X
X

Diário da Região

21/03/2018 - 22h25min / Atualizado 21/03/2018 - 22h25min

AGRONEGÓCIOS

Maior descarte de fêmeas amplia abate de bovinos

Reabertura de plantas frigoríficas ajudou no aumento de abates em 2017

Mara Sousa 6/4/2017 Brasil abateu 30,83 milhões de cabeças de bovinos durante 2017
Brasil abateu 30,83 milhões de cabeças de bovinos durante 2017

O maior descarte de fêmeas impulsionou o abate de bovinos no País em 2017 e levou ao primeiro crescimento do volume em três anos. A diversificação do mercado externo de carne bovina, com a reabertura de plantas frigoríficas ao longo do ano, também sustentou o aumento, assim como a queda dos preços da arroba, após a deflagração da Operação Carne Fraca, que não chegou, porém, a afetar significativamente as exportações do setor.

Na avicultura, os abates em 2017 foram marginalmente menores (-0,3%) ante 2016, o primeiro recuo em quatro anos. Entretanto, para a carne de aves, a investigação da Polícia Federal teve efeito mais significativo nas exportações, reduzindo os embarques.

Em 2017, o Brasil abateu 30,83 milhões de cabeças de bovinos sob algum tipo de inspeção sanitária, o equivalente a um aumento de 3,8% em relação a 2016, ou 1,13 milhão de cabeças a mais, segundo a Pesquisa Trimestral do Abate de Animais, divulgada nesta quarta-feira, 21,pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação ao abate de frangos, foram 5,84 bilhões de cabeças, uma queda de 0,3% em relação a 2016, que significa 18,54 milhões de cabeças a menos.

Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o volume de carne de frango exportado pelo Brasil no ano passado foi 1,4% menor do que o registrado em 2016, com 4,32 milhões de toneladas embarcadas. "O ano começou desafiador para o setor de proteína animal, com a Operação Carne Fraca e um cenário difícil para as exportações", diz o presidente executivo da ABPA, Francisco Turra, em nota.

Segundo a ABPA, o Brasil produziu 13,058 milhões de toneladas de carne de aves no ano passado, alta de 1,2% ante o ano anterior.

Na bovinocultura, pecuaristas enviaram um número maior de fêmeas para a linha de abate, depois que o preço do bezerro ficou menos atrativo.

A analista da Agrifatto Lygia Pimentel aponta que apenas o abate de vacas e novilhas cresceu 9% no ano. Ela lembra também que a margem bruta dos frigoríficos melhorou consideravelmente, com a queda do preço da arroba do boi gordo, logo após a Operação Carne Fraca, em março do ano passado.

O analista da Scot Consultoria Hyberville Neto confirma que a reabertura de novas plantas frigoríficas também colaborou com o movimento. Ele acredita que o ritmo dos abates de bovinos deve se manter forte neste primeiro trimestre de 2018.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso