Diário da Região

14/05/2018 - 22h29min

Matrimônio

Resolução que permite casamentos gays completa 5 anos com 173 uniões

Resolução do CNJ que formaliza o casamento homoafetivo no Brasil completa cinco anos. Nesse período, 173 casais gays casaram em Rio Preto, 44 só no ano passado

Reprodução / Facebook Ao lado, os atores Guilherme Hernandes e João Darte; abaixo, Gilmar Alves dos Santos e Marcell Sant'anna Camacho de Oliveira durante o casamento, em novembro de 2014
Ao lado, os atores Guilherme Hernandes e João Darte; abaixo, Gilmar Alves dos Santos e Marcell Sant'anna Camacho de Oliveira durante o casamento, em novembro de 2014

Uma das principais bandeiras do movimento LGBT em todo o mundo, o direito ao casamento homoafetivo completou cinco anos no Brasil nesta segunda-feira, dia 14. Em Rio Preto, desde a resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), aprovada em maio de 2013, foram formalizadas 173 uniões. O levantamento é da Arpen.SP (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo).

Entre 2015 e 2017, o número de casamentos homoafetivos avançou consecutivamente. O ano passado foi o período em que mais ocorreu casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo. Foram 44, um crescimento de 57%, em relação ao primeiro ano em que a resolução passou a garantir o direito. Com a resolução, tabeliães e juízes ficaram proibidos de se recusar a registrar a união.

O biomédico Marcell Sant'anna Camacho de Oliveira, 28 anos, se casou com o cabeleireiro Gilmar Alves dos Santos, 36 anos, em novembro de 2014. Marcell conta que ficou surpreso em como o processo é rápido e simples. "Foi um progresso muito grande. Nos deu a sensação de igualdade e respeito, sentimos isso no cartório, ninguém fez diferença."

O relacionamento deles seguiu a tradição, desde o pedido romântico de "quer casar comigo?", acompanhado de assinatura no cartório, festa e lua de mel em Cancún. Os dois se conheceram em uma festa em Ribeirão Preto, em 2012. Marcell morava em Rio Preto e Gilmar, em Catanduva. Por quase dois anos mantiveram um namoro a distância, até que veio o pedido. Era dia dos namorados, Gilmar tomou a iniciativa: durante o jantar entregou uma caixinha de bombons ao biomédico, no interior da caixa havia uma foto do casal em forma de coração e a famosa frase. Em seguida a garçonete entregou um buquê de flores e Gilmar, as alianças.

A resposta não poderia ser outra: sim. "Foi a realização de um sonho. Não imaginei que ele fosse fazer isso ainda mais num restaurante. Havia uns 12 casais héteros e os que estavam mais próximos nos parabenizaram", conta Marcell.

O ator e produtor João Darte, 30 anos, e o ator Guilherme Hernandes, 34 anos, se conheceram em 2006 pela internet. Começaram a conversar pelo MSN, programa de mensagens instantâneas. Dois anos depois foram morar juntos. No mesmo ano que a legislação brasileira permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo, eles decidiram oficializar a união.

Para o casal, o direito adquirido representa um passo "muito grande" tanto para os casais homoafetivos individualmente, como para o avanço dos direitos. "Foi um avanço que chegou bem atrasado. É até banal a gente ter que lutar para ter esses direitos no século 21. A gente sempre recorda que para ter esses direitos adquiridos muito casal homoafetivo apanhou, muito gay morreu na rua. Teve bastante gente que sofreu para a gente ter esses direitos", diz João.

O preconceito e a falta de conhecimento da realidade LGBT perpetuam esteriótipos sobre o relacionamento homoafetivo. Os casos, segundo João, são velados e a cada dia menos frequentes. "Preconceito sempre existe, nada muito escancarado, que alguém fale diretamente. Mas às vezes a gente percebe um olhar, um comentário ou outro. Não é tão frequente, acho que por sermos independentes, social e financeiramente."

O companheiro dele, Guilherme, diz que além dos direitos, o contrato também concede aos casais homoafetivos o reconhecimento social da união. "As pessoas criam muito problema onde não tem. Para gente sempre foi muito normal. Inclusive quando saiu a resolução a gente já morava junto, foi só uma forma de colocar no papel. A gente ganha outros direitos que qualquer outro casal tem. É até esquisito falar que a gente ganhou direitos, ou seja, esses direitos que qualquer um tem que ter."

Casamentos gays

  • 2013 - 28
  • 2014 - 25
  • 2015 - 25
  • 2016 - 39
  • 2017 - 44
  • 2018* - 12
  • Total - 173

*2018 até 10 de maio

Fonte: Arpen - SP (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso