Diário da Região

27/02/2018 - 22h24min / Atualizado 27/02/2018 - 22h24min

É A VIDA

Enquanto luta pela vida, Rhakelryn sonha com a casa nova

Menina de 2 anos luta contra infecção no sangue e pneumonia. Casa onde mora está cheia de infiltrações, por isso ainda não pode voltar para lá

Mara Sousa 27/2/2018 Mirela Soares com a filha Rhakelly Soares Sol ( colo 2 meses )  e Rhakelryn Soares Sol (2 anos celular)
Mirela Soares com a filha Rhakelly Soares Sol ( colo 2 meses ) e Rhakelryn Soares Sol (2 anos celular)

Para Rhakelryn Soares Sol, de 2 anos e 6 meses, voltar para casa, em Reginópolis, ela precisa de uma reforma. A menina nasceu com Tetralogia de Fallot e passou por uma cirurgia em novembro no Hospital da Criança e Maternidade (HCM), em Rio Preto. Teve alta e foi embora com a mãe, a dona de casa Mirela Soares, de 32 anos, mas precisou voltar após desenvolver infecção no sangue e pneumonia que a família acredita terem sido causadas pela umidade da casa, que tem as paredes úmidas, inclusive no quarto da criança. Por isso, os familiares resolveram fazer uma campanha para arrecadar dinheiro para reformar o imóvel. Enquanto estão aqui, mãe e filha ficam na Associação dos Amigos da Criança com Câncer.

A família mora em Reginópolis, na região de Bauru, cidade onde a criança nasceu, na maternidade Santa Isabel. Rhakelryn é a terceira de quatro irmãos: Vithória Yasmin, Gutierre Guilherme e Rhakellyn, de respectivamente 9 anos, 6 anos e dois meses de idade - a bebê nasceu em Rio Preto em 29 de dezembro, pois a irmã passa por tratamento aqui.

Quando Mirela começou a sentir dores, o parto foi feito rapidamente por cesárea. Rhakelryn estava sentada e nasceu com problemas respiratórios, fígado inchado, sopro no coração, catarata e luxação no quadril. Foi encaminhada para o Hospital Estadual de Bauru para ser consultada por uma cardiologista. Só aí, onde ficou internada por um tempo, a equipe descobriu que ela tinha Tetralogia de Fallot. Os defeitos desta doença fazem com que sangue que vai para o coração e para o resto do corpo seja pobre em oxigênio. Os sintomas são pele azulada e falta de ar.

Aceitar a condição da filha não foi fácil para a dona de casa. "Eu cheguei a ficar em depressão, chorava muito", conta ela que trabalhava em casa de família e fazendo lanches, mas parou por conta de complicações da gravidez. "Deus dá um fardo para aquele que sabe carregar. Se ele achou que eu tinha que carregar, eu carrego com todo amor e carinho porque a gente que é mãe faz tudo pelo filho. Eu larguei mão de tudo e de todos, que o meu foco é mais para minha filha."

A médica responsável pediu que a menina fosse levada a qualquer hospital que tivesse vaga para a cirurgia, mas a criança estava abaixo do peso, por isso a operação era de risco. Rhakelryn foi convocada para fazer o procedimento em novembro de 2017, no HCM de Rio Preto. A cirurgia aconteceu em 30 de novembro, uma quinta-feira, e tudo correu bem. A expectativa é que ela fique com um pequeno sopro para o resto da vida.

No dia 14 de dezembro, Rhakelryn teve alta médica. No dia seguinte, porém, começou a ter febre e inchaço nos pés. Mirela levou a filha depressa até a emergência do HCM. "Acabou ficando internada porque deu infecção no sangue, água em volta do pulmão e pneumonia. Ficamos 57 dias com antibiótico nela no hospital. As enfermeiras e médicas cuidaram muito bem dela", lembra. Foi preciso ficar na semi UTI. Mais uma vez, a criança se recuperou, teve alta e, desta vez, foi para casa, em Reginópolis.

Em 19 de fevereiro, uma segunda-feira, Mirela trouxe mais uma vez a garota para o HCM. Na casa da família, a pequena teve contato com poeira - a casa havia ficado sem limpeza - e mofo, fungos e umidade, pois as paredes da residência, inclusive o cômodo que foi designado como quarto de Rhakelryn, estão com infiltração. "Começou e ter febre. Aí constatou que estava com infecção no sangue. Fez a tomografia e constatou que estava com pneumonia, agora continua internada novamente tomando os antibióticos."

O enteado de Mirela, o jovem Halan Cardoso Dias Gonçalves, de 19 anos, está em Rio Preto também cuidando da irmã. Ele e Bianca Marcela, de 16 anos, são filhos de Marcelo Sol Costa Conceição, marido de Mirela e pai de Rhakelryn, que tem 42 anos e trabalha como tratorista.

A sala do imóvel da família virou quarto da pequena, e a cozinha se transformou em sala. Para reformar a casa, a família precisa de doações. "Está com muita infiltração neste quarto porque a parede está toda úmida, o reboque cai para o chão. Está tudo úmido, mofo com fungos. E isso faz mal porque eles falaram que a criança que faz cirurgia no coração tem a imunidade bem mais baixa", desabafa Mirela. "Eu falo que ela não pode ter contato com isso."

A criança precisa dar continuidade ao tratamento de catarata, cuja cirurgia de correção ainda não aconteceu graças às intercorrências hospitalares. Rhakelryn faz acompanhamento com fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo e nutricionista na Apae de Bauru. Em Botucatu, o tratamento é com oftalmo. "Eu tenho a casa, mas não tenho moradia porque minha vida é só correndo com ela em cada cidade para melhorar o estado de vida dela."

Esbanjando alegria

Mirela conta que nem parece que a filha tem problemas de saúde, como o deslocamento de quadril. "Se desenvolve bem. Se você ver, fala que ela não tem nada. É uma criança alegre, fala, gosta de beijar, de abraçar. Só na parte de alimentação que está comendo pouco devido à falta minha e do pai", afirma. As brincadeiras favoritas da criança são andar de andador, cantar "Atirei o pau no gato", brincar de casinha com fogões e panelas e de bonecas - duas delas fazem companhia a ela no quarto do sexto andar do HCM.

A dona de casa fala que é grande a luta. "Acabei deixando esses dois filhos meus lá. Na minha casa nesse meio tempo que eu estava para cá e meu marido também, a gente estava passando dificuldade de alimento para as crianças. Depois que eu voltei para lá a gente também estava precisando de alimentos, está com a prestação da casa atrasada e eles falaram que tem que quitar essa conta, se não pode ir a leilão", desabafa. Agora, Marcelo está em casa, em Reginópolis. "A gente está precisando de ajuda e a maior que a gente pede é nesse quarto equipado para ela, para deixar adequado para quando ela voltar para casa."

Mirela está se dividindo entre Reginópolis e aqui, monitorando como estão as coisas em sua casa e cuidando da menina. Desde que desde que ela chegou nesta semana a filha já está mais animada. Daqui para frente, a mulher deseja melhoras. "E tudo de bom para minha filha. Aqui na casa eu já vi mãezinhas perderem seus filhos e isso é uma coisa que eu não quero porque eu não lutei à toa. Quero a melhora da minha filha, a saúde, e que não venha acontecer mais isso que ela está tendo agora, que só venha a tratar o restante que é a luxação do quadril, que ela anda mancando, e a catarata", fala. "Que ela venha a ser uma criança saudável que nem meus outros filhos. Entreguei para Deus a vida dela, mas não que ele levasse, mas sim que deixasse comigo", finaliza.

Quem quiser ajudar a família pode entrar em contato com Mirela pelo telefone (14) 99743-1971 ou depositar qualquer valor na agência 3477, conta-poupança 00006253-1, operação 13. A conta está em nome da dona de casa.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso