Diário da Região

11/05/2018 - 00h30min

Nasa

Região adota tecnologia de ponta contra as queimadas

Sistema de monitoramento do grupo Tereos agiliza a descoberta de incêndios em canaviais por meio de 13 satélites, incluindo um operado pela agência espacial dos Estados Unidos

Guilherme Baffi 10/5/2018 Central de monitoramento de incêndios: sistema recebe informações de satélites e aponta locais com queimadas
Central de monitoramento de incêndios: sistema recebe informações de satélites e aponta locais com queimadas

Depois de arcar com prejuízo de R$ 5 milhões com queimadas nas lavouras de cana-de-açúcar em 2017, o grupo Tereos Açúcar & Energia Brasil, detentor da marca Guarani e gestor de quatro usinas da região, investiu em sistema de monitoramento de incêndios que usa 13 satélites, um deles operado pela Nasa.

Ao custo de R$ 1 milhão, a plataforma GMG Ambiental, desenvolvida em Rio Preto, vigia 24 horas por dia os 120 mil hectares de canaviais nas sete unidades no Estado do grupo com o objetivo de detectar focos de incêndios. As usinas ficam em Olímpia, Guaraci, Severínia, Tanabi, Pitangueiras, Colina e Guaíra.

O sistema Orion (sigla para Observed Remote Information from Orbital Navigation) utiliza satélites operados por agências privadas e governamentais. Do espaço, por meio de ondas de calor emitidas, encaminha os alertas para a Central de Controle na unidade industrial Cruz Alta, em Olímpia, e também para uma central em Rio Preto. Com informações sobre a direção do vento e a melhor rota para chegar ao ponto que está em chamas, a central já aciona a equipe de combate a incêndio mais próxima.

Trabalho que, segundo o diretor-executivo da GMG Ambiental, Rupen Grisi Kuyumjian, reduz consideravelmente a proporção da queimada descontrolada. Um foco de incêndio, que levaria horas para ser identificado e combatido, pode ser controlado na metade do tempo. "A localização precisa facilita a logística das ações de combate, diminuindo em 50% o tempo com o deslocamento dos caminhões e os brigadistas mais próximos."

Rapidez que o diretor de sustentabilidade da empresa, Edilberto Bannwart, afirmou que deve ser cada vez maior. "O objetivo é aprimorar essa tecnologia para termos a melhor resposta a esses incêndios causados de forma irregular." Até 2014, até multinacionais do setor sucroenergético ainda usavam o fogo para queimar a palha da cana-de-açúcar antes da colheita. Mas de lá para cá, as usinas substituíram a prática pela colheita mecanizada.

As licenças ambientais para as queimadas, até então emitidas pela Cetesb, foram restringidas. Isso porque, desde 2002, há lei estadual para eliminação gradativa da queima. Desta forma, as queimadas encontradas em canaviais atualmente são consideradas irregulares. "O que acontece hoje são incêndios que não estão planejados, de forma acidental (ou intencional) e sem controle", disse o diretor.

Segundo Bannwart, as principais queimadas constatadas poderiam ser evitadas. Incêndios que começam nas vegetações próximas às rodovias e estradas e depois passam para os canaviais. "Provocadas por bituca de cigarro, pessoas que queimam lixos próximos aos canaviais ou aos pastos, fogo na beira do rio que vai fagulha para a plantação."

Para combater essas práticas, as empresas tentam conscientizar a comunidade sobre os prejuízos ambientais. "Vão além do financeiro. Temos também perdas ambientais (vegetação e animais) e para as pessoas que estão ao redor dessas queimadas", afirmou o diretor.

Segundo o tenente Alexandre Neto, dos Bombeiros, os responsáveis pelas propriedades não podem deixar de cumprir as exigências para evitar os incêndios. Entre as orientações estão a manutenção dos aceiros - recuo sem vegetação de no mínimo seis metros entre a estrada e a plantação - e não atear fogo em lixo ou em vegetação seca. "A fagulha do bambu, por exemplo, consegue pular o aceiro e atingir a vegetação vizinha", afirmou o tenente. "Não há vantagem nenhuma em usar fogo para limpar terreno", complementou.

Multa de R$ 1 mil por hectare

Quem for pego ateando fogo é punido pela polícia, segundo o capitão da Polícia Ambiental Alessandro Daleck. "Pedimos para quem ver cidadão colocando fogo que anote a placa do veículo e chame a Polícia Ambiental", afirmou. A multa é de R$ 1 mil por hectare queimado. Já para vegetação nativa ou de preservação permanente aumenta para R$ 7,5 mil por hectare. "Vai depender também do estágio da vegetação", acrescentou Daleck.

O capitão ressaltou também os prejuízos causados no ambiente pelas queimadas sem controle. "Prejudica principalmente a qualidade do ar. O material particulado emitido em dias com grande quantidade de queimadas deixa o ar de Rio Preto pior do que o de Cubatão (região pólo de indústrias pesadas), segundo medições da Cetesb." O telefone da Polícia Ambiental para denúncia é o (17) 3201-3600. O sigilo é garantido pela central de atendimento. (FP)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso