Diário da Região

16/03/2018 - 22h33min / Atualizado 17/03/2018 - 22h03min

BOA NOTÍCIA

Rio Preto inicia técnica menos invasiva para cirurgia cardíaca

Aos 82 anos e com doença cardíaca, não podia fazer esforço nem cavalgar. Após passar por cirurgia inovadora, ganhou mais tempo para cuidar da terra e brincar com o bisneto

Johnny Torres 16/3/2018 Arlindo (sentado) com os médicos Luiz Antonio Gubolino, Antônio Hélio Pozetti e Márcio Santos, que realizaram a cirurgia
Arlindo (sentado) com os médicos Luiz Antonio Gubolino, Antônio Hélio Pozetti e Márcio Santos, que realizaram a cirurgia

O agricultor Arlindo Alizon, de 82 anos, estava ansioso para ver o bisneto Isac, de 2 anos, e mal pode esperar dar um mês da cirurgia cardíaca pela qual passou nesta quarta-feira, 14, no Austa, em Rio Preto, para poder cavalgar.

Dois dias depois da operação, na sexta, pôde ter alta e voltar para casa em Olímpia para brincar com o pequeno, de quem deve acompanhar o desenvolvimento graças à maior expectativa de vida dada pela técnica inovadora realizada pela primeira vez em Rio Preto em alguém que não tinha válvula no coração. Arlindo não tinha indicação para uma cirurgia cardíaca comum, por isso teria de deixar para sempre os cavalos de lado - a doença que possuía não permite esforços físicos.

O idoso tinha estenose aórtica, ou seja, o estreitamento da válvula que impedia o sangue de circular adequadamente. O problema de calcificação aórtica atinge sobretudo idosos, provocando dor no peito, desmaio, falta de ar e morte súbita. Estima-se que 5% das pessoas com mais de 60 anos desenvolverão a doença. Em Rio Preto, isso representa uma população de 3,2 mil pessoas. Do total de doentes, cerca de 30% não terão indicativo para a cirurgia tradicional, em que o peito é aberto e é preciso interromper os batimentos cardíacos.

A operação convencional requer coração aberto, sendo necessária a esternotomia (abertura do osso esterno, que fica na frente do músculo cardíaco), em que o peito é separado para o procedimento.

O TAVI é a sigla em inglês para implante percutânea de válvula aórtica, indicada para quando o paciente corre risco ao fazer a cirurgia tradicional de implante de válvula. O procedimento comum é arriscado para alguns públicos devido à idade, peso ou doenças prévias, como câncer, problemas renais ou pulmonares.

São duas formas de fazer o TAVI, ambas pouco invasivas. A que foi utilizada em Arlindo é fazer uma incisão de milímetros na virilha, pela qual passa um cateter que leva a nova válvula, que é feita de pericárdio bovino e importada dos Estados Unidos, para o local onde há o estreitamento e a implanta ali. A outra é através de um pequeno corte no peito, por onde entra o cateter.

Embora ofereça riscos, a técnica cirúrgica minimiza os riscos de complicações, pois o paciente fica menos tempo no hospital. Enquanto com a cirurgia tradicional o tempo de recuperação é de sete a dez dias internado, com o TAVI passa para três a cinco dias - Arlindo ficou ainda menos. Como é feita apenas uma incisão, e não um corte no peito, diminui o risco de quadro infeccioso. O tempo sob anestesia também é menor: de no mínimo três horas para uma hora e quinze minutos.

Mais tempo de vida

A cirurgia possibilitou maior tempo de vida para Arlindo. A partir do início dos sintomas, o tempo médio de vida é de dois a três anos sem a operação. Para quem, como ele, não podia passar pela cirurgia tradicional devido à idade avançada, não há tratamentos que resolvam o problema, pois a estenose é um algo mecânico que não pode ser efetivamente tratado com remédio.

O agricultor gostou da cirurgia. "Não senti nada, um procedimento muito legal, muito bom mesmo. Tomei anestesia geral, quando falou que acabou eu até assustei." Apaixonado pelo campo, trabalha desde os 7 anos. "O finado meu pai gostava de duas coisas, era café e gado." Conta que parou de trabalhar não faz muito tempo, mas mesmo assim não abandona a propriedade onde cultiva cana. "Eu ainda vou para lá, mexo. Os caras plantam alguma coisa estou de cima olhando, ajudando a fazer alguma coisinha. Monto em um trator, roço. Não sou desses caras entregues, faço minhas coisas", orgulha-se. 

A mulher, dona Vicentina, de 75 anos, tem que frear a vontade de Arlindo trabalhar, junto com o médico, que o alertou que sem a cirurgia e fazendo esforço físico o idoso podia ter problemas. "Eu sou meio abusado, italiano com espanhol. Uma coisa está desorganizada a gente corre para organizar", brinca.

Arlindo é pai de quatro filhos e avô de nove netos. Após dois dias no hospital, estava muito ansioso para voltar para casa. Deseja também visitar o sítio, coisa que não faz há três meses. "A vida inteira trabalhei com sítio. Eu gosto, é meu prazer, fui criado lá." O agricultor lembra que tem que fazer repouso. "Foi um procedimento muito especial, não estou sentindo nada. Gostei demais porque é uma coisa muito boa que veio."

Entenda

O que é a estenose?

A estenose é um problema que causa o estreitamento da válvula aórtica. Pode ter causas reumática e congênita, mas a principal é a degenerativa, causada pela idade. Estima-se que 5% das pessoas acima de 60 anos tenham uma calcificação da válvula, o que dificulta a circulação sanguínea. Os sintomas são dor no peito, desmaio e falta de ar. O paciente pode ter um mal súbito e falecer. O tratamento mais eficaz é a cirurgia, pois como o problema é mecânico não pode ser efetivamente tratado com remédios.

Como é a cirurgia realizada?

O TAVI é a sigla em inglês para implante percutâneo de válvula aórtica. O procedimento pode ser feito de duas maneiras. A primeira, que foi realizada em Rio Preto, é por meio de uma incisão na virilha, pela qual é introduzido o cateter que vai até o coração e implanta a válvula, feita de pericárdio bovino e importada dos Estados Unidos. Na segunda, os médicos fazem uma pequena incisão no peito e introduzem o cateter por ela.

Qual o diferencial do TAVI?

Alguns pacientes não têm indicação para cirurgia tradicional, como os muito idosos, com problemas renais ou pulmonares, muito magros, ou que já tenham tido câncer ou acidente vascular cerebral. A nova técnica permite fazer um corte menor no paciente e deixá-lo sob anestesia por menos tempo. Com isso, o tempo de recuperação é menor e a pessoa fica menos tempo no hospital, diminuindo o risco de infecções. Diferente da cirurgia tradicional, não é preciso paralisar o coração (por meio de circulação extra corpórea) para colocar a válvula. No TAVI isso é feito com o órgão em funcionamento.

 

Custo é maior, mas compensa

Segundo os hemodinamicistas Márcio Santos e Antônio Hélio Pozetti, a cirurgia TAVI custa mais, mas se for observado o valor global - levando-se em conta o tempo de internação e as complicações decorrentes de um procedimento convencional - o valor compensa.

"Os dispositivos têm se tornado cada vez mais seguros, os resultados cada vez melhores e encorajadores, então antes o procedimento que era feito para os pacientes de alto risco começou a ser feito para os de risco moderado e a tendência é que evolua e se torne no futuro a escolha para o tratamento da estenose", acredita Pozetti. Também fazem parte da equipe os médicos Luiz Antonio Gubolino e Luciano Trindade. 

Mesmo sendo menos invasiva, é preciso o mesmo acompanhamento de uma cirurgia tradicional, segundo Santos. 

É preciso também uma retaguarda hospitalar. Para o caso de algo dar errado e ser necessário abrir o paciente, por exemplo, um centro cirúrgico deve estar disponível. "No dia existia uma mobilização. Centro cirúrgico, anestesista, quatro hemodinamicistas, cardiologia com o ecocardiograma", diz Pozetti.

Em Rio Preto, uma cirurgia similar já havia sido feita no Hospital de Base, mas em um paciente que já tinha uma válvula e foi preciso trocar. Pela primeira vez a técnica foi em um paciente que iria implantar a prótese pela primeira vez. (MG)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso