Que tiros são esses?Ícone de fechar Fechar

Artigo

Que tiros são esses?

As Forças Armadas são preparadas para matar e as forças de segurança pública não devem ser


    • São José do Rio Preto
    • máx min

O Brasil nunca viveu uma guerra civil. Mas já amargou momentos em que os militares oprimiram o povo, suprimindo garantias individuais, suspendendo a democracia, desrespeitando as instituições do Estado de Direito, torturando e matando opositores e suspeitos de o serem. De modo que a sombra da ditadura militar sempre paira sobre a Nação, alimentada pelo imaginário pobre de indivíduos e grupos de índole autoritária em defesa de seus privilégios, grandes ou pequenos, reais ou fantasiosos.

A intervenção federal no Rio de Janeiro, colocando a gestão da segurança pública nas mãos de um general, é um acontecimento que se reveste de tamanha gravidade que, em tempos outros, provocaria posicionamentos e manifestações imediatos e contundentes de numerosas entidades e organizações da sociedade civil. Talvez isso não esteja acontecendo por causa do torpor em que estamos todos mergulhados, assistindo, diariamente, a escalada de um golpe midiático-parlamentar-jurídico que pode descambar para um governo senão militar, pelo menos militarizado, porque a panela de pressão do descontentamento pode estar a caminho da explosão, por conta da precarização das condições de vida e trabalho e também em decorrência das sucessivas afrontas diretas aos mais pobres, da parte de autoridades governamentais, dos meios de comunicação de massas hegemônicos e de indivíduos e pequenos grupos dos andares médio e superior da estrutura social injusta.

Caso se materialize essa hipótese, de um governo militar ou militarizado, será bastante diferente do que aconteceu em 1964/1968-1985, pelas seguintes razões: o país, hoje, é urbano e não rural, o que modifica substancialmente o "terreno" dos confrontos; os meios de comunicação de massas, apesar da sua condição monopólica, não dominam sozinhos a opinião pública, formada também via redes sociais; a sociedade está literalmente dividida ao meio, tornando difícil uma hegemonia a favor do golpe em andamento; o apoio de potências estrangeiras pode até existir, às escondidas, mas não é semelhante àquele que foi dado no contexto bipolar da Guerra Fria; a caserna não está tão assanhada, como em 1964 e, além disso, tem mais a perder, na atual conjuntura.

Que confrontos de rua possam vir a ocorrer, como estopim para uma quase-guerra civil é uma possibilidade que pode, rapidamente, se tornar probabilidade. Caso isso se materialize, as forças de segurança pública se revelarão insuficientes e incapazes de lidar com o problema. No Rio de Janeiro essas forças já faliram há muito tempo, daí não haver fato novo que justifique o decreto presidencial de intervenção federal.

Esta intervenção é equivocada e inoportuna. É equivocada porque não é papel das forças armadas atuar na segurança pública, resolver conflitos internos. Elas destinam-se à defesa nacional e seu preparo é para conter ou eliminar o inimigo externo ou para atacar além-fronteiras. Tanto assim que no golpe militar de 1964 o alvo era a "ameaça comunista", parafraseando os americanos. As forças armadas são preparadas para matar e as forças de segurança pública não devem ser: seu papel é garantir a lei e a ordem, respeitando a vida até o ponto em que matar seja inevitável.

Valdemir Pires, Economista, professor e pesquisador da Unesp; Araraquara.