Diário da Região

17/04/2018 - 00h30min

Mobilidade Urbana

Obras somam 1.306 dias de trabalho extra

Esse é o tempo além do previsto para o novo terminal, os corredores de ônibus e viaduto

À esquerda, obras dos corredores e placa que previa inauguração em março do ano passado; à direita, Central Parque, que seria entregue em novembro de 2016
À esquerda, obras dos corredores e placa que previa inauguração em março do ano passado; à direita, Central Parque, que seria entregue em novembro de 2016

Três da principais obras de Rio Preto acumularam até março deste ano 1.306 dias de trabalho a mais do que o previsto pelos prazos iniciais.

A construção do novo Terminal Urbano é a mais emperrada. A conclusão do projeto está há um ano e quatro meses atrasada - 485 dias. Já as obras dos nove corredores de ônibus e do viaduto João Mesquita acumularam até o mês passado 820 dias de serviços extras. Dessas, apenas o viaduto não continua somando dias extras de trabalho, pois foi entregue neste sábado, 14.

Iniciado em novembro de 2015, o novo terminal, chamado de Central Parque, deveria ter sido entregue em 16 de novembro de 2016. Esta é a data que está na placa no canteiro de obras. Além da resistência de ambientalistas, por conta da derrubada de árvores centenárias do local, o projeto foi parado por surpresas, como redes de água e esgoto e tubulações com fiação da CPFL, e segue emperrado por problemas que, segundo a Secretaria de Obras, até hoje não têm solução.

Os percalços elevaram os R$ 47,7 milhões iniciais do projeto para R$ 57,5 milhões. E a obra pode ficar ainda mais cara. "Estamos em fase de reprogramação da obra", afirmou o secretário Sérgio Issas. "Por serviços que foram esquecidos na licitação", disse o secretário em referência à dificuldade dos ônibus que descem pela avenida Alberto Andaló chegarem até o novo terminal. "O viaduto Abreu Sodré não comporta os veículos normais mais os ônibus, que teriam que passar ali para chegar no novo terminal como previsto", afirmou.

Em segundo lugar como mais atrasada, estava a obra do viaduto João Mesquita, também incluída no projeto de mobilidade urbana. A construção iniciou em junho de 2016, ao custo de R$ 7,6 milhões, e deveria ter sido concluída um dia antes do Natal daquele mesmo ano. Com 455 dias de atraso e R$ 1 milhão mais cara, por problemas com a rede de esgoto não apontados pelo projeto inicial, a obra foi inaugurada no último sábado.

As obras dos nove corredores de ônibus, que cortam ao menos 15 ruas e avenidas da cidade, também acumulam atrasos. A execução do projeto iniciou em setembro de 2016. Pela previsão da placa de obras, os corredores deveriam ter ficado prontos sete meses depois, em 27 de março do ano passado. "Prazo inviável para concluir 42 quilômetros de corredores e mais 84 quilômetros de passeio público", disse Issas.

Também financiada pela Caixa Econômica Federal, as obras já estão orçadas em R$ 63,7 milhões. Cerca de R$ 10 milhões desse valor foram de prejuízos com serviços de recapeamento que estão sendo refeitos. O pavimento de acordo com o projeto ficou acima do nível da calçada e criou valetas por onde passou. "Nós não aumentamos nada, só não podia continuar uma obra errada", disse o secretário.

A Secretaria de Obras joga os impasses na responsabilidade da empresa ATP Engenharia e na gestão do ex-prefeito Valdomiro Lopes. "A empresa que elaborou os projetos deveria ter buscado informações para a Prefeitura. Tudo foi muito moroso. Nós pegamos a pasta para reiterar dos problemas porque quem tocava as obras já não estava mais aqui."

Prejuízos

O atraso também causa prejuízo a moradores e comerciantes. Na avenida Bady Bassitt há oito anos, a empresária Patricia Padovez, de 45 anos anos, lamentou a demora - que também ocorreu pelas obras dos canais antienchente. "Eu ainda permaneci porque o dono do imóvel reduziu o valor do aluguel. Ele entendeu e eu não fui embora como muitos comerciantes foram." Segundo a empresária, as enchentes e as longas obras estigmatizaram o local como avenida do problema.

Os comerciantes reclamam ainda de não serem informados sobre o que vai acontecer. "O cara que estava recapeando que me contou, também não estava sabendo", disse o comerciante Gustavo Storti, de 35 anos.

Transtornos que provou a paciência de quem já recebeu as equipes na porta do comércio. "Chegaram ontem (quarta-feira, 11) de supetão, não pediram autorização, nem nada, começaram sem nenhum aviso," disse Paulo Rogério Capelenes, de 42 anos, funcionário de uma loja de carros da Bernardino de Campos, onde as obras da calçada já estão em andamento.

Valdomiro rebate

Procurada pela reportagem, a assessoria do ex-prefeito Valdomiro Lopes afirmou que os projetos licitados nao têm erros. "Se atrasaram as obras é porque diminuíram o ritmo ou quiseram parar", afirmou a comunicação. O Diário também entrou em contato com o escritório da ATP Engenharia, encaminhou e-mail ao responsável, mas não obteve retorno.

Veja vídeo com o secretário de Planejamento de Rio Preto, Israel Cestari.

'Erros do começo ao fim'

"Esse projeto teve erro do começo ao fim". A frase é do secretário de Planejamento de Rio Preto, Israel Cestari, sobre a construção da Estação Central Parque ao admitir que técnicos da Prefeitura ainda não sabem como os ônibus da região Sul vão chegar até o novo terminal de ônibus - onde era a antiga praça Cívica. A obra vai custar aos cofres públicos aproximadamente R$ 58 milhões.

A promessa é de que a obra, que foi iniciada em 2015, ainda durante a gestão do ex-prefeito Valdomiro Lopes, seja entregue até dezembro deste ano. Uma das alternativas avaliadas pelo prefeito Edinho Araújo é alterar o projeto original e usar o atual terminal para receber os ônibus da região Sul do município.

"Estamos fazendo estudo para viabilizar parte do terminal antigo. Talvez vamos interligar tudo com uma passarela", afirmou Cestari. "Temos ideias, mas não uma solução definitiva".

Uma das propostas analisadas pelo atual governo é o alargamento do viaduto Abreu Sodré, que interliga a avenida Alberto Andaló à avenida Philadelpho Gouvea Neto. De acordo com o secretário, porém, um dos entraves é o custo desta intervenção, que seria "inviável" na sua opinião. "Não temos uma solução definitiva", disse Cestari.

Problemas

Desde que a obra foi iniciada pela empresa Constroeste com base em projeto elaborado pela empresa ATP Engenharia, de Recife, foram registrados problemas, como a existência de uma adutora do Semae que passava por baixa da obra. A Prefeitura afirma que não há erro na execução da obra por parte da Constroeste.

"O terminal em si, se a gente não refizesse todos os projetos, o terminal poderia cair. Tínhamos pilares com ferro a menor do que era necessário. A Prefeitura contratou uma empresa para fazer. Não temos técnicos de estrutura", afirmou o secretário de Planejamento. "Vamos ver se até o natal a gente inaugura".

 

Viaduto muda curso de seis linhas da Zona Norte

O viaduto exclusivo de ônibus, projetado para ligar a rua João Mesquita, no bairro Boa Vista, com o novo terminal, começa a funcionar neste sábado, 14. Pelo local deve passar seis linhas do transporte público que atendem a Zona Norte da cidade. Até nesta sexta-feira, 13, os ônibus passavam pelo miniterminal da rua Paul Harris, próximo ao supermercado Pastorinho.

As linhas do Jardim Maria Lúcia, Jardim Maria Lúcia (via Jardim Antunes), Jardim Antunes, Itapema Dom Lafaiete, Eldorado e Noturna Santo Antônio passarão a usar o viaduto tanto no sentido bairro-centro como no sentido contrário. Com a mudança, o retorno ao Centro, atualmente pela rua Prudente de Moraes, passará a ser feito pela João Mesquita.

Já a rua Pedro Amaral continuará sendo usada para esses ônibus acessarem a Cenobelino de Barros Serra. Depois de sair do viaduto, os veículos que vierem do terminal vão virar à esquerda na rua Boa Vista para chegar à Pedro Amaral. A expectativa da Secretaria de Trânsito, Transporte e Segurança é de que o tempo de cada rodada seja reduzido em função da liberação do viaduto.

Por nota, a Prefeitura afirmou que o prefeito Edinho Araújo e o secretário Marcos Apóstolos acompanham abertura do viaduto neste sábado, às 9h. O encontro será na praça Paul Harris, na esquina do Palestra Esporte Clube.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso