos cada vez mais cedo para as crianças. Bebes de poucos meses passam o dia assistindo filmes e músicas educativos. É assustador, se observarmos o número de crianças com o celular na mão nos restaurantes. Uma pesquisa da AVG Technologies, diz que 57% das crianças de até cinco anos sabem usar aplicativos em smartphones, mas somente 14% sabem amarrar os sapatos. Acredito que seja hora de revermos o papel da tecnologia na vida de nossos filhos.

Revista Bem-Estar: Quando o assunto é educação infantil, qual os aspectos mais preocupantes no momento?

Fernanda Monteiro: Quando falamos em educação infantil, precisamos entender que a educação começa em casa. Respeito ao próximo, às regras, para que seja estendido às outras esferas da sociedade. Que para a criança pintar, desenhar, aprender as cores, as formas, as letras, ela precisa ter esse incentivo em casa desde seu nascimento, com brincadeiras e exploração. E que ela só irá aprender a falar se seus pais conversam com ela. O ponto importante a ser revisto, é a ocupação do tempo por atividades 100% dirigidas e estruturadas tanto na escola quanto em casa. O que traz conhecimento e aprendizagem para a criança, não é a quantidade de informações, e sim a qualidade das experiências que ela vivencia.

Por isso a criança precisa ter seu tempo, para brincar e explorar, descobrir o que fazer, inventar e criar atividades. Errar, tentar de novo. A estimulação não é e não deve ter um roteiro para que seja eficiente. Essa falsa ideia de que quanto mais a criança está ocupada ou é direcionada por um adulto especialista mais ela aprender, precisa ser revista. Forçar uma habilidade antes da anterior não funciona. Precisamos retomar a liberdade da criança para experimentar, para inventar e se divertir como ela quiser. Respeitar seu tempo e suas características. E entender que é isso que fará a criança se desenvolver, aprender e adquirir suas capacidades.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso