Diário da Região

04/03/2018 - 14h47min / Atualizado 04/03/2018 - 14h47min

MUSICAL

Peter Pan traz efeitos especiais criados pela produção nacional

Mateus Ribeiro, no papel de Pan, realiza verdadeiras acrobacias áreas, como se não estivesse preso a cabo algum

Divulgação Ator Mateus Ribeiro faz um verdadeiro balé aéreo como Peter Pan
Ator Mateus Ribeiro faz um verdadeiro balé aéreo como Peter Pan

Os piratas comandados por Capitão Gancho ameaçam a família da jovem Wendy quando Peter Pan surge inesperadamente cruzando os ares, dando cambalhotas e provocando os jovens malfeitores.

O efeito impressiona, pois Mateus Ribeiro, no papel de Pan, realiza verdadeiras acrobacias áreas, como se não estivesse preso a cabo algum. "Aprendi a dançar sem solo", brinca ele, um dos destaques de Peter Pan, luxuoso musical inspirado na montagem da Broadway que ganha versão nacional e estreia na quinta-feira, 8, no Teatro Alfa.

Trata-se de uma produção híbrida se comparada à original. Afinal, se traz elementos da versão americana, é completamente inovadora ao acrescentar elementos inéditos que fazem a diferença. Um deles é a maior mobilidade aérea de Mateus, que deverá até sobrevoar a plateia graças ao intenso treinamento que teve com a americana Andrea Gentry. O resultado é um verdadeiro balé aéreo.

Outro é a presença de uma atriz, Mariana Amaral, no papel de Sininho - pelo mundo afora, a personagem da pequena fada é sempre representada por um facho de luz. "Como fã da história, eu não me conformava por não ver a Sininho", brinca a produtora Renata Borges, da Touché Entretenimento. "Para isso, conseguimos a liberação da MTI para apresentá-la em tamanho natural."

Renata revela-se obcecada pelo trabalho, buscando sempre um detalhe que transforme sua montagem em algo original. Autorizada a captar até R$ 16 milhões pelas leis de incentivo, ela buscava um espetáculo familiar. O que explica o rigor técnico da produção. Renata, por exemplo, se satisfaz com contradições - como a de tornar cada vez mais verossímeis elementos de contos de fada.

É o que explica, por exemplo, a confecção de um crocodilo em tamanho original. O enorme bicho que comeu uma das mãos do Capitão Gancho (e agora o rodeia em busca do restante) anda para frente e para trás, além de abrir a enorme bocarra. "Foi construído fora do País", conta a produtora, autora da ideia.

São detalhes que satisfazem o público ávido por superproduções, mas o grande trunfo de Peter Pan é seu elemento humano. Além de Mateus, que confere graça e rara leveza ao papel do menino que não quer envelhecer, há ainda Bianca Tadini e sua voz encantadora como Wendy e, principalmente, Daniel Boaventura no papel de Gancho.

Experiente em musicais (A Bela e a Fera, Chicago, Família Addams), Boaventura exibe seu imenso arsenal humorístico para construir um personagem ao mesmo tempo histriônico e hilariante. E seu trabalho ganha ainda mais relevância graças ao jovem que interpreta Smee, o primeiro assistente de Gancho. Naturalmente engraçado, Pedro Navarro confere o tom certo do serviçal atrapalhado. "Ele é um parceiro perfeito no jogo cênico", elogia Boaventura.

Para contar a história da Terra do Nunca, habitada por crianças que não querem envelhecer, o diretor José Possi Neto percebeu que o vigor físico seria primordial no desenho do espetáculo. "Trata-se de um musical em que os personagens falam por meio do corpo", observa ele que, experiente na dança, conferiu um tom de balé às movimentações.

Nesse caminho, entram no mesmo passo o coreógrafo Alonso Barros e o diretor musical Carlos Bauzys, que contribuem para que o ritmo, embora frenético, seja controlado. Barros, por exemplo, criou movimentos que ressaltam o tom juvenil dos personagens e sua energia infinita. "A linguagem é, realmente, corporal, o que faz com que todos os atores tenham uma necessidade atlética", observa. Já Bauzys cuidou para que as notas musicais identificassem o papel de cada um. "Precisei modular os tons (grave para os piratas, agudo para os meninos perdidos) para marcar as diferenças."

O elenco de 18 intérpretes responde com vigor, garantindo o equilíbrio. "Trabalhamos juntos já desde a audição", conta Pedro Navarro, substituto de André Dias (que não pôde se unir à produção) e hoje elemento indispensável. Assim como Mateus Ribeiro que, mesmo com diversos ferros presos ao corpo, que lhe permitem dar um total de nove sobrevoos, convence o espectador de que não existe limite entre o céu e a terra.

PETER PAN, O MUSICAL. Teatro Alfa. R. Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel. 5693-4000. Estreia 5ª (8). 5ª e 6ª, 20h30. Sáb., 16h/20h. Dom., às 17h. R$ 50 a R$ 210. Até 1º/4.

 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso