X

Diário da Região

31/03/2018 - 19h22min

Rei do gado

Investimento permite ser boiadeiro sem ter boi no pasto

Contratos futuros de boi gordo na BM&F Bovespa permitem o investimento tanto para quem é apenas especulador como para proteger o rebanho

"Cada pé desse café/Eu amarro um boi da minha invernada/E pra encerrar o assunto eu garanto/Que ainda me sobra uma boiada". Diferentemente do "Rei do Gado" de Tião Carreiro e Pardinho, dá para ser "fazendeiro" mesmo sem ter nenhum boi no pasto. Para isso, é preciso investir em contratos futuros de boi gordo na BM&F Bovespa. Mas, como na atividade rural, há riscos envolvidos nessa modalidade de investimento.

O investidor não precisa ter os animais na propriedade, já que o contrato negociado na Bolsa tem os valores baseados no indicador da arroba do boi Cepea/Esalq e, no vencimento, se pagam esses valores, além dos ajustes diários de mercado. Cada contrato equivale a 330 arrobas (a arroba pesa 15 quilos). O contrato é apenas por liquidação financeira.

Com a arroba a R$ 143,90 (cotação do dia 26), o contrato vai valer R$ 47.487, mas não é preciso investir todo esse dinheiro, e sim cerca de 5% do valor do contrato em garantia, que é para provar que o investidor tem como arcar com o prejuízo da operação, caso haja. "Esse percentual pode subir ou baixar de acordo com a volatilidade da arroba e a garantia pode ser em dinheiro, ações, CDB e títulos públicos", explicou Rodrigo Moraes Pinto, assessor de investimentos da RP Investimentos.

O ativo foi criado com o objetivo de evitar oscilações de preços, dessa forma o participante pode determinar o preço do boi antecipadamente. "Essa modalidade ajuda o produtor a proteger sua produção, embora a cultura dessa proteção ainda seja pequena no Brasil. Por outro lado, o especulador entra nesse mercado porque vê oportunidades", explica o assessor financeiro Maikel Jacob, da Jacob Capital.

De acordo com a BMF, o confinador, por exemplo, irá comprar, em maio, bois magros para engordá-los e vendê-los ao frigorífico em outubro. Para ele, os custos da aquisição do boi magro e de confinamento são conhecidos em maio, no momento da decisão pela engorda. No entanto, o preço de venda em outubro poderá comprometer os custos.

Para evitar o risco de queda dos preços, o pecuarista pode garantir, em maio, o preço de venda para outubro por meio do mercado futuro, segundo a BMF. O período de safra do mercado de boi gordo tem seu pico em maio. Nessa época do ano, há maior oferta de animais terminados (prontos para abate). O período de entressafra tem seu pico em outubro, pois, nessa época, a oferta é menor de animais terminados.

É preciso ficar claro que o Boi Gordo é uma commodity de renda variável, por isso há risco envolvido na aplicação. Daí não dá para se prever a rentabilidade. Para se ter uma ideia, nos últimos 12 meses, a cotação da arroba subiu de R$ 136,80 para R$ 145,02, segundo o Cepea/Esalq, o que representa alta de 6%. Nos últimos 30 dias, entretanto, houve queda de 1,37%, passando de R$ 145,90 para R$ 143,90.

Em geral, a volatilidade é baixa e os investidores se baseiam na diferença entre o preço do contrato futuro e o preço do boi no mercado físico, que são bem próximos. O lucro tem relação com o período de safra. Entre julho e setembro os preços caem em função do inverno. Para exemplificar como funciona o contrato: se o produtor pagou R$ 142 pelo valor da arroba e o mercado sobe a R$ 143, ele ganha R$ 1 por arroba. Agora, se o valor cai para 141, ele perde R$ 1 por arroba. Ou seja, o investidor não entrega boi, é uma questão de preço. Ele apenas recebe a diferença ou paga o prejuízo.

O contrato prevê a possibilidade de negociação com vencimentos mensais, com último dia de negociação e vencimento no último dia útil do mês de vencimento. A posição no mercado pode ser encerrada a qualquer momento. Para isso, a operação deve ser inversa, ou seja, deve ser comprado o mesmo número de contratos vendidos.

Modalidade é indicada para quem atua com pecuária

Arquivo pessoal O pecuarista Flávio Junqueira com o pai João Francisco: ele já fez operações no mercado futuro do boi
O pecuarista Flávio Junqueira com o pai João Francisco: ele já fez operações no mercado futuro do boi

A modalidade de investimento em mercado de contrato futuro de boi gordo é mais indicada para o pecuarista que comprou o animal e vai engordá-lo do que para o investidor, já que tem como objetivo a proteção às variáveis que incidem sobre a atividade produtiva. Outro exemplo: ele calcula o custo do R$ 140 por arroba e vende um contrato futuro no valor de R$ 145 já que o mercado está nesse valor. Dessa forma, prevê obter um lucro de R$ 5 por arroba.

Agora, se no vencimento do contrato o valor de mercado da arroba cai a R$ 130, ele ganha R$ 15 da BMF e vende para o frigorífico a R$ 130, o valor de mercado. "O produtor acabou vendendo o animal por R$ 130 a arroba, mas recebeu R$ 15 da Bolsa, então vendeu por R$ 145. É uma forma de se proteger das variáveis", explicou Rodrigo Moraes Pinto, assessor de investimentos da RP Investimentos.

O investidor também pode apostar na baixa do boi, o que representa operar no vendido. Se ele acredita que o valor da arroba vai cair, da mesma forma deposita a margem de garantia e, supondo que vende a R$ 145, e o boi cai R$ 1, ele ganha R$ 330. Ou seja, se aposta que a arroba vai cair, vende, se aposta que vai subir, compra. "Todos os dias, para cada contrato, recebe a diferença na conta ou paga a diferença", diz Maikel Jacob, assessor financeiro da Jacob Capital.

Segundo Jacob, o produtor faz o cálculo da seguinte forma: ele vai precisar de tantos anos para engordar X bois, o pessoal custa XX, o gasto de insumo é Y, o que vai representar um lucro de YY. "Faço a conta e vejo que está no positivo, monto a operação e vendo a futuro. Isso me garante hoje o preço lá na frente", disse. E quem vai comprar é alguém que vai precisar desse boi ou o investidor que aposta na alta da arroba.

O investimento precisa ser feito por meio de corretora de valores e a negociação acontece da mesma maneira que a negociação de ações. Há o custo da corretagem, que varia nas empresas, além de outras taxas e ainda a incidência do Imposto de Renda, que é de 15% sobre o lucro líquido do investidor.

Eventualmente

O produtor rural Flavio Junqueira conta que já fez algumas operações na Bolsa para proteger a atividade. A fazenda em Olímpia tem cerca de mil cabeças de gado de variadas raças, para corte. "Comecei a trabalhar com confinamento em 2014 e desde então fico de olho", diz.

Segundo ele, quando se trata de bom negócio, ele recorre à operação. "Tenho bois para terminar daqui a três meses e, para essa data, o valor está mais baixo, então não tem porquê", disse. Ele também, às vezes, faz contratos para o milho, insumo necessário à pecuária. "Ao invés de comprar fisicamente, tenho o preço garantido", explica.

Saiba mais sobre o assunto

O que é

  • O Boi Gordo é uma das principais commodities do País devido ao fato do Brasil ser um dos maiores exportadores de carne bovina do mundo
  • Com o intuito de evitar as oscilações dos preços, o participante pode determinar o preço do boi antecipadamente
  • O confinador, por exemplo, irá adquirir, em maio, bois magros para engordá-los e vendê-los em outubro. Para evitar os riscos de oscilações de preços há a possibilidade de garantir o preço por meio do mercado futuro
  • O contrato foi desenvolvido com o objetivo de ser uma ferramenta para a gestão do risco de oscilação de preço, sendo utilizado pelos participantes do mercado, como o produtor, empresas de corte, tradings, dentre outros
  • Para fixar os preços, o pecuarista deve conhecer o custo de produção. Ele deve programar quando irá vender os bois para que o vencimento escolhido para negociação na Bolsa coincida com a venda no mercado físico a fim de reduzir o risco de preço
  • Com essas informações, o produtor deve procurar uma corretora autorizada a negociar com a BM&FBovespa

Vantagens

  • Protege o produtor contra oscilações indesejadas de preço (hedge)
  • Eficiente contra o risco de base (diferença entre o preço à vista do produto e o preço futuro) evitando oscilações não esperadas
  • Possibilita alavancagem de posição
  • Transparência de preço nas negociações em plataforma eletrônica
  • Possibilita operações com derivativos de milho devido à alta correlação, uma vez que essa commodity é utilizada como insumo no desenvolvimento de bois magros
  • Baliza a tomada de decisão do tipo de produção entre confinamento e semiconfinamento, além de auxiliar o pecuarista a administrar com eficiência os riscos de reposição inadequada do gado após a safra

Cuidados

  • Disponibilidade de caixa para honrar os ajustes diários
  • Aporte de margem de garantia

Custo de produção

  • Base histórica entre a sua região e o preço do boi no estado de São Paulo
  • Sazonalidade do produto e da sua região para entender os componentes de enfraquecimento e fortalecimento da base
  • Variações climáticas
  • Descolamento dos custos dos insumos (milho, soja e sorgo)
  • Alterações nas relações de troca: boi gordo x boi magro; boi gordo x bezerro; boi gordo x milho

Características técnicas

  • Objeto de negociação: bovinos machos, com 16 arrobas líquidas ou mais de carcaça e idade
  • Tamanho do contrato: 330 arrobas líquidas
  • Cotação: reais por arroba líquida, com duas casas decimais
  • Lote padrão: um contrato
  • Liquidação no financiamento: financeira

Fonte - BMF/Bovespa

Cotação da arroba quase estável

Guilherme Baffi 3/10/2017 Mercado futuro é importante para que o pecuarista evite surpresas causadas por situações que fogem do seu controle
Mercado futuro é importante para que o pecuarista evite surpresas causadas por situações que fogem do seu controle

No mercado físico do boi gordo, os preços estão praticamente estáveis. De acordo com a Scot Consultoria, neste mês, houve queda de 0,7% no valor da arroba, em todas as praças pesquisadas pela empresa. "Estamos observando um certo equilíbrio entre oferta e demanda", explica Isabela Camargo, zootecnista e consultora de mercado da Scot.

A especialista explica que nos primeiros meses ocorre uma queda da procura, normal para o período, atribulado pelas contas de início de ano. Além disso, o final do ano é de maior aquecimento no setor em festas das festas. "A demanda continua enfraquecida e isso vem fazendo com que os frigoríficos usem estratégias para controlar essa queda." Já os pecuaristas estão optando por aguardar uma melhor posição em relação aos negócios."

Segundo Isabela, também vem colaborando para o cenário de preços em queda a maior oferta de fêmeas no mercado, mas não significa uma pressão de baixa. "Não existe uma tendência definida daqui para a frente. O que o pecuarista precisa é ficar atento se segura ou não o animal na pastagem, já que agora não tem mais tantas facilidades, em função da qualidade das pastagens", disse. Com a diminuição na capacidade da pastagem, pode ter aumento na oferta de gado e os preços podem cair.

Dessa forma, a especialista afirma que é fundamental que o pecuarista passe a usar o mercado futuro a seu favor. Não apenas como informação, mas que tenha conhecimento do custo e use o mecanismo para se proteger. "No ano passado, várias situações inesperadas interferiram no mercado do boi gordo e levaram à queda dos preços." Ele cita a operação Carne Fraca e a delação premiada do empresário Joesley Batista, da JBS, que passaram como um furacão sobre o mercado bovino nacional. (LM)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso