Diário da Região

10/03/2018 - 18h32min / Atualizado 10/03/2018 - 18h32min

EPIDEMIA À VISTA

Exposição prolongada a celulares e tablets por crianças causam problemas de visão

Organização Mundial de Saúde já considera epidemia deste século os problemas de visão, principalmente miopia, devido à exposição prolongada a celulares e tablets por crianças em idade escolar

Mara Sousa 9/3/2018 Luciano Oliveira observa a filha, Amanda, de 6 anos, usar o celular; ele impôs limites após ela precisar usar óculos devido à miopia
Luciano Oliveira observa a filha, Amanda, de 6 anos, usar o celular; ele impôs limites após ela precisar usar óculos devido à miopia

Levantamento do Conselho Brasileiro de Oftalmologia constatou que cerca de 20% das crianças em idade escolar apresentam problemas de visão. Entre os diagnósticos está a miopia, apontada pela Organização Municipal de Saúde (OMS) como a epidemia deste século. Como principal vilão dessa história está a exposição prolongada às telas de aparelhos eletrônicos, como celulares e tablets. 

O uso além do indicado está provado também por outros estudos. Segundo pesquisa do Centro de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, TIC Kids On-line, 69% das crianças e adolescentes do Brasil, na faixa entre 9 e 17 anos, usam a internet mais de uma vez por dia. No Centro-Oeste, como também no Sudeste, o índice ultrapassa a média nacional e chega a 74% do dia. 

Hábito comum à garotada, essa superexposição às telinhas dos eletrônicos envolve uma série de riscos à saúde. Segundo o médico especializado em oftalmopediatria, Kassey Vasconcelos, de Rio Preto, o ideal é que as crianças não fiquem "grudadas" aos equipamentos mais do que uma hora e meia por dia ou estarão sujeitas a problemas oculares, posturais e até psicossociais.  

De acordo com o especialista, o correto é obedecer ao limite máximo de uso e manter os eletrônicos a uma distância de pelo menos 30 centímetros dos olhos. "Se estiver perto demais, o olho tem que trabalhar muito forçado para compensar. É só apontar o indicador para o nariz, virar o cotovelo e aonde acaba o cotovelo é onde o dispositivo tem que estar", orienta. O médico chama atenção também para a questão do brilho da tela. "Tem que diminuir. Estudos em andamento afirmam que o excesso de luz azul pode, lá na frente, provocar degeneração na retina." 

Outros problemas causados também por esse comportamento das crianças estão relacionados à depressão, tristeza, esquizofrenia, nervosismo, vício e transtornos que, segundo o médico, podem ser irreversíveis. Conforme Vasconcelos, mais de 5 horas de exposição por dia pode aumentar até a taxa de suicídio em crianças, combatida pela psicologia infantil. "Isso é muito perigoso. Uma campanha pesada que a gente está fazendo com as mães e pais", afirma.

Outro problema destacado pelo especialista é a postura incorreta que as crianças tendem a ficar quando estão há horas navegando. "Precisa prestar atenção à postura. Tem que estar ereto, caso contrário a criança terá desvio na coluna e dores de cabeça". 

O recomendável, para todos os casos, é o bom senso. "Temos que usar a tecnologia como aliada. Pais ou responsáveis nunca devem utilizá-la como como se fossem babás dos seus filhos."

Para o médico, o ideal é incentivar brincadeiras para que haja um desenvolvimento saudável. "Quando a criança está no convívio social ela tem uma troca, nas quando fica só no celular tende a ficar agressiva, nervosa, o que é uma situação muito grave", diz. "A causa ocular a gente reverte, mas essas outras questões deixam sequelas futuras graves."

Orientações que o borracheiro Luciano de Oliveira, de 34 anos, está seguindo à risca com a pequena Amanda, de 6 anos. A garota precisou usar óculos por conta de 1,25 grau de miopia em um dos olhos. "Quando percebi que ela precisava, procurei o médico. Depois do diagnóstico ela passou a ter regras para evitar outros problemas", afirma o pai. "No começo foi mais difícil, mas conversamos e explicamos", complementa.

Regras que Guilherme Trevisani, de 10 anos, também está cumprindo a pedido da mãe, Niliani Trevisani. "O Guilherme usou óculos por alguns anos e está sem usar por mais de um ano. Porém, com o uso excessivo de tablet, celular e videogame ele está reclamando muito de dores de cabeça. Estabeleci algumas regras. Por dia, pode ficar no celular ou tablet com os jogos e ou conversando com os amigos por uma hora no máximo. TV por uma hora, depois de estudar e fazer os deveres de casa. Eles não entendem muito bem essas regras, mas é necessário." 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso