Diário da Região

10/03/2018 - 00h30min / Atualizado 09/03/2018 - 19h18min

Quase setentão

Tony Ramos fala sobre personagem em Tempo de Amar e vida pessoal

Ator Tony Ramos fala sobre seu personagem em novela Tempo de Amar, vaidade e privacidade

João Miguel Junior/TV Globo Ator diz que na sua vida fora de casa continua sendo normal. Dentro de casa, ela não está aberta a visitação
Ator diz que na sua vida fora de casa continua sendo normal. Dentro de casa, ela não está aberta a visitação

Tony Ramos acredita ter cumprido sua missão na pele de José Augusto em 'Tempo de Amar', novela das 18h da Globo. Na reta final da trama de Alcides Nogueira, o ator enaltece a beleza da trama do pai que se redime com Maria Vitória (Vitória Strada), após tê-la separado da filha. O conservadorismo do personagem afastou os dois por um período, mas o perdão triunfou no fim.

Na entrevista a seguir, o ator, que completará 70 anos em agosto, comenta o caminho da redenção de José Augusto, o reencontro em cena com Regina Duarte e o talento de uma nova geração de atores presentes em 'Tempo de Amar'.

O que você achou dessa virada do personagem, que foi visto com um vilão no início, mas que se redimiu com a filha?

Tony Ramos - É muito interessante. Mas o que é um vilão de fato? Nós estamos muito acostumados ao psicopata. Eu fiz um em 'A Regra do Jogo'. O Zé Maria era um psicopata. Só tinha amor para os filhos, o resto passava batido. Então, era um vilão que se mascarava de um bom homem, mas era horroroso. Aqui, essa vilania aos olhos do público era: "Meu Deus! Como ele tem coragem de fazer isso com a própria filha?", mas esse é o raciocínio de hoje. Mamãe me dizia: "Filho, isso é triste, mas eu conheço, no mínimo, uns três casos destes". Quando ele começa a se dar conta do ato agressivo que fez, há uma virada. Então, isso mostra a contradição do próprio ser humano.

A cena do pato com a Lucerne foi ótima. Como vê esse reencontro com a Regina Duarte?

Ramos - Ela não sabia que este português não era um pato (risos). Aquela cena foi muito engraçada realmente. O reencontro com Regina dispensa qualquer comentário, porque ela é minha querida amiga, uma atriz que é um ícone da história da televisão brasileira. A nossa reunião foi de exercício de atores. Havia citações da própria 'Rainha da Sucata' (1990). Tinha ali uma metalinguagem do Alcides Nogueira que foi colaborador do Silvio de Abreu na novela. Nosso reencontro foi de muito humor. Nós não fizemos cenas duas vezes nunca. Ensaiávamos e saía de primeira, tamanha a nossa sintonia.

Em 'Tempo de Amar', você também contracenou com uma galera jovem. Qual a sua relação com eles?

Ramos - Minha relação é ótima! Quando me perguntam coisas respondo, mas nunca com um tom professoral. Às vezes, a pessoa tem uma dificuldade cênica naquele momento e me pergunta o que é melhor, mas só isso. De resto, é uma turma primorosa. Olha essa menina, a Vitória Strada! Ela não veio pra brincar não! Veio para ficar. A Olivia Torres, que faz a Tereza, fez cenas com Letícia (Sabatella) que comecei a me comover. Tem o Bruno Ferrari, com quem não tinha trabalhado anteriormente, mas claro que eu sabia da carreira dele. Ele estava na Record, voltou para a Globo e é um belíssimo ator, consciente, inteiro. O Bruno Cabrerizo também. Num capítulo recentemente encerrou com aqueles olhos enfrentando o Ferrari e você quer saber o que vai rolar no próximo porque tem dramaticidade. Tem também as meninas que fazem a Celina (Barbara França), a Olímpia (Sabrina Petraglia)...

Como você lida com o passar do tempo?

Ramos - Eu sou um senhor. A coisa que mais gosto é de assumir as minhas idades, porque nunca tive crise com elas. Não tive crise aos 30, 40, 50, 60, então não vou ter aos 70, porque sou muito grato a Deus. Sou um homem que foi criado numa família que minha mãe era separada de meu pai e você pode imaginar o que era ser separada no início dos anos 1960. Lá atrás, isso era um palavrão. Então, a minha mãe, uma mulher muito forte, lidou bem com isso, com minha avó e elas me educaram no sentido de que a vida é libertária, os homens é que a tornam proibitiva. Então, cresci assim, respeitando as mulheres, a vida e o tempo. Envelhecer é uma dádiva. Fico feliz em assistir à televisão, ver 'O Outro Lado do Paraíso' e olhar para Lima Duarte, Laura Cardoso, Fernanda Montenegro. Outro dia vi Ilva Niño, nossa grande atriz de teatro e televisão. É uma benção estarmos de pé trabalhando. Quando Laura (Cardoso) fez 90 anos, telefonei muito emocionado, porque eu comecei com ela e tem toda essa história de vida.

E como fica a vaidade?

Ramos - O fato de você não aparentar tal idade, não me faz negá-la. Eu não sou hipócrita e, às vezes, me olho fazendo a barba e vejo que realmente setentão não aparenta, mas sei que tenho. Não vou negar essa passagem do tempo, porém não complico pra viver. Faço meus exercícios, mas não por vaidade. Se tenho um bom tônus muscular é porque quero ficar com a saúde em dia. É muito simples a minha vida. Pode parecer, aos olhos de tantos, que não, por causa do glamour que a profissão exala, mas nunca vi glamour no meu ofício.

Ninguém invade a sua privacidade e isso é raro no meio artístico. Como explicar?

Ramos - Sim, ninguém invade a minha privacidade e sou muito grato. Mas isso é fruto de um acordo tácito entre a imprensa e eu. Nunca me furtei a nenhuma pergunta. Nunca compliquei essa relação com a imprensa, mas também nunca facultei publicamente o meu cotidiano a ninguém. Estou escondendo pessoas? Não. Saio com a minha mulher, com os meus netos. Quantas vezes os fotógrafos que ficam de plantão na rua, em shopping, me fotografaram com netos, mãe, sogra, com minha companheira, filhos. A minha vida fora de casa continua sendo normal. Dentro de casa, ela não está aberta a visitação pública. É isso.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso