Diário da Região

05/03/2018 - 23h08min / Atualizado 05/03/2018 - 23h08min

POLÍTICA MONETÁRIA

Juros tendem a ficar em baixa, afirma Ilan

Banco Central diz estar tomando medidas para baixar taxas no mercado

Antonio Cruz/Agência Brasil Ilan Goldfajn:
Ilan Goldfajn: "Cidadão não percebe a queda de juros porque as taxas são altas e precisam cair mais"

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse nesta segunda-feira, 5, que a taxa de juros no Brasil tende a permanecer baixa, considerando a continuidade do cenário atual de inflação baixa. Citando a queda da Selic de 14,25% ao ano para os atuais 6,75% ao ano, acrescentou que o cidadão ainda não percebeu o impacto da redução na ponta porque as taxas de mercado, embora em diminuição, seguem ainda muito elevadas.

"O cidadão não percebe a queda de juros porque as taxas são altas e precisam cair mais", disse o presidente do BC em entrevista à Rádio CBN.

Ilan afirmou, no entanto, que o BC está tomando medidas para reduzir a taxa de juros no mercado. Ele citou como exemplos as medidas que a autarquia vem adotando com relação aos juros incidentes sobre a utilização do crédito rotativo do cartão de crédito e a implantação do Cadastro Positivo. "Estamos tomando medidas para a queda dos juros na ponta", afirmou o presidente do BC, para quem se taxa básica permanecer baixa e as incertezas em relação à economia continuarem a cair, as taxas de juros deverão diminuir na ponta.

Questionado sobre se a redução da Selic não vai afetar as taxas de administração dos fundos, o presidente do BC disse que o tema é da alçada da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas fez considerações gerais. "Eu acredito que se o Brasil for conviver com taxas como está hoje, de 6,75% por muito tempo, vamos ter quase que uma revolução no sistema financeiro. Nós nunca convivemos com taxas tão baixas no Brasil. Sempre foram dois dígitos", destacou, acrescentando que se o Brasil ficar por muito tempo com taxas menores, tudo vai ser revisto.

"As taxas bancárias, as taxas de administração dos fundos... tudo isso vai ter que ser revisto. O que nós podemos fazer com as medidas que eu comentei é acelerar estas mudanças. Em vez de demorar alguns anos, podemos tentar que demore um ano, um ano e meio", disse.

Focus

Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) para o fim de 2018 e de 2019. O Relatório de Mercado Focus trouxe que a mediana das previsões para a Selic este ano seguiu em 6,75% ao ano.

Há um mês, estava no mesmo patamar. Já a projeção para a Selic em 2019 seguiu em 8,00% ao ano. Há um mês, estava no mesmo nível.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso