Diário da Região

14/02/2018 - 22h54min / Atualizado 14/02/2018 - 22h54min

Artigo

Dilema de bancos centrais

Divulgação Celso Ming
Celso Ming

A previsão dos analistas tende a se confirmar. A inflação nos Estados Unidos ameaça voltar. O Índice dos Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) de janeiro divulgado nesta quarta-feira repetiu o que acontecera em dezembro: atingiu 0,5% sobre o mês anterior.

Combinada esta com outra informação relevante, o aquecimento do mercado de trabalho dos Estados Unidos, parecem criadas as condições para que os custos de produção e também a inflação avancem e ultrapassem a meta (informal) de inflação com que opera o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), que é de 2% ao ano. Em janeiro, a inflação anual já resvalara para 2,1%.

Isso significa que o Fed está sendo chamado a sair para o ataque ao vírus. Isso se faz com retirada de dólares no mercado, no caso por meio da reversão da política adotada desde a crise de 2008, que

foi a de injeção de moeda por meio da compra de ativos no mercado.

Desde o início de fevereiro, esse cenário é a principal razão da forte turbulência nos mercados. A alta dos juros tende a provocar deslocamento nas aplicações financeiras, dos ativos de risco (principalmente ações) para ativos de segurança (principalmente títulos do Tesouro dos

Estados Unidos).

O Fed e, com ele, os demais grandes bancos centrais têm um dilema pela frente. Se saírem para o combate implacável da inflação, como deles exigido, estarão estimulando não só as turbulências, mas, também, os encalhes de investimentos de risco, exatamente o que combateram com as injeções de moeda.

Se não combaterem a

inflação, descumprirão sua principal função.

Esse dilema sugere que as funções dos bancos centrais podem ficar comprometidas. Têm de agir, mas têm a ação travada por outros imperativos, um pouco como diz conhecido ditado brasileiro:

se correr, o bicho pega; se ficar, o bicho come.

Alguns analistas já vinham alertando para o que pode ser a raiz do problema: o conceito viciado de inflação que

tem de ser atacada pela

política de juros.

Hoje, a inflação é medida pelo custo de vida (índices de preços ao consumidor), um cestão de despesas ao varejo feitas pelo consumidor comum. Desse conjunto não fazem parte as aplicações financeiras, embora elas constituam também dispêndios das famílias, que, assim como se abastecem nos supermercados, pagam pela condução e pelos serviços pessoais, também mantêm um patrimônio em fundos de investimento, títulos e ações, para os quais direcionam as sobras de cada mês. Ora, foi justamente esse segmento de ativos que ficou supervalorizado nos dez últimos anos em consequência do despejo de moeda pelos grandes bancos centrais. Se esses preços também entrassem na mensuração da inflação, os bancos centrais já teriam agido para conter a alta

Daí por que alguns especialistas vêm recomendando que os ativos financeiros também integrem o conjunto de preços a ser monitorado pelos bancos centrais, para efeito da condução de sua política de juros. Como não há a menor possibilidade de mudança imediata no conceito de inflação, o Fed e os grandes bancos centrais terão de conviver com seus grandes dilemas da hora.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso